quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Relembrando

Idos de 1999, um ano marcado pela conquista do título Paranaense, na raça. Em 17 de outubro, o Coritiba voltaria a enfrentar o time da Baixada. O jogo foi no Alto da Glória, com mais de 31 mil pagantes no maior estádio do Paraná.

Jogo equilibrado, muito disputado, dentro e fora de campo. O primeiro tempo passou em branco e o jogo já caminhava para o final. Eles abusavam da violência e Dutra foi expulso, ao revidar uma agressão do zagueiro Gustavo.

Então, quando menos se esperava, eles saíram na frente: Kelly (aquele mesmo), aos 32. Foi o que bastou para ‘eles’ acharem que venceriam o jogo... Não deu nem pra ‘eles’ comemorarem direito: em dois minutos, o Verdão virava o jogo, aos 34 e 35, com o zagueiro Leonardo e o atacante Basílio. Logo depois, Alberto (deles), foi expulso.

Lembro do gol de Basílio: a torcida jogou junto com ele, incendiou a partida e ele marcou um golaço, na raça e na velocidade, o gol da vitória. E foi merecido, o Coxa jogou mais bola que ‘eles’.

Dinelson e Douglas Silva não jogam o AtleTiba

O repórter Jairo Jr., da Rádio Colombo, noticiou que os jogadores Dinelson (meia) e Douglas Silva (volante) não jogarão o AtleTiba deste domingo, 28.

Dinelson, recém-contratado junto ao Corinthians, vem de longo período parado por contusão - ele teve que passar por uma cirurgia no joelho - e chegou ao Alto da Glória com uma tendinite, tendo que passar por um trabalho específico de recuperação física. Já Douglas Silva, que passou por um longo processo de recuperação clínica devido a um pubalgia, também passa por trabalhos físicos para recuperar a forma.

Segundo o repórter, Dorival pretende trabalhar o retorno dos dois atletas aos gramados de forma gradativa, aos poucos, mantendo o critério já feito com outros jogadores do elenco Coxa.

'Eles' saíram na frente...

Com tristeza digo que 'eles' saíram na frente e inovaram. Se, historicamente, o Coritiba era o clube inovador no futebol do Paraná, desta vez, ficamos pra trás. O comparativo é inevitável, quando se fala em times de futebol: a rivalidade local sempre fala alto.

O time da Baixada oficializou um sistema de embaixadas, pelo qual buscará regionalizar sua torcida, com o apoio institucional aos torcedores 'deles' que não residem em Curitiba. O objetivo, é simples: fazer células regionais, agrupando torcedores.

Triste ficar atrás, não inovar no Paraná - a idéia é antiga, já existe há décadas na Argentina e até torcida organizada, como a Gaviões da Fiel, tem sede em Curitiba, lá no bairro Boa Vista. O Coxa, infelizmente, não lançou nada. Apesar de que a promessa - ou objetivo, sei lá qual designação queriam dar para o que está escrito no Projeto Vencer - está lá, no capítulo que fala sobre marketing:

- Promover a fidelização e ampliação da torcida;
- Criar a rede de colaboração de torcedores influentes;


Pois bem, informalmente, através de uma iniciativa do site COXAnautas, hoje o Clube conta com 123 consulados espalhados pelo planeta, alguns dos quais, já estruturados o suficiente para viajar, acompanhando os jogos do Cori, bem como realizar eventos de congraçamento de torcedores coritibanos e locais.

É isto.

O Coritiba perdeu uma oportunidade de sair na frente.

Espero que quando a diretoria do Clube transforme a teoria na prática, o Coxa lance algo melhor do que o lançado pelo pessoal da Baixada.

(Foto: Ervin Bacik)