terça-feira, 16 de setembro de 2008

Copa no Couto: Cirino fala

Em entrevista ao jornalista Carlos Eduardo Vicelli, o presidente do Coritiba falou sobre a situação do Clube em relação a uma possível indicação do Couto Pereira para as disputas da Copa do Mundo 2014.

“Estamos no páreo. Isso (a construção de um novo estádio ou a modernização do Couto) não é segredo para ninguém. É, inclusive, uma promessa minha de campanha. Só que não se tem uma resposta sobre um empreendimento desta magnitude da noite para o dia. Precisamos de paciência”, disse o presidente coritibano.

Segundo a matéria, o Cori estaria negociando com investidores interessados na obra. “Não temos definição. Estamos trabalhando em várias frentes. Também com a WTorre (empresa que é parceira do Palmeiras na modernização do estádio do time paulista)”, explicou Cirino.

Já o representante da WTorre, João Carlos Mansur, executivo destacado pela escritório de engenharia para cuidar da seção estádios, disse que a conversa com o Coritiba foi apenas “uma conversa cordial. Só que, por enquanto, de certo mesmo só o Palmeiras e que pretendemos ir para outras cidades. Curitiba é interessante. Não descartamos ninguém. Mas, repito: não temos nada oficial com Coritiba, A. Paranaense ou P. Clube”, explicou.

Também segundo a matéria, o estudo que estaria sendo feito pelo Verdão - com prazo para entrega até o fim do ano - avaliaria se o ideal seria reformar e modernizar o Couto ou então construir outro estádio, noutra região da cidade.


Bom, pra sermos práticos: quando o estudo estiver pronto, voltamos a falar no assunto, presidente. Que tal? Por enquanto, vamos falar de bola. Ou então, já que é pra não falar de bola, qua tal debatermos a quantas anda a reforma estatutária e o plano de sócios com direito a voto?

Para debateremos profundamente, temos que ter informações precisas. E como bem disse o presidente Cirino, um projeto destes não acontece do dia pra noite. Então, quanto tudo estiver "bem explicadinho, nos mínimos detalhes...", poderemos saber quais as cláusulas, como funcionaria o protocolo de intenções. Se for pra construir noutra área de Curitiba, onde ficaria esta área? Quem seria o dono do terreno? Quanto tempo o parceiro exploraria o estádio? Como funcionaria os direitos adquiridos dos sócios e proprietários de cadeiras no Couto? Enfim, um debate amplo, com a presença dos sócios - até porque, segundo a reportagem, para a WTorre, é fundamental ter um parceiro que atue com transparência. E, debate sem sócios, seria uma ferramenta de uma gestão transparente?

Tratar da Copa, neste momento, é bom para quem? Para quem apóia a iniciativa do A. Paranaense em levar a Copa para seu estádio?

Depois de uma derrota preocupante em Salvador, a discussão será Copa do Mundo? Será que é oportuna a discussão, se nem o estudo de viabilidade do empreendimento nós temos?

Lá no fim do ano, o Brasileirão já acabou. Então, até lá, vamos falar de bola? Já que o Coritiba está há um mês sem vencer, tem o 18º rendimento no turno (entre 20 times), pior inclusive que o time da Baixada, e na semana que vem teremos AtleTiba.

Ah! Para quem argumenta que o time mantém o mesmo rendimento se comparado com igual fase de jogos no primeiro turno, bom lembrar que boa parte dos adversários com quem iremos jogar não só estão melhorando o rendimento no segundo turno, como também reforçaram seus times.

(Foto: Marcello Schiavon)

Jogo de risco ou de recuperação?

Jogo de risco ou de recuperação?

O Coritiba começa a dar sinais de cansaço no Brasileirão. Na hora de vencer os concorrentes diretos, nos famosos “jogos dos seis pontos”, o Coxa não vence. Foi assim contra o Vitória, em Salvador. Agora, o Verdão está em 9º, com 37 pontos, um a mais do que Goiás e Inter, dois adversários que ainda encararão o Cori no Alto da Glória.

Agora, é enfrentar o Fluminense, neste sábado, no Maracanã. A torcida estará lá e fará a sua parte — a Império Alviverde organiza uma excursão ao Rio. Mas resta que o time faça a parte dele. Contra o Flu, o Coxa enfrentará um adversário desesperado, que precisa vencer e vencer a qualquer custo, e por isso pode ficar vulnerável na defesa. Ou seja, vamos aproveitar para pontuar no Rio.

O Coritiba enfrenta agora um jogo que é 8 ou 80: ou de risco ou de recuperação. Depois, é o AtleTiba. E no clássico, sem desculpas: é vencer ou vencer.

Coritiba, a torcida que nunca abandona.

(Foto: www.sxc.hu)