sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Fotos da Império no Rio

A torcida que nunca abandona esteve ao lado do Coritiba no jogo contra o Vasco, em São Januário, no Rio de Janeiro.

A Império Alviverde acompanhou o Verdão no jogo contra o time cruzmaltino, levando seu apoio ao time Coxa.

Confira as fotos:




Entre as formigas e os abutres, fico com as formigas



É impressionante como o poder transforma as pessoas no Alto da Glória!



Quando da campanha eleitoral, o grupo de Jair Cirino e Tico Fontoura levou exaustivamente um discurso de gestão profissional no Clube.



Depois de eleitos, seus correligionários não conseguiram transformar tal retórica em prática. Pior, as lideranças do grupo Cirino/Tico não conseguem impor isto aos seus comandados: menos papo, mais ação.



As disputas - infames e irresponsáveis! - entre grupinhos políticos, seja de situação, seja de oposição, trazem à tona a discussão de 'abutres, corvos, urubus e outros carniceiros', que seriam os torcedores (sic) que querem a derrota do time em campo para poder criticar a gestão.



A situação mais grave é a da ala situacionista. Justamente por ser a situação quem tem que fazer acontecer.



O mega-projeto chamado 'Projeto Vencer' tem doze tópicos tidos como as premissas de gestão para 12 anos. Repare, doze, mais do que uma década. Doze anos é muito tempo, tempo suficiente para fazer muita coisa. E como o tempo é precioso, tudo o que não está no prioritário Projeto Vencer deve ser deixado de lado.



Em vez de centralizar e priorizar esforços em ações, em 'fazer acontecer', correligionários situacionistas preferem atacar os tais urubus, abutres e corvos.



Pra mim, uma falta de habilidade política enorme, por dois motivos: primeiro, porque literalmente levaram uma tunda do Giovani Gionédis, ao aprovarem por unanimidade as contas da última gestão e por manterem viva o Coritiba S/A, que foi tachado de 'caixa preta e caixa 2 da gestão GG'. Os fatos são estes. Não sei os motivos destes fatos tomarem tais caminhos, mas os fatos são estes. E, politicamente, uma estratégia de atacar Gionédis é temerária em se tratando de Coritiba. De frente, encará-lo não tem sido nada fácil pra muita gente...



Também acho um erro de estratégia dar trela, justamente por fazer meia dúzia de três ou quatro alimentarem este círculo vicioso de ataques pessoais de grupos políticos, por vezes de um lado, por vezes de outro. É uma situação irritante, que não interessa a 99,99% dos torcedores coritibanos, mas que toma um tempo e uma proporção gigantesca na vida do Clube. Um despropósito: os interesses de um grupo, seja qual for, ficam acima dos interesses de uma coletividade, a torcida do Coritiba Foot Ball Club que quer saber é de time forte!



Mais muito mais do que o fator político, o que mais pesa é o fator prático, o da gestão de um clube de futebol no seu dia a dia. Quanta energia desperdiçada com assuntos não relacionados à B-O-L-A, que, convenhamos, é o que interessa à torcida.



Passados sete meses de gestão, ainda não caiu a ficha em alguns adeptos do grupo Cirino e Tico que eles precisam é cuidar do Coritiba Foot Ball Club e não das suas desavenças eleitorais.



Não faço defesa da gestão de Gionédis. Nem faço ataque a ela. Isto não cabe a mim, e sim, aos senhores conselheiros, eleitos ou não, que têm direito (e obrigação!) às vistas documentais de atos e fatos jurídicos do Clube. São eles os designados à função fiscalizadora. E também não faço nem defesa, nem ataque à gestão de Cirino e Tico, cuja chapa foi mereceu meu voto na eleição de dezembro do ano passado. Quero apenas que eles cumpram suas promessas, especialmente a de ter um time forte e competitivo, à altura da grandeza histórica do Coritiba Foot Ball Club.



Faço apenas uma análise de quem está de fora desta briga toda, um torcedor que quer ver o Coxa tratando de futebol - que nem parece prioridade pra muita gente! - e não destas brigas pessoais, do tipo "Fiz mais". As brigas pessoais continuam fortes no Alto da Glória. Uma pena.



Pensei que a gestão de Cirino e Tico seria profissional. E que eles tivessem comando sobre seus pares.



Entre abutres, corvos e urubus, fico com as formigas. Elas trabalham em silêncio e trabalham por um bem maior: a existência de uma coletividade.

Dois desfalques no adversário

O Sport Recife vem a Curitiba para enfrentar o Coritiba, domingo, 16h, no Couto Pereira, sem poder contar com a presença de dois atletas tidos como titulares do time pernambucano: o meio-campista Fumagalli, que se recupera de uma lombalgia, e Sandro Goiano, volante, que aprimora a forma física.

No time do Leão da Ilha, alguns conhecidos da torcida Coxa: o lateral-esquerdo Dutra e o atacante Enilton, que já atuaram no Alto da Glória, e o lateral-direito Luizinho Netto e o zagueiro Igor, que já atuaram no time da Baixada.

Segundo matéria do site SportNET, "para o duelo com o Coxa há a possibilidade do técnico Nelsinho Batista voltar a escalar o time com três volantes. Se isso acontecer, o meia Francisco Alex vai ceder a vaga para Júnior Maranhão ou Sandro Goiano (se viajar)".

Qual é a do Coritiba?

Este é o Coritiba do Campeonato Brasileiro 2008: 29 pontos em 18 jogos (8 vitórias, 5 empates, 5 derrotas), 26 gols-pró, 19 gols sofridos (7 gols de saldo). Um aproveitamento de 53%.

As últimas (e boas!) vitórias sobre Náutico, Santos e Vasco, todas fora de casa, todas contra adversários em má fase (destes, o Santos deve crescer na competição), fizeram a calmaria voltar ao Alto da Glória.

Percebo junto aos colaboradores mais próximos da diretoria - um seleto grupo de conselheiros e/ou torcedores que devem ser candidatos a conselheiro na próxima eleição do Clube (quando será?) uma entusiástica relação com o momento do Clube no Brasileirão. Algo sou "Eu já sabia!", querendo referendar o bom momento com uma boa gestão do futebol - algo que eu não vejo da mesma forma.

Por vezes, a alegria destes parece ser maior com os feitos da diretoria do que os feitos do time. Vá entender?! Entra ano e sai ano e é como se fosse uma disputa pessoal entre as correntes políticas do Clube. E o futebol? Ah, o futebol não tem graça. A graça maior é as auto-conquistas ou os fracassos dos adversários - não os da bola, os da política interna. Foi assim, tem sido assim. Espero que um dia deixe de ser assim, pois pra mim, o que conta é o tal de Foot Ball Club...

Mais do que este bom momento na tabela, agora "O time é bom", agora o time vai para a Libertadores. Pra mim, o atual elenco - sem contar com a avaliação in loco do futebol de Ariel, Evaldo e Jailson -, o Coxa não tem time para chegar na Libertadores 2009, precisando pra isto de mais reforços.

No dia 20 de julho, Jamelli disse que o Coxa esperava o depósito do valor da venda de Michael ao futebol do Japão - afinal, quanto foi a venda? E, segundo o homem forte do futebol coritibano, o Coxa ainda procurava um lateral-direito (dias depois, anunciava-se a renovação com Rodrigo Heffner) e um atacante para reforçar o elenco. Do atacante, o qual eu vinha cobrando das declarações de Jamelli, faço a mea culpa e admito o erro: ele já chegou, é Jailson, anunciado no dia 30. Logo, faltaria apenas um lateral-direito na avaliação do Clube - já que Heffner já estava no Alto da Glória, só teve o seu vínculo prorrogado. Se a idéia era apenas renovar o contrato, Jamelli não teria dito que o Verdão ainda procuraria um lateral-direito...

Ou então, Heffner foi uma 'grata surpresa' para o departamento de futebol, que não teria feito uma avaliação correta - bom lembrar que o jogador ficou 3 meses no Clube e nunca tinha sido nem relacionado para o banco de reservas e, do dia pra noite, com uma combinação maluca de contusões e suspensões, virou titular absoluto -, mas que pela situação, ficou com ele e agora age em silêncio, deixando no esquecimento a necessidade de contratar mais um camisa 2. É...

E este dinheiro da venda do Michael - que não era atacante, era meia-atacante -, onde foi aplicado? O Coritiba S/A está gerindo todas as receitas do Clube ou alguma receita foi parar no Coritiba Foot Ball Club. Se sim, onde foi aplicado este dinheiro? Mas esta é uma pergunta para outro debate, em outro momento. Por enquanto, fiquemos na bola, já que a bola está bem e o dinheiro tem sido suficiente para manter a bola 'bem'...

Está bem na tabela o Alviverde, sem dúvida, mas a pergunta é: termina assim a competição? Passa pelos famosos 'setembro negro' incólume? A tabela para agosto e setembro é complicada, mas já que o time não é ruim como rebatem uns - logo, se não é ruim, é bom... -, o Coritiba deve crescer ainda mais na competição e chegar ao G4 é mera questão de tempo.

O tempo dirá. Mas antes disto, a diretoria precisa nos dizer: onde o Coritiba quer chegar com este time? Se o silêncio permanecer, vale a última palavra: Libertadores 2009.

Já que a diretoria não diz, o tempo dirá...

(Foto: www.sxc.hu)