segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Internautas elogiam presença e participação da Império na Vila

Os internautas que acompanham o noticiário sobre o Coritiba no site COXAnautas elogiaram a presença e a participação da Império Alviverde durante o jogo contra o Santos, na Vila Belmiro, no litoral paulista.

O comportamento da torcida, que apoiou o time durante todo o jogo e as comemorações dos gols coritibanos – com direito a imagens pela SporTV para todo o Brasil, pelo sistema de TV por assinatura – foram bastante elogiados. O torcedor Carlos Roberto Becker, que reside em Santos e estava na Vila Belmiro, elogiou o posicionamento da Império Alviverde, postando um comentário logo após o fim da partida.

“Acabei de chegar da Vila. A Império calou toda a torcida do Santos, inclusive botou pra correr”, conta o torcedor, que concluiu dizendo que a torcida “Não parou um só instante! Parabéns, IAV!”.

Outro torcedor que elogiou a organizada foi o Coxa-Branca Giovanni Chierigatti Gonçalves. “Não é qualquer torcida, especialmente de fora de São Paulo que entra na Vila... Parabéns aos representantes de milhares de torcedores”, falou Gigio, como é conhecido entre os internautas do COXAnautas.

Já o coritibano Diógenes Balbino Kühl Lima, o Didio, do Consulado da Torcida Coxa no Norte do Paraná, ressaltou a festa que a Império fez nas arquibancadas da Vila Belmiro. “Coisa linda de se ver: os dois últimos gols marcados no gol onde estava esta fantástica torcida, foi possível perceber logo a na feitura dos mesmos, a vibração da galera. Show de bola para o Brasil todo assistir”, disse o fiel Coxa-Branca.

Quem também destacou a festa alviverde – os integrantes da Império usaram sinalizadores para comemorar os gols do Cori – foi o torcedor Eduardo Ratto, que também elogiou o comportamento e a presença da galera Coxa. “E a torcida do Coxa atrás do gol? A Império apavorou, foi muito lindo... Isso tem que ser falado também.

No primeiro gol, o uso dos piscas e sinalizadores. Festa Bonita. Pra quem viaja, sabe da dificuldade de entrar com todo material em outros estádios. Parabéns à Império Alviverde e a todos que foram (até a cidade de Santos, apoiar o Coritiba). Festa muito bonita”
, disse o torcedor.

Outro torcedor que reside fora de Curitiba e que prestou seus elogios aos integrantes da Império foi o cônsul da Torcida Coxa em Florianópolis, o Bob Floripa. Bob disse que “Essa é a torcida do Coritiba, a torcida que rompe barreiras, A Torcida que nunca abandona. Uma torcida que cada vez mais demonstra ser sem fronteiras!”, disse Bob, ao saudar os guerreiros da Império Alviverde.

O alviverde Edmundo Rodrigues da Veiga Neto, que reside Curitiba e encarou a viagem de carro com familiares para ver o Verdão na Vila Belmiro, fez questão de ressaltar a força da Império durante a partida. “Viajei a Santos no sábado, de carro, com meu filho Ivan de 9 anos e meu sobrinho João Lucas de 12 anos para fazer a festa em cima do Peixe ! Constatamos que (rotina) a Império mais uma vez deu um show! Parabéns!”, saudou o coritibano.

Adversário pode ter desfalque

O site do Superior Tribunal de Justiça Desportiva noticiou o julgamento do atleta vascaíno Moraes pela expulsão no clássico regional contra o Fluminense. O julgamento ocorrerá nesta noite de segunda-feira, no Rio de Janeiro, e Moraes está incluso no artigo 540 do STJD (Praticar ato desleal ou inconveniente durante a partida).

Se for punido pelo tribunal, Moares pode desfalcar o time cruzmaltino em até três jogos, ficando de fora da partida contra o Coritiba, na quarta-feira, em São Januário.

Os números te contestam...

Acredito que alguns leitores possam estar se perguntando: "Mas se o elenco é fraco, como você mesmo diz, como é que pode o Coritiba estar no G7 do Brasileirão?". É, numa análise pontual, sem dúvida os números me contestam.

No futebol, a análise dos números é implacável. Sob o ponto de vista de classificação, de nada adianta jogar bem e perder. O que conta é ganhar. Mas para um time vencedor, muitos fatores, alguns 'invisíveis', precisam ser conjugados em sintonia...

É evidente que os profissionais da área depuram os números, fazendo avaliações mais complexas do que nós torcedores. E aí, eles entendem melhor os motivos do sucesso ou do fracasso, bem como projetam melhor o futuro. A capacidade deles é sistêmica; a do torcedor, nem tanto, é muito emocional, vendo os números como motivos de comemoração entusiástica. Nada mais natural, somos o que somos e só queremos ver o Coritiba vencedor, não interessa como, nem a que preço.

É possível que um time que joga bem e perde, mesmo que repetidas vezes, tende a melhorar de desempenho. Só que a cada rodada disputada, um time que joga bem e perde se afasta mais de uma classificação e se aproxima mais de uma desclassificação. E a tendência é a de que, mesmo jogando bem, não atinja seu objetivo.

Um exemplo foi o Coritiba de 2005. Naquele ano, nos momentos finais, digamos, nos 10 últimos jogos, até que o time jogou bem, mas jogar bem não foi o suficiente: era necessário vencer, seja jogando bem, seja jogando mal. E o Coxa não teve time para vencer quando mais precisava.

E aí, o leitor se pergunta: "Mas com este tipo de raciocínio, novamente sua tese de que o Coritiba tem um time limitado cai por terra", pois independente se jogar bem ou mal, o Cori continua pontuando, está no G7.

Verdade. Então, o que me leva a crer que o Coritiba tem um time limitado (quando falo em time, falo em elenco, pois todo mundo sabe que o onze ideal não joga os 38 jogos do Brasileirão, esqueçamos esta tese ideal e sejamos práticos), que terá dificuldades para a continuidade do Brasileirão se não se reforçar? Entre outros fatores, também os números.


Eles, os números

Dos 19 jogos do primeiro turno, o Alviverde já fez 17. Restam dois, um contra o atual 10º colocado, o Sport (casa) e outro contra o 14º, o Vasco (fora). Dos 51 pontos possíveis, o Verdão fez 26 (poderá chegar em 32, de 57 possíveis).

Destes 26 pontos, o Coxa conquistou 9 contra times do G6. Se considerado o G10, foram 9 pontos conquistados (de 24 possíveis); e se considerado o G11, foram 9 pontos conquistados (de 27 pontos possíveis).

A grande diferença no comparativo entre os pontos ganhos contra os times do G6 e do G11 foi o fato do Alviverde ter jogado em casa, onde tem um rendimento que pode ser considerado muito bom.

Explico o motivo de considerar até o G11: supondo uma rodada, o Figueirense, que tem 24 pontos e ocupa a 11ª colocação poderia superar o Verdão, caso fosse vitorioso em seu jogo e o time coritibano perdesse na rodada.

Contra os seis melhores times até aqui, o Coxa jogou cinco vezes em casa (Grêmio, Cruzeiro, Palmeiras, Vitória e Flamengo) e apenas uma fora (São Paulo). Não considerarei que o Flamengo está em descendência e o São Paulo em ascendência, ficarei apenas nos números.

Ou seja, contra o G6, foram duas vitórias, três empates e uma derrota. O fator casa pesou favoravelmente para o time do Alto da Glória. Mas no returno, o Coxa terá que jogar fora e isto pode ser um fator dificultante para o Coritiba.

Na faixa "intermediária" da tabela, do 12º ao 16º, o Verdão jogou quatro vezes e conquistou 7 pontos (de doze possíveis), com duas vitórias, um empate, uma derrota.

Já contra os times da Zona do Rebaixamento - e aí, exceto pelo fato de termos um clássico local, que é um jogo atípico, devido ao fator motivacional e psicológico que a rivalidade impõe aos jogadores, jogar em casa ou fora tanto faz, é uma 'obrigação' ainda maior a de vencer -, o time Verde e Branco conquistou 10 pontos (de 12 possíveis), com três vitórias e um empate, justamente o clássico regional AtleTiba. Ou seja, fez o serviço.

Mas se os números até aqui, contestam a tese da fragilidade do elenco, o que me diz que o Coritiba precisa estar muito atento e precisa reforçar, não permitindo ficar desacelerado, conformado com uma atual boa classificação? A intuição.


Ela, a intuição

A intuição me diz que o time Coxa precisa ser bem cuidado, que as coisas não estão tão bem como aparentar estar na tabela.

Nem todas as verdades podem ser ditas e o ambiente que está sendo declarado pelos jogadores, comissão técnica e direção pode não ser tão bom assim para superar uma fase complicada no Brasileirão. E fase complicada envolve dinheiro (a falta dele), problemas de relacionamento do elenco, maus resultados, perda de jogadores, perder um clássico ou para um time da ZR.


O fator Keirrison

Um fator que merece uma análise à parte é o desempenho do atacante Keirrison. Recentemente, o site COXAnautas fez um levantamento sobre o desempenho do treinador Dorival Jr., que batera o recorde de desempenhos entre os treinadores coritibanos na última década.

Fiz a sugestão ao site de que façam nova análise, levando em conta o desempenho de Dorival quando Keirrison joga e quando ele não joga. E poderia ir além: o desempenho dos treinadores com K9 em campo e sem o atacante em campo.

Depois de ficar fora do time, se recuperando de uma contusão, o camisa 9 voltou e já é o artilheiro do Coritiba no Brasileirão, com 7 gols. E sendo decisivo.



Agora, é esperar pelo tempo passar


O tempo e só o tempo dirá se a atual classificação do Coritiba é um indicativo que o time tem capacidade para lutar por uma vaga na Libertadores em 2009 ou para lutar para não ficar na ZR. Espero estar errado, mas pra mim, não é indicativo de uma Libertadores não. Pelo contrário.