sexta-feira, 4 de julho de 2008

Inter pronto para encarar o Cori

O Internacional já tem o time praticamente definido para o jogo deste domingo, no Beira-Rio, contra o Coritiba. O time gaúcho não terá apenas o goleiro Renan entre os titulares. O atleta foi expulso no Gre-Nal e cumpre a automática contra o Cori. O time colorado deverá ter Clemer; Ricardo Lopes, Índio, Sorondo e Marcão; Edinho, Magrão, Guiñazu e Alex; Taison e Nilmar.

A presença de Magrão no meio de campo ainda depende de um aval do departamento médico. O atleta sentiu dores musculares durante a semana, mas participou normalmente de parte do treino desta sexta-feira. Segundo o departamento médico, o jogador foi apenas poupado da atividade, mas deve enfrentar o Coritiba. Se o volante Magrão for vetado, Maycon e Adriano, aparecem como opção.

Para esta partida, o treinador Tite espera contar com o apoio do seu torcedor, já que depois do Coxa, o Inter enfrenta o Goiás, também em casa. Vindo de uma boa apresentação contra o maior rival - empate a um gol, no Olímpico -, o treinador do Internacional convocou seu torcedor para o jogo contra o Verdão. "Contamos com o carinho da torcida nestes dois jogos, pois este é o momento de pegar confiança no campeonato. Ambicionamos conquistar dois bons resultados, mas para isso vamos ter que manter o padrão da atuação no Gre-Nal: marcar forte e jogar com qualidade quando tivermos a posse de bola", projeta o técnico.

O jovem valor Taison, mei-atacante de 20 anos e que renovou seu contrato até 2013, fará sua estréia pela equipe profissional no Beira-Rio. "Estou aguardando ansiosamente por este momento", revela Taison. O jogador, formado na base do Inter, foi o destaque do time alvirrubro no clássico gaúcho e está na expectativa para o jogo contra o Alviverde paranaense.

Ranking de sócios

A revista Placar (julho 2008) publicou um ranking dos clubes brasileiros que têm os maiores quadros associativos do Brasil. Pelo levantamento do periódico, o Cori está atrás do time da Baixada na contagem: 15 mil contra 8.300 sócios.


1° Internacional - 70 mil
2° São Paulo - 32 mil
3° A. Paranaense - 15 mil
4° Atlético-MG e Grêmio - 14 mil
6° Palmeiras - 9 mil e 700
7° Coritiba - 8 mil e 300
8° Cruzeiro - 7 mil
9° Santos - 6 mil
10° Fluminense - 5 mil e 600
11° Vitória - 5 mil e 200
12° Náutico - 5 mil
13° Botafogo - 4 mil e 500
14° Ipatinga - 3 mil e 200
15° Corinthians - 3 mil
16° Goiás - 1 mil e 900


Segundo o site do Inter, o clube gaúcho conta com 78.655 sócios.


A busca de novos sócios deveria ser uma premissa da gestão do presidente Jair Cirino. Novas alternativas precisam ser feitas - os dirigentes prometeram apresentar nos próximos dias um novo plano de sócios com direito a voto.

Perder para o time da Baixada em número de sócios é algo que precisa ser profundamente avaliado, debatido. Que a reversão deste quadro seja uma busca do Clube.

Leandro treina, mas não está confirmado

O site oficial do Coritiba divulgou nota sobre o retorno do meio-campista Leandro Donizete aos treinos nesta sexta-feira, após ter ficado de fora do treino de quinta, ao ser poupado por ter sentido dores musculares.

De acordo com o médico coritibano, Willian Yousef, Leandro Donizete não reclamou de dores e no sábado passará por nova observação dos médicos do clube. O objetivo é o de garantir que a condição do jogador e seja normal, evitando o risco de uma lesões.

“Ele treinou bem, não reclamou de dor nenhuma. Amanhã tem treino pela manhã, quando faremos uma outra observação no jogador. Mas é claro, sua liberação medica não significa que jogue ou não, esta parte é com o treinador”, comentou o médico do Verdão.

Donizete 'briga' por uma vaga no time com o experiente Rubens Cardoso, que atuou no meio-de-campo nos últimos jogos que participou pelo Verdão.

Coxa tem uma dúvida

O treinador Dorival Jr. ainda não definiu o time do Coritiba para o jogo deste domingo, no Rio Grande do Sul, contra o Internacional. O treinador tem uma dúvida entre Leandro Donizete - em tratamento de uma contusão - e Rubens Cardoso.

A informação foi prestada pelo repórter Edu Brasil, da Rádio Banda B.

Os números de Ariel

Ariel Nahuelpan, atleta que tem quase 21 anos, é tido como esperança de gols para o Coritiba. Nele, a diretoria aposta alto: segundo a imprensa do país vizinho,US$ 1,3 MI (no Brasil, a imprensa fala em R$ 1,3 MI).

O Nueva Chicago é um time médio da Série B da Argentina. Pelo menos foi durante a temporada 2007/2008. Punido com a perda de 18 pontos por problemas envolvendo a violência de sua torcida, eles agora participam de um confronto direto com outro time, da série imediantemente inferior, para permanecer na Série B.

Na temporada 2007/2008, o time verde-negro apelidado de "Matadores" (o símbolo do Chicago é um touro) teve 12 vitórias, 16 empates, 10 derrotas em 38 jogos, anotando 47 gols e sofrendo 44. Na temporada, o Nueva Chigado, ao lado do Instituto, foram os times que mais empataram seus jogos.

Se não tivesse perdido os 18 pontos, seria o 10º colocado no torneio argentino. Seu ataque foi o 9º mais positivo entre os 20 times da Série B da Argentina; já a zaga, a 10ª melhor.

Ariel foi o artilheiro do seu time, com 7 gols anotados. Outro 24 jogadores marcaram mais gols do que Ariel nesta competição. A título de comparação, uma curiosidade: o artilheiro do torneio argentino foi Cristian Mila, com 19 gols, jogador do Chacarita, o quinto colocado no campeonato. O time de Mila anotou 46 gols, ou seja, um gol a menos que o time do Ariel. Sozinho, o artilheiro do Cacharita fez quase o triplo de gols que Ariel fez pelo Nueva Chicago.

E se mais alguém pedir pra sair?



"Caros amigos, torcedores, funcionários e diretores do Coritiba Foot Ball Club

Todos os anos que vivi dentro do Coritiba foram especiais para minha vida e para minha carreira. Quero agora agradecer a todos que me apoiaram e que me ajudaram a chegar onde eu cheguei. A nossa volta a primeira divisão ficará guardada sempre em minha memória e o apoio de todos vocês foi fundamental para esta conquista.

Apesar da insistência da diretoria e de muitos amigos e torcedores para que eu ficasse por mais algum tempo, resolvi ir embora a fim de dar continuidade em minha carreira, foi um decisão pessoal onde vi que o melhor para mim e para o Coritiba seria a minha saída neste momento.

Onde eu estiver sempre levarei comigo as lembranças do Coxa e de tudo que vivi nestes 10 anos.

Um forte abraço

Henrique Adriano Buss"



Esta carta foi postada por Henrique no site oficial, no dia 1º de fevereiro. Com base no interesse do zagueiro em ser vendido ao Palmeiras, a diretoria do Coritiba argumentou a transação.

Durante o mês de agosto fica aberta a janela do Campeonato Brasileiro para transações internacionais.
Até lá, para times do Brasil, jogadores que não participaram de seis jogos pelo Coxa podem mudar de ares.

A pergunta é: e se mais algum jogador quiser deixar o Coritiba? Se ele pedir numa carta, a diretoria aceita?

Não é o que fazer, é quando fazer...

É inevitável a transferência dos principais jogadores brasileiros para o mercado internacional. Quando não é a Europa, é o futebol do Oriente.

A imprensa curitibana noticiou uma oferta de 2 milhões de dólares pele alteta ser emprestado durante quatro meses ao futebol do Catar.

A diretoria diz que não recebeu nenhuma proposta oficial, mas que tem interesse em manter o elenco para uma disputa internacional no ano de 2009 (antes, era Libertadores, agora, disputa internacional, o que pode significar uma Sul-Americana).

O fato é que o mercado nacional não tem poder financeiro para competir com o mercado internacional. Não tem, nenhum clube tem. O que fazem os clubes que têm mais sucesso no setor? Vendem na hora certa.

A questão crucial para o Coritiba não é vender ou não Carlinhos Paraíba. Quando uma proposta tentadora chegar ao Alto da Glória, ele será vendido, tanto pelo interesse do atleta e das pessoas que lhe são próximas, como pelo interesse da diração do Clube. É uma situação absolutamente natural. Valeria para qualquer bom jogador, para qualquer comando diretivo do Cori. A questão primordial é: quando vender?

Temos time pra Libertadores?

A diretoria e a comissão técnica acreditam no potencial do elenco para um Brasileirão - este elenco que a diretoria montou é o que representa suas aspirações de uma participação na Libertadores em 2009 -, o que eu não concordo. Ainda vejo um time fraco na lateral-direita, lento na zaga e com dois volantes que não tem boa condução de bola em velocidade, para armar o contra-golpe.

A falta de velocidade no setor defensivo obriga Carlinhos Paraíba voltar a armar o jogo, o que facilita o serviço defensivo dos adversários.

Sem criatividade na armação - Marlos é reserva, Pedro Ken está contundido - e sem poder de conclusão - Kerrison ainda está fora do time -, o Coritiba mostra que não tem um elenco suficientemente capaz de vencer fora de casa. Pra chegar numa Libertadores, vencer fora é obrigação. A matemática comprova.

A seguir: sócios com direito a voto

"Nós vamos encaminhar a regulamentação de um novo plano de sócios para os que querem direito a voto. Em 30 dias a proposta será apresentada”. A frase é do presidente Cirino ao jornalista Eduardo Luiz Klisiewicz, no último dia 6 de junho.

Com a aproximação do prazo, espera-se que a apresentação do novo plano de sócios com direito a voto (o que é estatutário e não vinha sendo observado no plano de sócio-torcedor) seja apresentado aos conselheiros e lançado no próximo mês.

Mais uma opção de sócios traz ao Clube mais uma opção de captar receitas para seus cofres. E investir em futebol, espero.

Por enquanto, G8; o G9 vem aí

Com a vaga deixada pela licença de Édson Mauad junto a Diretoria do Verdão (Conselho de Administração), o Conselho Deliberativo do Coritiba irá eleger um novo conselheiro para o cargo diretivo.

As inscrições estão abertas até o dia 11 de julho e será marcada uma eleição (com os conselheiros coritibanos votando) que definirá o substituto de Mauad no Conselho de Administração. A eleição acontecerá no próximo dia 14, às 19h (primeira convocação), numa reunião extraordinária do Conselhão.

Não sei quem são os candidatos, não posso votar - não sou conselheiro - mas se me perguntassem uma característica para ocupar o cargo seria a de entender minimamente de futebol. Se Halila era interino e ficou, nada melhor que alguém agora para ajudá-lo na função. Mais 'reforços' para a B-O-L-A, dentro e fora de campo.

15 mil sócios

A diretoria do Coritiba, através do diretor de marketing, Eduardo Jaime, em entrevista ao jornalista Rodrigo Sell no último dia 20, informou que o Clube atingira a marca de mais de 15 mil sócios. Com base nestes números, o Coxa deve estar recebendo um ótimo aporte financeiro nos seus cofres: algo próximo a R$ 600 mil/mês (arredondei os números: calculei 16 mil sócios a R$ 38 de cada sócio, valor base do plano mais barato, desconsiderando os valores dos planos mais caros).

A marca é merecedora de elogios. Então, nada mais justo que elogie-se a diretoria pelo sucesso no plano de sócios-torcedores!

Em geral, times de fora do eixo, gastam pelo menos 1 milhão de reais com sua folha de futebol. Esta meta atingida pela atual diretoria capacita o Clube a investir na bola, pois além da cota de TV (R$ 11 MI ano), o apoio do fiel torcedor Coxa-Branca está capitalizando o Coritiba montar um time competitivo.

Com estes mais de 15 mil sócios, o Verdão atinge um salto histórico e sua fiel torcida garante boa parte da folha de pagamento do time. Resta agora o time fazer a parte dele: vencer seus jogos e garantir uma posição boa na tabela.

Competição internacional em 2009

Uma das maiores promessas feita pelo presidente Jair Cirino, enquanto candidato nas eleições de 2007 foi a de levar o Coxa à Libertadores no ano do Centenário. A montagem de um time forte e competitivo seria o caminho para o Clube atingir esta meta.

Recentemente, no dia 26, o presidente Coxa-Branca falou à rádio CBN sobre o assunto: "Nossa política é a de não vender jogadores, principalmente os melhores. Até pelo contrário, temos interesse em contratar mais jogadores para chegarmos ao objetivo de ter um calendário internacional em 2009", disse Jair Cirino, em entrevista à rádio.

Não sei se o presidente do Verdão usou uma figura de linguagem em vez de se referir à Libertadores ou se já pensa em termos de Copa Sul-Americana. Com este atual elenco, acho difícil até a Sul-Americana...

A necessidade de vencer fora

O Coritiba já fez quatro jogos fora de casa neste Brasileirão 2008: Figueirense, São Paulo, Botafogo e A. Paranaense. Em quatro jogos, dois empates e duas derrotas, um rendimento baixo para quem quer chegar na Libertadores de 2009, atingindo a meta definida pela diretoria coritibana.

Em doze pontos disputados, apenas dois conquistados em jogos longe de sua fiel torcida. Estes são os números do Coritiba, que no próximo domingo encara o Internacional, em Porto Alegre.

Contra o Inter, a expectativa de mais um jogo complicado, pois o colorado está com 8 pontos, na 14ª colocação na tabela e um a vitória sobre o Cori faria o time gaúcho subir de posição.

O Internacional tem duas vitórias, dois empates e duas derrotas até aqui. O Inter fez 9 gols e sofreu 12, vindo de um empate a um gol contra o maior rival, o Grêmio, na casa do time tricolor.

Não temos um camisa 2

Passadas oito rodadas, cerca de 25% dos jogos do Brasileirão já disputados, entrando ao mês de julho e o Coritiba não tem um lateral-direito capaz de levar o torcedor a dizer, com segurança, "Este é o camisa 2 do meu time!".

Dick está afastado por uma séria contusão no joelho. Rodrigo foi contratado e nunca jogou Marcos Tamandaré foi titular, virou reserva e voltou a ser titular no lugar de Alex Silva. Na prática, entre idas e vindas, nenhum deles garantiu a vaga de titularíssimo.

Dorival mantém o 3-5-2, mas não tem um lateral-direito à altura para o esquema tático. E quando o Coxa encontra dificuldades para jogar pelo lado do campo, o time fica refém dos lances individuais de raros atletas capacitados no elenco: Marlos, Michael e Carlinhos. Pouco para quem quer jogar com alas.

Sem o avanço dos alas, os atacantes - ou Hugo, ou Cadu, logo mais Ariel - ficam isolados na frente, entre os zagueiros. Presas fáceis para os times de melhor qualidade neste Brasileirão.

Muitos empates até aqui

Dorival Jr. montou um esquema defensivista para o time do Coritiba. Até certo ponto, acertado, pois tem um elenco limitado para trabalhar. Mas por outro lado, ao final das 38 rodadas, isto não servirá de consolo. Vale apenas quem somou mais ou menos pontos na tabela.

O Cori tem quatro empates em oito jogos. Só São Paulo (o sétimo colocado) e o Atlético Mineiro (11º na tabela) tem tantos empates assim. A diferença, é que o time paulista do Morumbi tem três vitórias e uma derrota, contra duas vitórias e duas derrotas do time do Alviverde do Alto da Glória.

Se o Coxa tivesse vencido um jogo em vez de empatar três vezes, teria o mesmo número de pontos, mas teria vantagens nos critérios de desempate. E ao final das 38 rodadas do Brasileirão, isto poderia ser bem útil para casos de desempate.

Trocaria também um destes quatro empates por uma vitória. Se assim fosse, o Coxa teria 12 pontos, empatado em pontos com a Portuguesa, que atualmente ocupa a 8ª colocação. Daqui a duas rodadas, o Cori encara a Lusa, no Alto da Glória. Antes, tem o Inter, em Porto Alegre.

É uma gangorra este Brasileirão para os times que têm desempenhos instáveis, com é o coritibano. Se vencer o Inter, coloca cinco pontos de vantagem sobre o time gaúcho. Mas se perder, o Inter ultrapassa o Cori por um ponto. Neste jogo em Porto Alegre, o empate é um resultado que pode ser complicado, pois seis times estão na cola do Verdão: Galo, com 10; time da Baixada e Figueirense com 9; Inter, Sport e Fogão com 8 pontos.

Num campeonato tão equilibrado para os times que estão na intermediária da tabela, uma vitória conta muito. E os empates, se não são de todo ruins, também não são nem de perto tão bons para serem comemorados. Isto porque quem mais vence a cada rodada avança na tabela, enquanto os outros patinam, entre altos e baixos.

É preciso ter regularidade na competição, mas é preciso ousar e buscar mais a vitória. Pra isto, tem que ter time e tem que ter esquema tático ofensivo.

A parte da torcida foi feita

Dois mil e trezentos fiéis coritibanos deixaram o Alto da Glória e foram até a Baixada apoiar o Coritiba no clássico AtleTiba de domingo. Da torcida, nada a reclamar. Cantou o jogo todo, silenciando 19 mil torcedores deles.

A parte da torcida foi feita, e bem feita, outra vez. Com direito até a elogios pela equipe de jornalismo que fez a transmissão do clássico pelo sistema pay-per-view.

Agora, falta o time começar a vencer, o treinador escalar e substituir certo, a diretoria contratar bons jogadores.

Da torcida, nada a reclamar.

Se nã fosse o 'Se...'

Dorival Jr. continua na base do "Se". A cada rodada, uma nova sabatina de argumentos para o Coritiba não estar na ponta da tabela. Por vezes, os desfalques - algumas vezes, contusões, em outras, suspensões -, por vezes a sorte (ou falta dela), em outros jogos, os erros de arbitragem.

Para Dorival, o Coxa não jogou pior do que nenhum adversário até aqui. Palavras de Dorival, à imprensa, após o clássico: “Concretizamos pouco em relação ao número de oportunidades criadas. É sétima ou oitava partida em que somos superiores ao adversário e não conseguimos o resultado”.

Tá, tudo bem, mas o Coxa tem 10 pontos e o líder, 19. Em oito rodadas. Se enfrentamos dois times fortes, que disputarão uma vaga na Libertadores - Cruzeiro e São Paulo - também enfrentamos times mais fracos tecnicamente: Figueirense, Vitória, A. Paranaense, Botafogo. Nestes doze pontos disputados, ganhamos dois.

No AtleTiba, foi a fez do “Faltaram apenas os gols”. Bom, foi o que disse o treinador coritibano na coletiva à imprensa, ainda no acanhado Estádio da Baixada. Acanhado e inseguro, pois até bomba caseira um torcedor do time deles atirou na torcida do Coxa.

Passados cerca de 25% da competição, o Coritiba continua no mesmo ritmo, na mesma ladainha de 2005 e 2006. O "Quase...". Quase Renaldo acertou os pênaltis, quase o Flávio cortou a bola de Claudemir, do São Caetano, quase o Vagner cortou a bola do Galo, quase Edu Salles acertou o gol e não a trave, quase Edu Salles acertou mais uma vez o gol e não a trave... e por aí vai.

Os times estruturados e bem montados e preparados para o Brasileirão aproveitam os vacilos dos times do "Quase" e pontuam, subindo na tabela.

O Coritiba continua na Zona da Sul-Americana, mas um mau resultado em Porto Alegre pode fazer o time descer à Zona do Agrião, aquela que não leva a lugar algum. E, bem pertinho dela, fica a Zona do Rebaixamento.

A situação é simples: a torcida quer ver o time vencendo. Contra Inter (fora) e Portuguesa (em casa), dois jogos para medir o poder de fogo do Verdão. Com a palavra, Dorival Jr.

Agressão ou jogada violenta?

O site do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) publicou matéria identificando as caracterizações de dois artigos do Código Brasileiro de Justiça Desportiva, o CBJD, que tratam de agressão física (artigo 253) e ato de hostilidade (artigo 255).

A polêmica é grande entre os torcedores, pois as punições variam de até cinco jogos para um para até 540 dias de suspensão. O artigo define os conceitos utilizados pelos legisladores, facilitando a identificação para os torcedores.

O artigo trata da conceituação de agressões físicas, jogadas violentas, atos de hostilidades, desleais, entre outros. Confira:

Agressão Física - Ato eminentemente violento que tende a desabonar a conduta de toda uma sociedade, demonstrando seu profundo atraso social. Visa a proteção da saúde e a integridade física da pessoa (integridade anatômica e normalidade fisiopsicológica), à medida que a lesão é tudo que diz respeito ao corpo e espírito, saúde e integridade física e mental. A agressão física só pode ser praticada ou sofrida por pessoas físicas. Como o tipo objetivo é “agredir fisicamente”, mesmo que haja uma multiplicidade de agressões, só há uma infração; somente se terá múltiplas infrações, caso haja multiplicidade de fatores.


Jogada Violenta - Espécie de contato físico durante a prática da modalidade esportiva desprovida de cautela requerida diante da técnica razoável na disputa. Tal infração é comum nas denominadas "faltas sem bola", ou quando o atleta exerce, mesmo na disputa, uma força desproporcional capaz de, efetivamente, lesar o adversário. Não se confunde com a agressão ou ato de hostilidade, posto que estas não decorrem essencialmente de determinada jogada, ainda que sejam vislumbradas em situações fáticas de uma dada disputa realizada durante uma partida.

Ato Hostil, Desleal ou Inconveniente -
O ato hostil é provocador, adverso à normalidade do convívio. O desleal é praticado à traição, em abuso à confiança da vítima. Já o ato inconveniente é aquele inoportuno, impróprio ou oposto ao decoro. São exemplificados pelos sinais obscenos emitidos pelo atleta à torcida. O ambiente desportivo não serve para a externalidade de frustrações decorrentes do sucesso do adversário, insucesso da performance do praticante ou irresignação na aplicação da regra por parte da arbitragem. É comum que ocorra contato físico, desde que não caracterize a vontade de agredir fisicamente, hipótese punível pelo tipo da agressão física.

René autografa camisa para a Império

O ex-treinador do Coritiba, René Simões – René atualmente é o coordenador técnico da Seleção da Jamaica -, comandante técnico do time campeão brasileiro da Série B na temporada passada, lançou na quinta-feira, 26, o livro que conta a trajetória do Coxa em 2007.

O lançamento ocorreu numa livraria dum shopping de Curitiba, contando com a presença de centenas de torcedores, dirigentes e ex-dirigentes do Verdão e atletas do atual elenco – Jeci, Keirrison, Pedro Ken e Henrique Dias -, além do atual treinador coritibano, Dorival Jr.

A grande presença de público no evento causou filas de até uma hora para pegar o autógrafo de René.

O ex-treinador do Verdão fez questão de autografar uma camisa da Império Alviverde que foi levada pelo presidente da organizada, Luiz Fernando Corrêa, com uma dedicatória muito especial para os integrantes da organizada. Na mensagem, René se diz membro da Império – “A Torcida que Nunca Abandona” - e agradece o acolhimento que a organizada lhe deu.

A camisa será emoldurada e exposta na sede da torcida.

Cadu está livre de punição

O site do Superior Tribunal de Justiça Brasileira divulgou nota com declarações do Procurador-Geral do STJD, Paulo Schmitt, sobre o lance em que o atacante Cadu teria desferido uma cotovelada em Alan Bahia, atleta do time da Baixada, durante o primeiro tempo do AtleTiba do último domingo.

Segundo a matéria, como os atletas não foram expulsos e, caso não seja relatado pelo árbitro este lance na súmula do jogo, o procurador não requisitará a fita da partida, por entender que não houve a intenção de agressão por parte do jogador coritibano.

“Não consegui identificar objetivamente nenhuma infração em relação a esses lances. Acho que foram interpretados como jogadas normais de jogo e sem intenção de agressão. Vamos verificar o que será relatado nas súmulas para formularmos nossas denúncias. A Procuradoria não vê a necessidade de requisição de tape para a oitava rodada do Campeonato Brasileiro”, afirmou o Procurador-Geral do STJD.

O indisciplinado Inter

O Internacional, próximo adversário do Coritiba, é um dos times mais indisciplinados do Campeonato Brasileiro. O time gaúcho teve cinco atletas expulsos (um deles, Sidnei, em dois jogos) nas oito rodadas já realizadas na competição.

A indisciplina do colorado gaúcho foi tema de uma matéria no site do STJD. No domingo, durante o clássico GreNal, o goleiro Renan, foi expulso diretamente após atingir com o pé o gremista Rodrigo Mendes. No lance, pênalti para o Grêmio, que empatou o clássico em um a um.

Outro expulso pelo time vermelho e branco foi o atleta
Alex, que recebeu o segundo cartão amarelo na partida contra a Portuguesa. Edinho e Guiñazu foram expulsos no jogo diante do Palmeiras.

Já Sidnei esteve presente no STJD mais de uma vez. No último dia 10, o jogador foi suspenso por uma partida pela Segunda Comissão Disciplinar em função da sua expulsão no jogo contra o Sport. Cerca de duas semanas depois, Sidnei voltou ao Tribunal, desta vez por receber cartão vermelho no confronto com o Botafogo.

Quem também já foi expulso foi o zagueiro Marcão, mas num jogo pela Copa do Brasil, contra o Sport. Marcão foi absolvido da punição e pode enfrentar o Flamengo, pelo Brasileirão.


Um bom jogo para o Coritiba chamar as faltas em Keirrison, Marlos e Michael, forçando as expulsões no time gaúcho.

Não se trata de quem errou e sim de quem irá corrigir!

No dia 16 de dezembro do ano passado, o diretor de futebol da então gestão Giovani Gionédis, João Carlos Vialle anunciava o acerto do Verdão com o zagueiro Jeci. Vialle era candidato a presidente, perdeu a eleição e dois dias depois da eleição, Édison Mauad anunciava um novo nome para a função: Tonico Xavier.

No dia 02 de janeiro, já com Jair Cirino empossado presidente do Verdão, TX foi à imprensa e anunciou o acerto com o zagueiro.

No dia 18 de maio, o jornal Folha de S. Paulo, em sua seção "Painel FC" noticiava:

Mão invisível. Homem forte do Guaratinguetá, Carlos Arini tem poder sobre alguns elencos de times da Série A. Pode vender seus atletas emprestados já no meio do ano, por proposta da Europa.

Percentual. Só no Coritiba são cinco jogadores pertencentes ao Guará, entre eles, o meia Michael, destaque da primeira rodada. Ipatinga e Figueirense também tem atletas do time paulista.

No dia 30 de junho, a imprensa paulista anunciava o acerto do Palmeiras com o zagueiro Jeci. No mesmo dia, Homero Halila, diretor de futebol do Verdão, falava com exclusividade aos COXAnautas: "A renovação foi assinada pelo Vialle no final da gestão passada e o formato do contrato foi herdado pela atual gestão. Quando se verificou a brecha no contato, o clube negociou com o jogador a renovação. Vínhamos negociando, até que surgiu essa situação do Palmeiras. Quando da vinda do Michael e do Alê os contratos já foram feitos em outros termos, para evitar essa situação".


Eu não quero saber quem errou. O erro que seja avaliado, discutido e punido internamente, no Conselho do Clube, se for o caso. Quero saber quem é que irá RESOLVER a situação. Quero time competitivo já!

Se contentando com pouco

Publicada originalmente na coluna "Falando com as torcidas" do Jornal do Estado

Se contentando com pouco

Terminado o AtleTiba e os ares de "Ficou bom pra todo mundo" surgiu. Do lado deles, o choramingo de erros de arbitragem. Do lado nosso, o desfalque de Keirrison prejudicou o time. Enfim, pouco para ambos os lados. Na prática, os times são muito limitados para tentar uma Libertadores. As torcidas saem satisfeitas, pois ninguém perdeu e terá que agüentar a gozação na segunda-feira.

Num confronto direto, o empate acaba ocultando a real situação da fragilidade dos times. "Eles" se espertaram e estão contratando, reforçando o elenco. Nós, nem isto. O panorama é sempre o mesmo: faltou pouco, foi quase, "Mas se..." Enquanto isto, o campeonato segue e o G4 fica cada vez mais distante.

Do Coritiba, que é o que interessa - é o time grande do AtleTiba - chegou a hora de uma profunda avaliação. Passados cerca de 25% da competição, fica a pergunta: temos time pra chegar na Libertadores? Ariel, com seus sete gols numa competição onde o artilheiro fez 19, basta? Ele e mais um atacante bastam? Até quando o Coxa dependerá quase que exclusivamente de Marlos, Michael e Paraíba para criar uma jogada com três passes certos, em velocidade e em direção ao gol? K9 volta. Verdade, mas jogará com quem?

Eu quero time com jeito de Coritiba, time de chegada, que empolgue. Time de raça não é qualidade, é obrigação. É o mesmo que ser sério. Não é qualidade, é obrigação ser sério.

Falta muito para uma Libertadores. E é bom ficar atento, pois o campeonato continua e estamos longe dos primeiros.

Coxa eu te amo!

Quatro jogadores no DM

O site oficial do Cori divulgou notícia dando conta que os atletas Pedro Ken, Dirceu, Douglas Silva e Dick estão fazendo trabalhos de fisioterapia, para se recuperar de contusões.

Com quadros mais graves, Dick e Pedro Ken - ambos passaram por cirurgias no joelho - só voltam ao time Coxa-Branca na próxima temporada.

Goiás recupera mandos de campo

O site do STJD noticiou que o Goiás recuperou os mandos de jogos que tinha perdido contra Fluminense (neste fim de semana) e Coritiba (dia 12 de julho) após ter um pedido de efeito suspensivo deferido pelo Presidente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), Dr. Rubens Approbato.

O time goiano fora punido com a perda de dois mandos de jogos e multa de
R$10mil por incidentes envolvendo seus torcedores durante a partida contra o Grêmio, no Serra Dourada. Naquela oportunidade, torcedores do Goiás arremessaram uma garrafa plástica com líquido em direção aos atletas gaúchos, mas nenhum deles foi atingido.

Com o efeito suspensivo, o time alviverde do Planalto Central enfrentará o Flu neste dia 06, no Serra Dourada. O recurso ainda não tem data para julgamento e até que ele ocorra, o time verde e branco jogará em seu estádio.

Sem tempo pra chorar

Fato consumado - digamos, "Mais na cara que o nariz do Bozo" -, a saída do capitão Jeci do Coritiba deve servir de fato para o início de uma nova era no planejamento do futebol do Clube.

Se os contratos de Jeci e Édson Bastos tinham cláusulas que facilitassem a saída dos atletas - afinal, de quem é a assinatura no contrato? De Gionédis ou de Cirino? -, era de se esperar que o departamento de futebol do Coxa tivesse um plano B para o zagueiro.

Do goleiro, nem esperava isto, pois o Clube tem quatro atletas para a posição - deduzo que já prevendo uma possível saída de Bastos, o Verdão montou um elenco capaz de ter um bom rendimento no gol, caso de uma transferência de EB. Mas do zagueiro, era o mínimo de se esperar. E, lamentavelmente, nas últimas declarações dos responsáveis pelo futebol do Cori - Cirino, Halila, Jamelli e Dorival - todos não falavam em zagueiros. Falavam sim em meio-campistastas ofensivos e mais um atacante, além do argentino Ariel.

É frustante não encontrar este tipo de plano B no futebol do Verdão. Sabedores de que Jeci era um 'alvo' fácil no mercado da bola, a cúpula Coxa-Branca não tinha uma alternativa para a substituição imediata do atleta.

Agora, os atuais dirigentes argumentam que já estavam negociando a renovação com o Jeci e que a saída dele foi decisão unilateral do atleta. Óbvio que isto era uma situação factível. O que não é aceitável é que mesmo com este risco (que deveria ser calculado), os responsáveis pelo futebol coritibano não pensavam em reforçar a zaga.

A saída de Jeci tem que servir de aprendizado para os atuais dirigentes. Se a 'culpa' era do Vialle, a partir de 02 de janeiro deste ano, ela passou automaticamente à responsabilidade de Cirino e Cia. Eles 'herdam' o ônus e o bônus do cargo. E como é uma gestão profissional, deles cobraremos resultados.

Sem tempo para chorar, agora os resonsáveis pelo futebol do Cori precisam é contratar. E contratar bem, pois o campeonato continua.

Menos um: Leo deixa o Alto da Glória

O Coritiba anunciou oficialmente na quinta-feira o desligamento do atacante Leo, contratado no início da temporada junto ao Figueirense.

O atleta pouco atuou pelo Cori neste temporada - cinco jogos, nenhum gol - e de forma amigável, rescindiu seu contrato com o Clube.

Império faz campanha de inverno

No dia 1º de julho, a diretoria da Torcida Império Alviverde, juntamente com a Sra. Lairce (ML Sports), entregou para a Casa Lar Criança Arteira os pijamas de inverno arrecadados pela campanha da torcida organizada. A felicidade das crianças com os novos presentes foi tão grande que no outro dia elas não queriam saber de tirá-los.

Nesta bonita atitude em conjunto, a Império Alviverde doou as malhas e a Sra. Lairce confeccionou os produtos gratuitamente, dando uma verdadeira demonstração de solidariedade e companheirismo.

Em cada nova ação social, a Império mostra a todos que é possível fazermos a diferença. Colabore com as campanhas realizadas pela Império e ajude a deixar mais feliz a vida de nossas crianças.

Trio de arbitragem definido

A CBF divulgou em seu site a escala de arbitragem para os dois próximos jogos do Coritiba no Brasileirão, contra o Inter (fora) e Lusa (casa). Confira:

Internacional x Coritiba
Data: 06/07/2008, domingo, às 16h
Estádio do Beira-Rio, em Porto Alegre (RS)

Árbitro: Wilson Luiz Senema (SP - aspirante a FIFA)
Assistente 1: Nilson de Souza Monção (SP)
Assistente 2: Carlos Augusto Nogueira Jr. (SP)
4º Árbitro: Vinicius Costa da Costa (RS)
Observador: Luiz Cunha Martins (RS)


Coritiba x Portuguesa
Data: 09/07/2008, quarta-feira, às 19h:30
Estádio Couto Pereira

Árbitro: Leonardo Gaiba da Silva (RS - Fifa)
Assistente 1: Marcelo Bertanha Barison (RS)
Assistente 2: Ediney Guerreiro Mascarenhas (RJ)
4º Árbitro: José Ricardo Bigaski Stoller (PR)
Observador: Afonso Vitor de Oliveira (PR)

Coxa procura zagueiro

Em entrevista para a rádio Clube/Eldorado, o diretor de futebol do Coritiba, Homero Halila, confirmou que o departamento de futebol está negociando na busca de um zagueiro para compor o elenco para o Brasileirão, já que Jeci deixou o Alto da Glória para acertar com o Palmeiras.

Segundo Halila, o Cori negocia com um zagueiro que pode vir a ser anunciado nos próxmos dias.

As últimas do adversário

O time do Internacional se prepara para o jogo deste domingo, contra o Internacional de Porto Alegre, quando enfrenta o Coritiba, no Estádio Beira-Rio.

"Os três pontos que estavam em jogo no Gre-Nal são os mesmos da partida contra o Coritiba. Precisamos dar um salto de qualidade para ficarmos no grupo dos dez primeiros do Brasileirão. O clássico serviu para nos dar confiança na busca pelo nosso melhor futebol. Espero um time competitivo sem a bola e equilibrado em campo"
, afirmou Tite, treinador do Inter, ao site oficial do clube gaúcho.

O meia-atacante Taison, jogador que vem despertando interesse da crônica gaúcha, foi submetido a um exame de ressonância magnética na manhã desta terça-feira, 1º. Segundo o médico Luciano Ramires, não foi constatada gravidade na lesão, e o jogador colorado deve treinar normalmente nesta quarta. Taison sentiu dores musculares no segundo tempo do clássico Gre-Nal e precisou ser substituído.

O volante Wellington Monteiro realizou o seu primeiro treino com bola na tarde desta terça desde a lesão no tornozelo sofrida em março. O jogador treinou separado do grupo ao lado de Ji-Paraná. "Já estava dando uns chutes na bola em casa para chegar com moral no treino. Estou com muita vontade de jogar", revelou o jogador. O atleta não participa do jogo deste domingo, contra o Verdão, devendo voltar aos treinos em aproximadamente duas semanas.

O Inter irá disputar as duas próximas partidas do Brasileirão no Beira-Rio. No próximo domingo, às 16h, enfrenta o Coritiba, que ocupa atualmente a 10ª posição com 10 pontos. Na quarta-feira (9/7), às 19h30min, o adversário é o Goiás, 18º colocado com seis pontos.

Renatinho pode ser emprestado

Em entrevista à rádio Clube/Eldorado o diretor de futebol do Cori, Homero Halila, confirmou que o meio-campista Renatinho - que tem contrato de quatro anos com o Clube - pode até ser emprestado para outro time, para ganhar experiência.

O empréstimo do atleta é uma das alternativas que o Verdão entende ser possível para a situação de Renatinho, que está sendo aproveitado apenas no time de Juniores.

Agora é contigo, Jamelli!

"No meio do ano vai ter muitos jogadores vindos da Europa, da Ásia, porque teve muitos jogadores saindo e nem todos fizeram sucesso”. A frase foi dita pelo atual gerente de futebol do Coritiba, Paulo Jamelli, em 19 de abril deste ano, quando de sua apresentação no Alto da Glória.

Passados pouco mais de dois meses, Jamelli já ajusta o discurso, apontando "A dificuldade de enfrentar um mercado restrito, sobretudo pela questão da janela internacional só permitir chegada de jogadores vindos de fora do país a partir de agosto, destacando que as Séries A e B podem ser a saída imediata pras reposições", conforme citado pelo site COXAnautas.

Pois é, mas Jamelli veio para o Coxa justamente por ter em seu currículo o contado com o futebol internacional.

“Sabemos que nenhum plano terá sucesso se não montarmos em campo um time muito forte. Qualquer projeto desmorona se não montarmos um time forte”. Jamelli, só pra relembrar que a frase acima é de Jair Cirino, presidente do Verdão...

Quatro jogadores no DM

O site oficial do Cori divulgou notícia dando conta que os atletas Pedro Ken, Dirceu, Douglas Silva e Dick estão fazendo trabalhos de fisioterapia, para se recuperar de contusões.

Com quadros mais graves, Dick e Pedro Ken - ambos passaram por cirurgias no joelho - só voltam ao time Coxa-Branca na próxima temporada.

Ariel treinará na próxima semana

O repórter Kako Mazanek da rádio Transamérica anunciou que o atacante Ariel, contratado junto ao Nueva Chicago, da Argentina, esteve em Curitiba e realizou exames médicos, retornando ao seu país.

Na próxima semana, Ariel estará em definitivo na capital paranaense para iniciar os treinamentos junto ao elenco coritibano. O camisa 9 poderá estrear pelo Verdão a partir da 17ª rodada.