terça-feira, 30 de setembro de 2008

Coxa tem mais de 10 mil sócios

O Coritiba tem mais de 10 mil sócios: 10.183 torcedores associados ao Clube que foram ao Alto da Glória no domingo, 28, no AtleTiba.

A informação foi prestada pelo site da CBF, que divulgou o borderô do AtleTiba do último domingo.

A imprensa diz que o Coritiba tem entre 16 a 17 mil sócios. Os borderôs não apresentarem estes números. Ainda, mas boto fé, ainda temos vários jogos em casa e eu ainda sonho em ver estes 17 mil sócios no borderô. Até porque me incomoda estar bem atrás do pessoal da Baixada em números de sócios.

Quem sabe, chegou a hora - ao termos metade dos sócios 'deles' - de rever conceitos no plano de sócios, fazendo cumprir o estatuto: direito a voto para os sócios.

Relembrando: as promessas da diretoria

Relembrarei aqui as propostas de Jair Cirino e Tico Fontoura (e seus companheiros de Conselho de Administração e Mesa do Conselho Deliberativo), eleitos em dezembro do ano passado, para o biênio 2008/2009.

Acredito que o processo democrático parte necessariamente pela prestação de contas. Só discurso do que irá fazer não basta: é necessário avaliar o que foi ou não feito (e vem ou não sendo feito) e buscar a melhoria das marcas, sempre.

Para ter uma gestão realmente democrática e transparente, só propor não basta. É necessário também vir a público (por que não numa assembléia de sócios?) prestar contas do que foi feito.

Vamos relembrar o que foi prometido. E assim será, a cada mês, um "Relembrando", até dezembro de 2009.


FUTEBOL NACIONAL

Jair Cirino (chapa Coritiba com Respeito e Dignidade) - Um clube do tamanho do Coritiba tem obrigação de lutar para conquistar todos os campeonatos que disputar. E durante a nossa gestão, a conquista de títulos será uma obsessão. Temos a obrigação de conquistar os campeonatos estaduais de 2008 e 2009, recuperando a hegemonia estadual.

No âmbito nacional, já em 2008 vamos tentar conquistar o título da Copa do Brasil, competição que foi relegada a segundo plano durante os últimos anos. Para o campeonato brasileiro, as dificuldades históricas encontradas por uma equipe que retorna da Série B nos obrigam a montar um time forte e competitivo. Porém, não vamos nos contentar em garantir nossa permanência na 1ª divisão. Nosso objetivo será lutar por uma vaga na Libertadores da América.

Em 2009, ano do nosso centenário, vamos lutar pelo título de todos os campeonatos que participarmos, seja no Campeonato Paranaense, Copa do Brasil, Campeonato Brasileiro e na Sul-Americana ou Libertadores, dependendo de qual competição vamos participar.

xxx


FUTEBOL ESTADUAL

Jair Cirino (chapa Coritiba com Respeito e Dignidade) - O Coritiba jamais poderá fazer laboratório durante as disputas de um campeonato. Nos últimos dois anos, fomos eliminados por equipes do interior por causa dessa política fracassada. Na nossa gestão, isso não vai ocorrer.

Vamos qualificar nosso time e lutar pelo título dos campeonatos estaduais. Somos o maior campeão da história do futebol paranaense. Essa hegemonia precisa ser recuperada. Não vamos medir esforços para atingir esse objetivo.

xxx


DIRETOR DE FUTEBOL

Jair Cirino (chapa Coritiba com Respeito e Dignidade) - Não existirá tolerância para rendimento abaixo do esperado. Jogador que virá jogar no Coritiba passará por uma grande sabatina para entender como é importante jogar em nosso clube. Com isso, a taxa de acerto razoável acredito que deverá ser em torno de 90%.

xxx


TRABALHO DA DIRETORIA

Jair Cirino (chapa Coritiba com Respeito e Dignidade) - Dentro do Conselho Administrativo (Diretoria), conforme prevê o nosso Estatuto, ninguém será remunerado.

Os diretores eleitos pelo clube tem que ter amor, dedicação e doar grande parte de seu tempo em prol deste grandioso clube que é o Coritiba. Já o Projeto Vencer, que é o primeiro planejamento estratégico feito para Clube com projeção a longo prazo (2020), prevê em uma de suas etapas a implantação da filosofia 5 D’s, que são cinco diretorias executivas profissionais remuneradas, contratadas a preços razoáveis de mercado, das seguintes áreas: Diretoria de Futebol Profissional, Diretoria de Futebol Amador (inédita), Diretoria Administrativa, Diretoria Financeira (inédita) e Diretoria de Marketing.


xxx


TÉCNICO

Jair Cirino (chapa Coritiba com Respeito e Dignidade) - Agora estamos em contato com alguns técnicos com esse mesmo perfil: jovem, trabalhador, estudioso tático, ambicioso, doutrinador, que pretenda fazer um trabalho a longo prazo e que tenha obsessão por conquistar títulos. O Coritiba é um clube campeão. Precisamos de um treinador que tenha ambições do mesmo tamanho das nossas necessidades.


xxx


MONTAGEM DO ELENCO


Jair Cirino (chapa Coritiba com Respeito e Dignidade) - Vamos manter a espinha dorsal do time campeão da Série B. Jogadores como Pedro Ken, Henrique, Keirrison, Henrique Dias, Edson Bastos, Douglas Silva, Jeci e Gustavo serão mantidos. Porém, entendemos que novos titulares precisam ser contratados. Precisamos de no mínimo cinco atletas que cheguem prontos para jogar.

Temos uma lista de reforços com alguns jogadores que se destacaram no Campeonato Brasileiro e que tem capacidade para atuar no Coritiba. Imediatamente após vencermos a eleição, iniciaremos a contratação de reforços.

Tradicionalmente, o Coritiba cria seus craques em casa, por isso vamos apostar na valorização dos atletas oriundos das nossas categorias de base. Jogadores como Dirceu, Renatinho, Ruy, Willian, entre outros, serão incorporados ao grupo principal já para as disputas do Campeonato Paranaense.

É importante ressaltar que todos os atletas que serão contratados deverão ter condições de serem titulares da equipe. Não vamos mais perder tempo e dinheiro com jogadores desconhecidos que chegam ao clube indicados por empresários ou através de DVD´s. É difícil falarmos em porcentagem.

Por outro lado, em se tratando dos 24 jogadores que estavam à disposição do elenco nesta reta final de Brasileiro, acreditamos em aproveitamento de metade do elenco.

xxx


PERFIL DO ELENCO

Jair Cirino (chapa Coritiba com Respeito e Dignidade) - Como já citado, o Projeto Vencer tem um capítulo específico a respeito do futebol profissional e outro exclusivo sobre a implementação do conceito vencer, onde será implantado, em todos os segmentos do clube - desde o porteiro até o centroavante - o espírito da vitória. Tradicionalmente, o Coritiba possui times guerreiros, determinados e vibrantes. Esse perfil deverá ser mantido.

Para conseguir isso, vamos ampliar os investimentos na formação de jogadores, pois os atletas oriundos das categorias de base são identificados com o Coxa e entendem a responsabilidade que é vestir a camisa alviverde. Com jogadores contratados, vamos atuar de três formas.

Somente atletas com bom perfil profissional e pessoal serão contratados, pois todos sabem que caráter não se compra. Daremos prioridade para jogadores realmente interessados em jogar no Coritiba. De nada adianta trazer um atleta que deseja utilizar o clube apenas como vitrine. O jogador deverá ter a pretensão de fazer história no clube.

Como contrataremos apenas jogadores com condições de serem titulares da equipe, vamos começar a fazer contratos com maior duração. Os atletas assinarão contratos de no mínimo dois anos de duração. Desta forma, seu vínculo profissional com o Coritiba será mais sólido - e seu desempenho tende a ser superior.

Por fim, vamos implantar o CONCEITO VENCER no futebol do clube. Todos os profissionais envolvidos no departamento de futebol deverão estar comprometidos com o sucesso do Coritiba. Implantaremos uma infra-estrutura que garanta o alto desempenho físico e técnico dos atletas e a adoção de uma filosofia de atuação baseada no futebol de raça e ofensivo,com foco em vitórias, que garantam o alcance de títulos e transformem o Coritiba numa referência mundial como instituição desportiva de ponta.

xxx


BASE

Jair Cirino (chapa Coritiba com Respeito e Dignidade) - A estratégia de investir na formação de atletas de alto desempenho apresenta-se como um dos principais meios para se formar times de alto desempenho e para a sustentabilidade financeira para os clubes de futebol.

O Coritiba, historicamente, sempre revelou grandes nomes para o futebol brasileiro e mundial. Porém, sabe-se que existem enormes dificuldades na manutenção das atividades das categorias de base. Implantaremos o CEFA – Centro de Excelência na Formação de Atletas, que visa potencializar esta qualidade e ao mesmo tempo enfrentar as dificuldades existentes.

Por meio de uma estrutura de ponta, uma rede de parcerias e profissionais para a identificação de talentos, além de uma abordagem multidisciplinar para a formação de atletas de maneira integral (como atleta, profissional e ser humano), o CEFA assume papel fundamental na consolidação do Coritiba como clube de ponta no cenário internacional.

O orçamento destinado às categorias de base, projetado pela gestão 2005/2006 para o próximo ano, é de menos de 10% do orçamento do clube. Isto é um erro primário determinado por pessoas que não pensam no clube a longo prazo. Não podemos esquecer de que o que nos sustentou durante o período de rebaixamento, foi a venda de jogadores, e justamente nesta área a atual gestão investe menos de 10%. Que tal? Na nossa gestão, o orçamento irá aumentar em 50% já no primeiro ano e no seguinte irá dobrar, com a ajuda da iniciativa privada.

xxx


CIÊNCIA DO ESPORTE


Jair Cirino (chapa Coritiba com Respeito e Dignidade) - Implantação física e metodológica do Centro de Referência na Formação de Atletas – CEFA. O Centro contará com infra-estrutura de ponta, seja pela construção ou pela modernização das instalações existentes que possibilitem o atendimento (médico, fisiológico, psicológico, educacional, técnico, tático, marketing pessoal, etc) necessário para a formação de atletas de alto desempenho.

Como fonte de identificação de talentos, será criada a rede de escolinhas nos grandes centros, coordenada por um grupo de olheiros especializados. Para alcançar resultados de excelência, será criada uma metodologia de trabalho multidisciplinar, integrada com o futebol profissional do Clube.

Implantaremos, pela primeira vez em um clube de futebol brasileiro, o CIPI – Centro de Inteligência Projetos e Inovações. O centro, além de implantar ferramentas gerenciais de vanguarda que contribuirão para o desenvolvimento do clube, trará soluções através de parcerias públicas e privadas, que contribuirão com o desenvolvimento científico do futebol.

xxx


MARKETING


Jair Cirino (chapa Coritiba com Respeito e Dignidade) - O marketing tem sido, além dos resultados em campo, o maior responsável pelo crescimento dos clubes de futebol no mundo. A falta de investimento e planejamento de marketing comprometem a imagem do clube perante a opinião pública, imprensa e torcida.

A estruturação da área e a implantação do primeiro Planejamento Estratégico de Marketing para o Coritiba apresenta-se, então, como uma das principais atividades e eixo norteador para as ações do Clube, possibilitando, assim, a revitalização da marca, a diversificação de produtos e serviços, a ampliação e fidelização da torcida Coxa-Branca. Entre os projetos estão os seguintes: Coxa.net; Modernização, Revitalização e Internacionalização de Marca; Coritiba Licenciamentos; Rede de Torcedores Influentes; Super Receita e Estádio Multi-Uso; CoxaKid; Projeto Centenário; Nosso Astro; Super jogos; Sócio Torcedor; Sócio Empresa; Clube Coxa de Benefícios; Coxa Intercâmbios; etc.

A Internet, hoje um dos mais importantes veículos de comunicação do mundo, deve ser melhor explorada com o auxílio dos sites parceiros. Iremos criar campanhas mensais exclusivas. Um portal de relacionamento para o sócio torcedor e o sócio empresa deverá ser criado em parceria com os sites já existentes.

Em nossa gestão, iremos aumentar para 5% esta verba com o auxílio de parceiros e da iniciativa privada.


xxx


CENTENÁRIO

Jair Cirino (chapa Coritiba com Respeito e Dignidade) - Com a proximidade do Centenário do clube, torna-se grande o interesse pelo resgate da memória do Coritiba, e cabe a nós, dirigentes do mais tradicional clube do futebol do Paraná, demonstrarmos ao nosso torcedor a importância que a instituição Coritiba Foot Ball Club teve na sociedade curitibana nos últimos 100 anos. Comemorando de forma ampla o Centenário, estaremos perpetuando a história do nosso amado clube e solidificando a marca Coritiba no cenário nacional.

O Projeto Centenário constitui-se de quatro vertentes. Primeiramente o Memorial, que terá como função principal o resgate da história do Clube, por meio de um levantamento histórico, organização do acervo, planejamento arquitetônico do ambiente, análise de custos (orçamento), análise de viabilidade, busca pelos investidores e implementação do Memorial.

O livro dos 100 anos, que contará a história do clube, necessitando da utilização do levantamento histórico feito pelos Helênicos (historiadores do Coritiba) com a colaboração de grandes torcedores.

A terceira vertente será a realização de um jogo internacional com uma equipe de grande porte do cenário mundial. Como fechamento dos festejos, um grande congraçamento da torcida Coxa em um grande restaurante da cidade - mais de 3.500 torcedores. E título, é claro!!!

xxx


PLANOS DE SÓCIOS


Jair Cirino (chapa Coritiba com Respeito e Dignidade) - Todos os projetos feitos até hoje em se falando de Sócio Torcedor foram feitos de forma equivocada, pois só visavam os ingressos a jogos do Coritiba no Couto Pereira. Com isso, todos os programas criados sempre terminavam no final de cada ano.

Novamente, o Projeto Vencer contempla, em um capítulo exclusivo, a questão de Planos de Sócios, criando o Sócio Torcedor e o Sócio Empresa. Criaremos diversos atrativos, durante todo o ano, como o Clube de Benefícios do Torcedor, que incentivará cada vez mais a permanência do sócio nos períodos que não temos jogos, como também o aumento progressivo do quadro. Chegaremos em dezembro de 2009 com 20 mil sócios.

xxx


INGRESSOS


Jair Cirino (chapa Coritiba com Respeito e Dignidade) - Acreditamos que a política dos ingressos deva seguir a tendência de mercado nacional, e que está de acordo com a praticada atualmente pelo Coritiba. Sim, a venda de pacotes deve continuar, motivando a inscrição de sócios-torcedores.

xxx


COUTO PEREIRA


Jair Cirino (chapa Coritiba com Respeito e Dignidade) - Com o projeto Novo Couto, iremos modernizar o Estádio Couto Pereira, sem, contudo,dispor de sua tradição, de modo a dotá-lo de estrutura compatível com as recomendações da FIFA, permitindo que seja caracterizado como um local multiuso, projetado para abrigar a sede esportiva do clube, acomodar o público em geral com conforto e segurança comparáveis aos melhores estádios do mundo e funcionar como um elemento chave de divulgação da marca Coritiba.


xxx


NOVO ESTÁDIO

Jair Cirino (chapa Coritiba com Respeito e Dignidade) - Somos a favor de construir um novo estádio, mas nunca em parceria com Onaireves Moura, muito menos com investidores que nunca apareceram e que não sabemos de onde vem o recurso. Também não queremos construir o terceiro anel com cheques de sócios, conselheiros ou pretensos diretores.

Não podemos esquecer o caso mais recente dos investimentos feitos no Corinthians. Somos a favor de reconstruir o Couto Pereira exatamente no terreno onde hoje ele está. O Estádio é dividido em quatro partes: Sociais, Reta da Mauá e as duas curvas. Todas independentes.

Pretendemos buscar parcerias da iniciativa privada, de uma empresa multinacional que já foi pré-contactada, para reconstruirmos o Couto Pereira em partes, e com isso não atrapalharmos o uso dele para nossos espetáculos desportivos.

xxx


ECONOMIA

Jair Cirino (chapa Coritiba com Respeito e Dignidade) - Hoje o Coritiba deve aproximadamente R$ 30 milhões, sendo que destes valores, aproximadamente R$ 8 milhões contraídos na gestão 2005/2006. Por isso, pretendemos administrar o clube com muita responsabilidade e respeito.

Iremos buscar de toda forma um aumento considerável de receita para que a parte financeira não paute o futebol, muito menos que tenhamos que vender grandes jogadores para pagar dívidas.

Com a queda para a segunda divisão, o Coritiba deixou de arrecadar aproximadamente R$ 18 milhões, dinheiro este que poderia ter evitado a venda de grandes jogadores e com o qual poderíamos ter conquistado títulos - e por conseqüência, aumento de receita.

xxx


PATRIMÔNIO

Jair Cirino (chapa Coritiba com Respeito e Dignidade) - Iremos reestruturar o Patrimônio do Clube de modo a fornecer toda a infra-estrutura exigida pelos projetos de Centro de Excelência na Formação de Atletas, Futebol Amador e Futebol Profissional, Projeto do Centenário, Espaço Multiuso, entre outros, dotando o clube de instalações e equipamentos de primeira linha no cenário esportivo e projetando a instituição Coritiba para os primeiros lugares no ranking de infra-estrutura esportiva.

Os investimentos que serão feitos na área patrimonial terão participação da iniciativa privada e recursos oriundos do aumento de receita não prevista no orçamento. Entre eles destacamos o Hotel no CT, Memorial dos 100 anos, Transporte, Centro de Treinamento e Estádio Couto Pereira. O custeio do patrimônio atual já está previsto no orçamento do clube.

xxx


ESTATUTO

Jair Cirino (chapa Coritiba com Respeito e Dignidade) - Sim, entendemos que o Estatuto deva ser mudado. A codificação das normas de conduta num clube como o Coritiba devem ser claras e completas, de modo a permitir sua compreensão por toda a sociedade, assim como demonstrar de forma inequívoca a pujança e a força da instituição.

Os novos rumos tomados pelo futebol brasileiro, a profissionalização do negócio-futebol, assim como a nova legislação pátria, mormente o novo Código Civil de 2.002, exigem uma adequação dos estatutos dos clubes. Importante notar também que existe uma nova filosofia a ser implantada no clube, um conceito focado sempre no vencer como regra geral a ultrapassar mandatos e gerações.

A codificação Coxa-Branca deve agora também demonstrar nova filosofa, a idéia, a característica do clube, como a mais tradicional e vencedora de todas as instituições esportivas do estado. Para isto, deve-se observar as novas realidades trabalhistas, fiscais, previdenciárias, regras de conduta bancária e, inclusive, punições para as más administrações, deixando claro este conceito, não deixando margem para interpretações de modo a salvaguardar o bem estar financeiro do Coxa.

Iremos também implantar um regime administrativo de compras, para que o Clube não privilegie fornecedores simplesmente pela proximidade familiar ou pessoal, fazendo que os fornecedores sejam mais competitivos e que o processo seja mais transparente e que o clube compre com mais qualidade e preço mais barato.

xxx



UNIÃO

Jair Cirino (chapa Coritiba com Respeito e Dignidade) - As chapas derrotadas poderão participar das diversas comissões multidisciplinares que implantarão o Projeto Vencer. Até porque este é um projeto de longo prazo e para o Clube, não para um só grupo político.

xxx



TRANSPARÊNCIA

Jair Cirino (chapa Coritiba com Respeito e Dignidade) - Temos, sim, o compromisso de transparência com o clube, seus sócios e principalmente com o Conselho Deliberativo.

A falta de transparência e os negócios duvidosos irão acabar. As demonstrações financeiras trimestrais serão tornadas públicas para o Conselho e as anuais para os Sócios.

Como também contrataremos imediatamente uma auditoria externa para verificar todas as situações irregulares que o clube tem hoje. Temos, sim, o interesse da participação do sócio em diversos assuntos e isso será feito de forma democrática e participativa, já a partir de 2008.

xxx



TORCIDA

Jair Cirino (chapa Coritiba com Respeito e Dignidade) - Torcida Regional é um resultado de diversas ações combinadas. Faremos isso com a implantação do primeiro Planejamento Estratégico de Marketing do Clube, com títulos e time competitivo, com escolinha de futebol no interior do Estado e outras capitais, com uma gama de produtos licenciados que atendam a nossa demanda, com excursões amistosas e promocionais, com muito relacionamento e muito investimento em nossa marca.

xxx



ORGANIZADAS

Jair Cirino (chapa Coritiba com Respeito e Dignidade) - Só temos duas maneiras de manter uma torcida mobilizada e motivada. Precisamos respeitar nossa torcida, não fazendo gestos obscenos, muito menos enfrentá-la como se fosse uma torcida adversária.

Precisamos também de um time competitivo, que traga resultados positivos dentro de campo. Para isso, implantaremos o Conceito Vencer. Somos, sim, a favor das torcidas organizadas, pois elas são os motores que motivam as alegrias das arquibancadas dos estádios. Só não concordamos com as posturas políticas que elas tomam. Torcidas organizadas não são de um ou outro candidato, mas são patrimônio do Clube.

xxx



ESTRELA PRATA

Jair Cirino (chapa Coritiba com Respeito e Dignidade) - Pretendemos aplicá-la em algumas ocasiões em uniformes promocionais e comemorativos.


xxx

COXAnautas

Jair Cirino (chapa Coritiba com Respeito e Dignidade) - Trataremos o site como um veículo de comunicação, tendo os mesmos privilégios da imprensa.

Acreditamos que o COXAnautas é um veículo de comunicação importante, tendo seu papel muito bem executado perante à torcida Coxa, divulgando o nosso clube em todos os cantos do planeta.

Será considerado pela nossa administração como uma ferramenta importante de divulgação, pesquisa e auxílio na administração do clube, principalmente quando iniciarmos uma administração transparente e participativa, a partir de 2008.

DJ: Coxa tem time pra chegar à Libertadores

Matéria do Jornal do Estado, edição desta terça-feira, 30, destaca a confiança que o treinador Dorival Jr. tem na classificação coritibana à Libertadores 2009.

Segundo a matéria, para DJ, o Coritiba tem tido um futebol que o credencia à vaga na competição internacional da próxima temporada. “Acredito muito (na classificação à Libertadores). O futebol que o Coritiba está jogando o credencia à briga”, destacou o treinador.

As estatísticas feitas pelos sites Infobola e Chance de Gol dão conta que o Verdão tem 12% e 10,4% respectivamente de chances de conquistar uma das vagas na Libertadores de 2009.

(Foto: Steve Woods)

Desafio dos centenários

Desafio dos centenários
Pois é, o Coritiba conseguiu perder uma chance de ouro ao perder pontos para o fraquíssimo time da Baixada. Serei justo: eles lutaram para não perder. E o Coxa não lutou o suficiente para ganhar. Aliado a isto, problemas táticos e técnicos no time coritibano facilitaram o serviço para 'eles', que comemoram o empate com as mãos levantadas aos céus.

Agora, é o Internacional pela frente. Pra mim, o melhor elenco do Brasil. Ano que vem Coxa e Inter farão seus centenários. E só um time será campeão brasileiro em 2009. Vamos medir a nossa força, com base no time montado pela diretoria do Cori, contra um time bem estrutura fora de campo e que começa a voar mais alto dentro do gramado. Teremos a noção de quanto o time verde e branco estará preparado para vôos mais altos ano que vem.

Coritiba, a torcida que nunca abandona.


(Foto: Cíntia Martins)

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Torcida Coxa no Japão



O Coritiba está bem representado no Japão, no outro lado do planeta, onde o fiel coritibano JP reside com a família. Em Nagano Ken, na cidade de Hotaka, João Paulo encarava o rigoroso inverno vestido à caráter: de verde e branco, para provar seu amor pelo Cori.

Já na região de Shizouka, na cidade de Daito, JP representou o Brasil e o Coritiba no amistoso de vôlei de praia das duplas e quartetos brasileiros contra os japoneses, um evento em homenagem ao centenário da imigração japonesa.

João Paulo, Marta Sayuri, Giovana Emy e Gustavo Yukio fazem a sua parte divulgando o amor pelo Coritiba pelo planeta.




Vi outro jogo, Dorival

“A equipe teve um excelente comportamento, procurou jogar, colocar a bola no chão, criou as melhores oportunidades de gol e talvez merecesse sim um resultado melhor”. A frase é de Dorival Jr., na coletiva após o fiasco no AtleTiba. Ou não é um fiasco, um time que até dias atrás, segundo o próprio treinador, buscava uma vaga no G4, jogando em casa, contra um time que lutava pra não cair?

Vi outro jogo.

O Coritiba não tocou na bola - nem o time da Baixada - no primeiro tempo, nem mesmo lutou para se superar. Oportunidades de gols foram poucas, para ambos os lados. Pior ainda no primeiro tempo, quando só Ariel teve uma oportunidade contundente, num lance iniciado por Keirrison.

No segundo tempo, o Coxa não colocou a bola no chão com tanta ênfase como Dorival viu. Aliás, só colocou a bola no chão - e em poucas oportunidades - depois que Rodrigo Mancha foi atuar como volante, obrigando o time deles a sair no chutão. Obviamente, beneficiando o Coxa, que recebia a bola de frente e saia com ela dominada.

O fato: o time deles é muito fraco e o nosso, apesar de não ser tão fraco, não venceu. E, pra quem quer chegar na Libertadores, como acredita DJ - que disse na coletiva ”Nós poderíamos ter vencido hoje numa jogada mentirosa, uma jogada qualquer, mas eu ficaria satisfeito se isso acontecesse. Quero que o Coritiba vença sempre com vibração, com grandes apresentações. Por tudo isso, eu confio na vaga na Libertadores” -, um empate em casa é pouco.

Dorival disse que não ficaria satisfeito em ganhar o jogo de forma mentirosa. Pra mim, foi assim que o Verdão venceu o Flu no Maracanã.

Coxa supera R$ 4,6 MI de rendas

O Coritiba já arrecadou mais de 4,6 milhões de reais em jogos realizados no Couto Pereira durante este Brasileirão, número que deve se tornar nos próxmimos jogos a melhor marca do Clube nos últimos anos em competições nacionais.

Até aqui, em 13 jogos realizados no Couto Pereira, o Verdão arrecadou R$ 4.632.585,00. Em 2007, foram R$ 4,8 MI; em 2006, R$ 2,2 MI; em 2005, foram R$ 2,71 MI; em 2004, R$ 1,9 MI.

Nestes 13 jogos, foram 285.022 pagantes (média de 21.925, considerando-se os números ajustados de Coritiba x Portugusa), com um público total acumulado de 311.313.


(Fotos: Stephen Hyun)

domingo, 28 de setembro de 2008

Um AtleTiba do óbvio

O previsível AtleTiba terminou em empate. Falar do jogo antes é bem mais difícil. Fiz a minha parte.

'Eles' estavam mais mobilizados para o clássico, encararam o AtleTiba como ele é, um jogo diferenciado. O Cori não ganhou na vontade. Time tinha pra ganhar deles, que é fraco, mas lutou como nunca para permanecer vivo.

Já o Coritiba, pensou que iria ganhar um jogo ao natural. Além de errado taticamente - um 3-5-2 sem alas -, perdendo o meio-de-campo, o Verdão não lutou dentro de campo.

Poderia até perder se não tivesse em Ariel um jogador raçudo.

DJ demorou 57 minutos para arrumar o óbvio: adiantar o Rodrigo Mancha e ganhar o meio-campo, forçando o erro da zaga deles. No segundo tempo, dominamos o jogo e não ganhamos por falta de qualidade. Era um tal de chutão pra todo lado da parte deles. Os alviverdes recuperavam a bola, tinham espaço para armar mas não conseguiam ter avanços dos laterais (ou alas) qualificados que um time precisa ter para ir longe num Brasileirão.

No primeiro tempo, a torcida foi no ritmo do time: já que o time não jogava, a torcida não cantava. No tempo final, a torcida embalou mais e cantou mais alto. Mas faltava time, bola, competência no time e no comando técnico.

Dorival não conseguiu superar o óbvio, ainda viu o time levar um gol na previsível bola parada - culpa do elenco, defensivo, que é fraco -, mas não superou o ultrapassado modelo tático do técnico adversário, que há muitos anos não mostra um trabalho de ponta. Tanto que está no time da Baixada.

O jogo foi o óbvio. Nada mais a declarar.

Se

Sou do tempo em que o plantel forte do Coritiba se representava em números na tabela.

Hoje, é tudo na base do se. Se o árbitro não errasse, se a bola não batesse na trave, se o zagueiro deles fizesse um gol contra. E por aí vai.

Que bom seria se tivéssemos uma diretoria como o do São Paulo, um treinador como o do Palmeiras, um time como o do Internacional...

sábado, 27 de setembro de 2008

O AtleTiba não é um jogo 'normal'

AtleTiba nunca mais será um jogo numa competição (devido ao crescimento da rivalidade, a partir de 1995). Definitivamente, o clássico é um jogo diferenciado. O aspecto emocional pesa e pesa muito.

Time por time, o Coxa é favorito. Disparado. Mas precisa encarar o jogo como ele realmente é: um divisor de águas para ambos os times no campeonato. O inferno na Terra ao perdedor.

Agora, não me venham com 'normalidade' encarar um empate sem gols no clássico. Pra mim, não serve. Se perdermos pontos pra 'eles', o preço será muito caro. E não será contra a Lusa que tiraremos o déficit. Não seriam dois ou três pontos. Vai mais além.

(Foto: Marcello Schiavon)

DJ: Coxa não tem elenco para chegar ao título

Em matéria assinada pelo jornalista Robson De Lazzari, com perguntas feitas por leitores, o treinador Dorival Jr. descartou a possibilidade do Coritiba conquistar o título nacional desta temporada.

Pergunta do leitor Marcio Bello, que perguntou: "Com o plantel que o Coritiba tem, o título deste ano é possível?".

A resposta de DJ foi curta: "Nossa realidade ainda não permite esta situação".

Ora, como as inscrições já estão encerradas, esta realidade - de elenco - só pode diminuir - com contusões e suspensões - e não aumentar. Logo, da frase, o que fica é "Não". No mais, foi uma forma gentil de dizer "Não".

Perguntado se, com este elenco, o Coxa poderia convencer na Libertadores, DJ disse que precisaria manter o grupo, e, principalmente, manter Keirrison, para "termos grande chance de ter uma grande ano que vem".


É esperar pra ver.
(Foto: Bartlomiej Stroinski)

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Hora extra no Couto Pereira

Circula a informação (extra-oficial) de que todos os funcionários do Coritiba - inclusive os que desempenham suas atividades no CT Bayard Osna - foram convocados para uma reunião de diretoria às 18h30 desta sexta, no Estádio Couto Pereira (cadeiras inferiores).

Sendo procedente a informação, faço aqui um elogio público aos diretores do Verdão. Assim como os critico, os elogio, sempre que merecido.

É realmente elogiável a atitude destes dirigentes - e, pelo que soube, conselheiros - do Clube irem debater com os funcionários do Coxa os planos e projetos dos diretores da instituição.

Parabéns, diretoria! Se quiserem me passar a ata da reunião, o blog fica à disposição para divulgação.

(Foto: Martin Boulanger)

Ministério Público 'entra em campo'

Uma ótima notícia: o Ministério Público do Paraná 'entrou em campo' para defender os interesses dos torcedores, trazendo um acordo com os três clubes de Curitiba e a Federação Paranaense de Futebol e a Secretaria de Segurança do Pública do estado do Paraná.

Pelo acordo, já a partir do AtleTiba deste domingo, os estádios da capital receberão uma delegacia móvel para registro e encaminhamento de ocorrências relacionadas aos jogos de futebol. O objetivo é ampliar o controle e a punição contra os maus torcedores que cometerem vandalismos e violências.

Outra medida trata sobre a garantia do meio-ingresso aos torcedores, como prevê a legislação nacional. É uma constante reclamação dos estudantes a falta de meio-ingresso em jogos de grande apelo.

O acordo também prevê que a proibição da venda de bebidas alcóolicas nos estádios seja ampliada também para os jogos regionais - a medida era válida apenas para jogos de competições organizadas pela CBF.

Confira a nota (adaptada) divulgada no site do MP:

FUTEBOL - MP-PR, SESP, FPF e clubes firmam termo de ajuste para melhora da segurança e redução da violência

Principais medidas se referem à estrutura dos estádios, venda e consumo de bebidas alcoólicas e à presença de uma delegacia nos estádios para registro de ocorrências durante os jogos

O Ministério Público do Paraná, por intermédio da Procuradoria-Geral de Justiça e do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Defesa do Consumidor, firmou nesta semana (24) termo de ajustamento de conduta com os três times de futebol de Curitiba que participam do Campeonato Brasileiro de Futebol, a Federação Paranaense de Futebol e a Secretaria Estadual de Segurança Pública. Representantes do A. Paranaense, Coritiba Foot Ball Club e P. Clube assinaram o documento, que prevê diversas garantias aos torcedores, bem como compromisso para coibir a violência durante as partidas, como a proibição de venda ou consumo de bebidas alcoólicas dentro dos estádios e a presença de uma equipe de policiais civis com estrutura para registro de ocorrências e encaminhamento para delegacias. O termo já estará valendo para o AtleTiba deste domingo, que será realizado no Estádio Couto Pereira, no Alto da Glória. Foram estipuladas multas para o caso de descumprimento.

"Com esse acordo buscamos trazer de volta aos estádios o clima esportivo que o futebol paranaense vivenciou por tantas décadas. Para tanto, vamos trabalhar na garantia dos direitos do torcedor e na persecução daquele que pratica atos violentos ou vandalismo", diz o Procurador-Geral de Justiça Olympio de Sá Sotto Maior Neto, que conduziu o encontro. Ele afirma que serão feitas outras reuniões, com representantes da Polícia Militar e das torcidas, para apresentação do termo de ajuste e discussão de novas medidas que garantam a tranqüilidade durante os jogos. "A rivalidade entre os clubes não pode mais ser sinônimo de violência", diz. Além do Procurador-Geral de Justiça, assinaram o documento o Procurador de Justiça Ciro Expedito Scheraiber e o Promotor de Justiça Maximiliano Ribeiro Deliberador, do CAOP do Consumidor, o Secretário de Estado de Segurança Pública, Luiz Fernando Delazari, o vice-presidente da Federação Paranaense de Futebol, Amilton Stival, a diretora do A. Paranaense, Maria Aparecida Gonçalves, o presidente do Coritiba Foot Ball Club, Jair Cirino dos Santos, e o vice-presidente jurídico do P. Clube, Cesar Augusto Machado de Melo, representando o presidente, Aurival Correia.

Consumidores-torcedores – Além da questão das bebidas e da estrutura policial para registro de ocorrências diretamente nos estádios, o Procurador de Justiça Ciro Expedito Scheraiber e o Promotor de Justiça Maximiliano Ribeiro Deliberador, do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Defesa do Consumidor, destacam outros pontos do termo que trarão benefício direto aos consumidores. "Ficou assegurado o direito a meia-entrada sem limite de cota para estudantes, idosos e professores, bem como estabelecido que os clubes ficam obrigados a oferecer cinco pontos diferentes de venda de ingressos, para facilitar a compra pelos torcedores", conta Ciro, coordenador do CAOP do Consumidor.

Os estádios também devem estar adaptados a todas as normas de segurança previstas por Corpo de Bombeiros e Vigilância Sanitária. "Além das multas, se não cumprir essas exigências técnicas de estrutura o clube poderá perder o mando de jogo, que será definido pela Federação Paranaense de Futebol e pela Confederação Brasileira de Futebol", diz Deliberador. Os estádios também serão vistoriados pelos Bombeiros e outros órgãos competentes antes de cada campeonato. "Destacamos ainda que a fiscalização do desatendimento a direitos do consumidor, objeto do termo, por certo será feita pelo próprio torcedor, consumidor dessa atividade de lazer, que, a final de contas, constitui um serviço de alcance popular, que poderá se reportar à Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor", afirma o coordenador do Centro de Apoio. Cópia do documento será disponibilizada na página do CAOP no site www.mp.pr.gov.br. O e-mail para contato é o caopcon@pr.gov.br e o telefone o (41) 3250-4000.


(Foto: Steve Woods)

Mais um 'Relembrando'

Em 1988, o Coritiba venceu o AtleTiba pelo Brasileirão daquela temporada. Naquele time, inclusive, jogava o então volante Junior – Dorival Jr. -, que depois viria a ser treinador do Coxa.

Era a estréia de Júnior com a camisa do Coritiba, justamente contra o maior rival. E não poderia ser diferente: mais time, o Verdão venceu e a torcida fez a festa.

Não era pra menos: no time Coxa, craques como Rafael, Viça, Osvaldo, Tostão, Carlos Alberto, além de jogadores que faziam a diferença, do seu jeito: o centroavante Chicão – curiosamente, dono de um estilo similar ao do argentino Ariel – e do veloz Kazu, um japonês que ficou famoso vestindo a camisa do Alviverde.

O gol da vitória saiu num lance em que Junior participou: bola cruzada na área, na medida para Édison Borges, ponta direita (atualmente, auxiliar técnico de DJ) fazer. Implacável nos clássicos, Coxa 1x0, para a alegria da maior torcida do Paraná.

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Relembrando

Idos de 1999, um ano marcado pela conquista do título Paranaense, na raça. Em 17 de outubro, o Coritiba voltaria a enfrentar o time da Baixada. O jogo foi no Alto da Glória, com mais de 31 mil pagantes no maior estádio do Paraná.

Jogo equilibrado, muito disputado, dentro e fora de campo. O primeiro tempo passou em branco e o jogo já caminhava para o final. Eles abusavam da violência e Dutra foi expulso, ao revidar uma agressão do zagueiro Gustavo.

Então, quando menos se esperava, eles saíram na frente: Kelly (aquele mesmo), aos 32. Foi o que bastou para ‘eles’ acharem que venceriam o jogo... Não deu nem pra ‘eles’ comemorarem direito: em dois minutos, o Verdão virava o jogo, aos 34 e 35, com o zagueiro Leonardo e o atacante Basílio. Logo depois, Alberto (deles), foi expulso.

Lembro do gol de Basílio: a torcida jogou junto com ele, incendiou a partida e ele marcou um golaço, na raça e na velocidade, o gol da vitória. E foi merecido, o Coxa jogou mais bola que ‘eles’.

Dinelson e Douglas Silva não jogam o AtleTiba

O repórter Jairo Jr., da Rádio Colombo, noticiou que os jogadores Dinelson (meia) e Douglas Silva (volante) não jogarão o AtleTiba deste domingo, 28.

Dinelson, recém-contratado junto ao Corinthians, vem de longo período parado por contusão - ele teve que passar por uma cirurgia no joelho - e chegou ao Alto da Glória com uma tendinite, tendo que passar por um trabalho específico de recuperação física. Já Douglas Silva, que passou por um longo processo de recuperação clínica devido a um pubalgia, também passa por trabalhos físicos para recuperar a forma.

Segundo o repórter, Dorival pretende trabalhar o retorno dos dois atletas aos gramados de forma gradativa, aos poucos, mantendo o critério já feito com outros jogadores do elenco Coxa.

'Eles' saíram na frente...

Com tristeza digo que 'eles' saíram na frente e inovaram. Se, historicamente, o Coritiba era o clube inovador no futebol do Paraná, desta vez, ficamos pra trás. O comparativo é inevitável, quando se fala em times de futebol: a rivalidade local sempre fala alto.

O time da Baixada oficializou um sistema de embaixadas, pelo qual buscará regionalizar sua torcida, com o apoio institucional aos torcedores 'deles' que não residem em Curitiba. O objetivo, é simples: fazer células regionais, agrupando torcedores.

Triste ficar atrás, não inovar no Paraná - a idéia é antiga, já existe há décadas na Argentina e até torcida organizada, como a Gaviões da Fiel, tem sede em Curitiba, lá no bairro Boa Vista. O Coxa, infelizmente, não lançou nada. Apesar de que a promessa - ou objetivo, sei lá qual designação queriam dar para o que está escrito no Projeto Vencer - está lá, no capítulo que fala sobre marketing:

- Promover a fidelização e ampliação da torcida;
- Criar a rede de colaboração de torcedores influentes;


Pois bem, informalmente, através de uma iniciativa do site COXAnautas, hoje o Clube conta com 123 consulados espalhados pelo planeta, alguns dos quais, já estruturados o suficiente para viajar, acompanhando os jogos do Cori, bem como realizar eventos de congraçamento de torcedores coritibanos e locais.

É isto.

O Coritiba perdeu uma oportunidade de sair na frente.

Espero que quando a diretoria do Clube transforme a teoria na prática, o Coxa lance algo melhor do que o lançado pelo pessoal da Baixada.

(Foto: Ervin Bacik)

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Dorival mudará o time?

A expectativa é grande. A torcida aguarda ansiosa para saber se Airel e Keirrison iniciarão uma partida jogando juntos, pela primeira vez desde que o gringo chegou ao Alto da Glória.

Depois de entrar durante o segundo tempo do jogo contra o Flu - mostrou pouca habilidade, muita força e vontade, além da manha portenha -, Ariel conquistou mais um espaço no time. Não pelo que realmente jogou, até porque não jogou muito, mas foi muito útil. Pode parecer um contra senso, mas não é. O Coxa vinha de quatro partidas sem vencer, duas das quais sem marcar. Ariel se tornou uma válvula de escape para o minguado sistema ofensivo do Cori, que só tem Keirrison como atleta de alto nível.

Precisando vencer o Flu, a entrada de Ariel foi decisiva para o modelo tático do jogo. Se até então, o Verdão era refém do isolamento tático e técnico que assolava Keirrison, com o gringo por perto, mas espaços surgiram - pois o Flu teve que recompor sua defesa - e o artilheiro Keirrison desiquelibrou.

Agora, a parte mais jovem da torcida - tão carente de ídolos - quer por que quer ver Ariel ao lado de Keirrison. E, por obra dos deuses do futebol, o próximo jogo é justamente um AtleTiba, um dos mais quentes dos últimos anos.

Será que Dorival irá mudar o time? A semana será longa, repleta de expectativa. Façam suas apostas.

(Foto: Bensik Imeri)

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Coritiba será tema de samba-enrredo

Por Rogério Scarione

A escola de samba Acadêmicos da Realeza, de Curitiba, irá homenagear o Coritiba no próximo carnaval. Em 2009, o tema da escola será "Do Alto da Glória Para 100 Anos de História", fazendo menção ao centenário do Alviverde.

O presidente da entidade, Paulo Roberto Scheunemann, pede aos torcedores do Cori que se mobilizem e façam parte do desfile, que será no dia 21 de fevereiro.

Parabéns pela iniciativa da escola, que com certeza para bonito no próximo ano.

VAMOS COLORIR A PASSARELA DE VERDE E BRANCO!


Um AtleTiba de altíssimo risco

O super AtleTiba deste domingo, 28, no Alto da Glória, tem tudo para ser um jogo de altíssimo risco de confronto entre torcedores.

O panorama da competição - Coxa em alta, time da Baixada em baixa -, a recente decisão do Paranaense 2008, cuja premiação não foi autorizada pelo dono do time da Baixada e que recebeu a 'punição' de 3 mil reais e nada mais, os incidentes entre torcedores do time deles contra os gremistas, no último domingo - com direito a invasão de atleticanos a um restaurante para agredir famílias gremistas; vandalismo contra dois ônibus da torcida visitante; arrastão na imediação da Baixada (um estádio, que, dizem, teria condições de receber uma Copa do Mundo), onde até fotógrafo de jornal apanhou, além de uma bomba caseira atirada ao setor da torcida visitantes, onde estavam os gremistas - são fatores que podem desencadear uma crescente onda de violência no domingo.

É necessário as autoridades públicas atuarem com muito rigor - e conhecimento da informações, que estão disponíveis junto aos líderes das organizadas - para evitar brigas e vandalismo, especialmente em alguns bairros, como Cabral, Fazendinha, Centenário e Pinheirinho, além do terminal do Guadalupe.

Tragédias servem muito para a exploração pela mídia. Quero ver é a mídia fazendo divulgação de ações educativas e preventivas. Chega de tragédias, temos que buscar alternativas para solucionar a violência.

Este AtleTiba tem tudo para ter ânimos muito exaltados por parte de ambas as torcidas. Sem um trabalho preventivo e punitivo das autoridades, o clássico pode ter uma bomba relógio longe do Alto da Glória.

(Foto: Steve Woods)

Superioridade Coxa

Não tem conversa: é AtleTiba e a vitória tem que vir a qualquer custo para o Coritiba.

Tem mais time, tem mais treinador, tem mais torcida. Está num melhor momento, joga em casa, está motivado para buscar uma vaga no G4 e encara um adversário frágil e beirando ao desespero. Eles vão jogar como time pequeno, acuados, querendo um empate sem gols para poder comemorar algo.

O Coritiba é favorito sim, mas só se favorito não basta: tem que fazer da teoria do favoritismo a prática.

O Coxa precisa encarar o clássico diferente de como encarou o jogo contra o Fluminense, onde em 36 minutos literalmente apagou em campo. Se fosse o Flu um time mais equilibrado - entre defesa e ataque -, a história do Maracanã teria sido outra. Não foi, ótimo! Então, que seja aprendido algo: um time que aspira conquistas não pode 'sumir' do jogo, deixando um time mais fraco dominar as ações.

Que esta parte da história de Flumiense x Coritiba não se repeita no clássico deste domingo. Se o Coritiba encarar a partida como uma decisão, sua superioridade naturalmente trará a vitória. Time por time, o do Alto da Glória é muitíssimo superior. Só que precisa comprovar isto em campo, com vontade de vencer, pois a vitória é o único resultado aceitável pela torcida do Verdão.

Chegou a hora de provar quem manda no Paraná!

(Foto: Steve Woods)

domingo, 21 de setembro de 2008

Que eu continue errando

Faço aqui um esclarecimento aos torcedores. Recebo críticas pela minha intolerância. Nada mais justo, as acompanho, avalio, considero. Como parafraseou René Simões em seu livro, ao lembrar de JK, "não tenho compromisso com o erro".

Digo isto com o objetivo de esclarecer meus posicionamentos.

Primeiro, nunca torci e nunca torcerei contra o Coritiba para justificar minhas críticas aos dirigentes, treinadores, atletas. Os critico ou elogio da forma que acho justa.

Isto não quer dizer que não erre. Quer dizer sim que procuro ser sincero nas análises, mas não isto não isenta-me de erros. Não posso garantir que não erre, mas posso garantir que escreva de forma sincera. Isto os leitores podem esperar.

Não preciso de números - deixei um site com 4 milhões de páginas visitadas ao mês para começar um blog, do zero -, currículos, favores. Não preciso de "fama", o poder e o dinheiro não me corrompem. Sou um torcedor do Coritiba, não sou bajulador de diretor, seja da oposição, seja da situação. Posso flertar amizades de ambos os lados do poder, o que acho perfeitamente natural, mas não faço da proximidade do poder - e de seus favores e cobranças - ou das amizades pessoais, algo maior do que meu amor pelo Coritiba, que é o bem de uma coletividade.

Não escrevo pra 'fazer média' com os leitores, ser 'politicamente correto', com ares de bom moço. Seria muito simples - e fácil - escrever só com base nos momentos felizes ou tristes de um resultado do time. Isto, pra mim, não formará uma nova legião de torcedores conhecedores do futebol.

Não uso de argumentos que sejam interessantes só pra manter minha linha de raciocínio quando interessa. Do tipo, usar do imponderável da bola - erros de arbitragem, por exemplo, para tentar minimizar maus resultados. Erros de arbitragem - assim como gols espíritas, defesas sensacionais e bolas na trave - acontecem pró e contra. Faz parte do jogo.

O Coritiba ganhou do Fluminense e é o que conta. Venceu, mas não me convenceu. Um apagão de meia hora no primeiro tempo, um time sem vontade e gana de vencer. Quem quer chegar ao título nacional pode se dar ao privilégio de simplesmente ver o outro time jogar? Uma falta não marcada no segundo gol, um 'passe' açucarada do adversário - já que nossos meias e alas não jogavam junto do Keirrison, o Tatá fez por eles.

O Coritiba venceu o fraco sistema defensivo do Fluminense graças a Keirrison. Sem ele, o Coritiba seria outro Coritiba. Pouco para quem quer chegar longe.

É verdade que os resultados têm desmentido minha opinião de que o time é muito limitado para chegar ao título nacional - e até a uma Libertadores. Acho que o Coxa precisa mais do que um futebol de altos e baixos para chegar longe. Precisa sim de um futebol forte, maduro, competitivo, implacável, no qual o imponderável seja exceção, influindo menos do que um bom trabalho feito durante toda uma temporada.

Se um humanóide acha que ficarei torcendo contra pelo Coxa, só pra ver meu argumento certo, podem esquecer. Que eu continue errando, que o Coxa continue vencendo, mesmo sem me convencer. Pouco importa minha opinião, o que eu quero é a vitória do meu time de coração.

Meus diagnósticos têm o objetivo de alertar para erros, concretos ou possíveis de virem a acontecer. Se minha intolerância incomoda, paciência. Sendo forte na crítica, se forma um time forte dentro e fora de campo. É o que eu acredito. Não podemos ter um time de matutos, satisfeitos com pouco, com a grandeza do amor de nossa torcida. Precisamos mais do que isto, precisamos um time grande em conquistas e feitos no campo de jogo, não só nas arquibancadas.

(Foto: Cíntia Martins)

sábado, 20 de setembro de 2008

De virada, Coxa vence no Maraca

Jogando no Maracanã, o Coritiba encarou o fraco time do Fluminense e ganhou por 3x2, com gols de Paraíba e Keirrison (2). Com o resultado, o Verdão subiu na tabela do Brasileirão, indo para a 8ª colocação, com 40 pontos. Na próxima rodada, o Coxa fará o super AtleTiba, dia 28, no Alto da Glória.


PRIMEIRO TEMPO

O Cori entrou em campo vestindo a tradicional camisa 1, com listras verdes na horizontal, calções pretos e meias verdes. Dorival optou por manter o modelo tático do 3-5-2, com Vanderlei; Maurício, Mancha e Bernardi; Rodrigo, Alê, Paraíba, João Henrique e Ricardinho; Keirrison e Marlos.

No primeiro momento ofensivo da partida, quem deu as cartas foi o time Verde e Branco, num bom lance de Alê, que fintou o marcador e arrematou ao gol. O lance seguinte foi carioca. Roubada de bola do Flu na intermediária, falha clamorosa da zaga Coxa, que deixou livre o atacante Washington. O centroavante entra sem marcação e já na grande área e simula a penalidade máxima, ao fintar Vanderlei. O ex-jogador do time da Baixada recebeu o cartão amarelo, punido acertadamente pela arbitragem.

Nos primeiros minutos, o jogo se mostrava muito veloz, com os dois times buscando o ataque. Apesar do padrão tático na teoria ser com dois atacantes - Marlos jogando mais próximo de Keirrison -, o Coritiba ficava na prática com Keirrison mais a frente, e Marlos mais na meia ponta-de-lança. Paraíba ficava mais na marcação, procurando fechar os avanços do time tricolor.

Em dois minutos, o jogo pegou fogo e mudou de rumo. Primeiro, com um contra-ataque rápido do time do Nense, com Washington roubando a bola e entrando na área, falhando bisonhamente ao pisar na bola e permitir a roubada de bola pelo Verdão. Aos 10, o Coxa chegaria ao seu gol. Jogada de João Henrique pela direita, o meia passa para Keirrison, que bate ao gol, a zaga corta a bola que iria entrar e no rebote, Paraíba, de voleio, faz um belo gol, estufando as redes do time carioca: Coxa 1x0.

Aos 15, o time das Laranjeiras foi à frente, com o estreante Ciel - atacante vindo da Série B -, que bateu forte, de fora da área, mas a bola subiu muito e foi pela linha de fundo.

Neste momento do jogo, o ritmo diminuiu em velocidade, com os times procurando organizar os sistemas de meio-campo.

Dois minutos depois, nova falha de posicionamento da defesa Coxa-Branca. Pela terceira vez consecutiva, o meio-campista do Flu, sem receber a marcação de Alê e Mancha - que estava mais como volante -, passa rasteiro por entre os zagueiros alviverdes e o atacante Washington perde ótima chance de empatar, frente a frente com o camisa 1. Vanderlei sai da meta e defende o chute que tinha direção certa, o gol.

Por volta de vinte minutos, o Alviverde do Alto da Glória fazia dos cruzamentos e lançamentos de Marlos a sua arma para chegar ao gol do time do sudeste. Apesar de Marlos ter toda liberdade ofensiva, os dois alas não subiam, para se aproximar do camisa 9 do Coxa, isolado entre os zagueiros tricolores.

O Verdão fazia dos lançamentos de média distância a arma para jogar no contra-golpe. Aos 30, João Henrique recebe boa bola pela direita, faz uma bela finta no marcador e cruza para a área, mas a zaga do Flu antecipa e corta o lance. Na continuidade da jogada, surgiu o gol carioca. Bola longa para Washington, que marcado individualmente por Bernardi, levou a melhor e bateu por cobertura, na saída do goleiro Vanderlei, empatando a partida a um gol.

O empate pareceu desarticular o Coritiba em campo. Aos 32, bola invertida para o lado direito da zaga Coxa. Tarta se livra de Alê, faz boa jogada individual, mostrando habilidade na finta e cruza para a área, mas a zaga alviverde intercepta o lance.

Por volta dos 40, o Coritiba se postava muito atrás, facilitando os avanços do Flu, já que na frente, Keirrison estava isolado. Com espaço para armar o jogo na intermediária, o time do Rio de Janeiro trocava passes, procurando achar vazios no sistema defensivo do time Coxa-Branca.

Nos 42 minutos de partida, Alê faz uma falta quase na lateral da direita, na intermediária do campo, ao segurar Ciel. O volante leva o cartão amarelo, o terceiro da série, ficando de fora do AtleTiba da próxima rodada. No momento seguinte, num lance similar, o árbitro não dá o cartão amarelo para o jogador fluminense, prejudicando o Coxa.

O Flu continuava se aproveitando do mau posicionamento coritibano na intermediária. Vazios entre os espaços dos volantes e zagueiros, permitiam ao Flu trocar passes em profundidade e com velocidade. Ciel recebe a bola pela direita e arremata, na entrada da área, mas fraco, facilitando o trabalho defensivo do Cori.

Num vacilo incrível da defesa coritibana, gol do Flu, aos 46. Lançamento para a grande área e Vanderlei acompanha a saída da bola. O árbitro marca o escanteio, para reclamação do goleiro Coxa-Branca. No escanteio, pela esquerda do ataque carioca, a bola vai na grande área, a zaga não corta e o jogador do Flu passa para Washington, livre de marcação , bater para o gol, virando o placar.

O primeiro tempo começou bom para o Coritiba, que marcou seu gol logo no começo e não soube - ou não quis - aproveitar a vantagem e o clima de desespero do Flu. Depois do gol, aos 10, o Coxa parecia ter desacelerado o ritmo, facilitando para o adversário avançar rumo ao gol coritibano. Posicionamento errado dos zagueiros e dos volantes - Bernarndi foi facilmente batido pelo atacante nos primeiros 46 minutos -, Marlos tentando algo, mas abusando da individualidade, os alas não subiam e não marcavam os cruzamentos, Keirrison, muito marcado e muito isolado, não tocou na bola.


SEGUNDO TEMPO

Revoltado bom o baixo rendimento do time, Dorival voltou ao gramado e falou à imprensa que a cobrança foi forte no time. O técnico manteve o mesmo time para o segundo tempo.

O primeiro momento ofensivo do tempo final surgiu com o Fluminense, aos 5. Bola pela direita, o atacante ganha da zaga Coxa e cruza com perigo, mas a bola fica com Vanderlei. No lance seguinte, falta pela direita. O Flu joga na área e o cabeceio sai com perigo, num lance em que a zaga Coxa não subiu.

O Cori foi à frente aos 9, depois do rebote, num lance de falta pela direita, Heffener acerta um lindo chute e a bola explode na trave, levando perigo ao gol do time carioca.

Logo depois, Dorival mexe no time - curiosamente, a mudança não ocorreu durante o intervalo - com Ariel entrando em campo, no lugar do meia Marlos, fazendo com que o Cori fosse atuar com dois atacantes de ofício.

Na primeira tentativa de Ariel, aos 12, o argentino - faz falta, não anotada pelo árbitro - e na disputa pelo alto do cruzamento vindo de Rodrigo, Keirrison fica com o rebote e bate ao gol. A bola bate na trave, mas na volta, K9 não perdoa: 2x2, na primeira bola que chegou com mais qualidade ao atacante alviverde.

Tentando segurar o jogo, Paraíba para o lance e leva o cartão amarelo. Aos 15 e aos 17, pressão carioca, que levou perigo ao goleiro coritibano. Nova falha de posicionamento Coxa, Arouca passa na medida para Táta, que se livra do marcador e bate cruzado, por cobertura, com a bola passando perto do travessão.

Aos 22, um lance emocionante, quando o Flu perdeu uma chance inacreditável de fazer mais um: contra-golpe veloz, a bola é passada para Washington para Carlinhos, pela direita, que, quase na pequena área, chuta muito forte e a bola explode no travessão. Na volta, livre de marcação, Ciel chuta forte, mas a bola sobe muito e sai pela linha de fundo.

O Cori mostra serviço, com Maurício, que tenta o lance individual, mas sem sucesso, quando poderia articular com Ariel ou K9.

Com 25, a torcida local - cerca de 11 mil torcedores - cresce no jogo, apoiando seu time. Atendendo ao apelo do torcedor, o Fluminense ataca e cede espaços para Keirrison fazer a sua parte. Falha incrível do jogador carioca, que errou feio ao tentar inverter o jogo e armou o contragolpe para K9, sem marcação, avançar e bater na saída do goleiro: 3x2, virando o placar.

Num falta de frente para a grande área, Mancha pára o jogo e leva o cartão amarelo.
Logo depois, para reforçar o meio-campo, DJ tira João Henrique para a entrada do volante Leandro Donizette. Com isto, o Cori mostraria um futebol mais equilibrado entre defender e atacar, já que o time tinha dois atacantes, liberando Paraíba para armar o jogo e retornando Rodrigo Mancha para a zaga, para ganhar força no jogo aéreo.

O time tricolor levou muito perigo contra a meta Coxa-Branca, aos 35, numa boa cobrança de falta. Washington colocou a bola no ângulo, mas Vanderlei foi bem na bola e tocou pela linha de fundo, evitando o gol de empate.

Aos 40, Paraíba deixa o time para a entrada do zagueiro Felipe. DJ quer fechar o cerco defensivo e manter a vantagem no placar, já que o Nense era todo ataque nos momentos finais da partida.

Até os 48, o Flu buscou o empate, mas de forma desordenada, beirando ao desespero de um time que permanecia na Zona de Rebaixamento. Já o Verdão, se fechou atrás e segurou o resultado que lhe era favorável. Placar final, Coritiba 3x2.


O Coritiba venceu, o que é importante - nada mais do que previsível, já que o adversário estava na ZR -, pois traz tranqüilidade para o super AtleTiba do dia 28 e sobe o time na classificação. O resultado foi muito importante, mas, convenhamos, não convenceu. E mostrou muitas falhas defensivas, tanto no posicionamento, como no aspecto coletivo e individual. Contra o Flu, o Cori correu só 10 minutos do primeiro tempo e 45 do segundo. Num intervalo de trinta minutos, o time sofreu um apagão. E não se pode vacilar assim num clássico, assim como contra o Goiás e o Inter...


Dorival é um treinador de sorte,sem dúvida. E mantenho o critério: não destaco o imponderável, nem quando ganha, nem quando perde. O que vale é o resultado. Agora, é contra 'eles'. Vitória a qualquer custo, sem dó!

Família no Alto da Glória






A família Coxa está se preparando para lotar o Alto da Glória no próximo dia 28, no super AtleTiba que decide muita coisa na vida da dupla no Brasileirão 2008.

Entre os fiéis coritibanos que retornarão ao lar Coxa-Branca estarão os integrantes da família Thiago Charleaux de Carvalho, que faz questão de levar a esposa e as primas para o clássico que promete fazer tremer o Couto.

É a maior e mais fiel do Paraná mostrando sua força e avisando: "O Coxa vem aí e o bicho vai pegar!".

Jogo decisivo como este, não pode ficar de fora do calendário de todo fiel coritibano. É hora de mostrar quem impera no Paraná: Coritiba Foot Ball Club, o dono do maior, mais fiel e mais vibrante torcida.

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Sócios: os mesmos 17 mil...

No dia 30 de junho, o jornalista Rodrigo Sell assinava matéria na qual destacava que o Coritiba atingira o número 17 mil sócios. "Até aqui (30 de junho de 2008), o Coritiba já soma cerca de 17 mil sócios e a expectativa é chegar aos 25 mil no final do ano. Se isso acontecer, a média na Série A deve aumentar como já deve acontecer com o público que deverá passar pelas catracas amanhã, no Couto Pereira", destacava a reportagem.

Passados quase 80 dias, a marca permanece. Pelo menos se tomando como base a matéria assinada pelos jornalistas André Pugliesi e Robson De Lazzari em 19 de setembro, "no Alto da Glória, são entre 16 e 17 mil adeptos (o Clube não divulga o número exato) registrados no plano Eternamente Coxa".

É curioso o número de sócios não crescer, pelo menos nas divulgações feitas pelo Clube. Nos borderôs das partias do campeonato, divulgados pela CBF, o crescimento é perceptível. No primeiro jogo do Coxa em casa, pelo Brasileirão 2008, contra o Palmeiras, foram 7.733 sócios pagantes. Já contra o São Paulo, na penúltima partida do time Coxa-Branca no Alto da Glória, foram 9.600 registraods no borderô, um número que pode crescer muito ainda, já que o Coritiba - dizem as matérias dos jornalistas - tem 17 mil sócios.

Nesta reta final de Brasilerão, será que a diretoria não poderia fazer uma convocação para que estes 7 mil sócios que não estão indo aos jogos do Clube de coração apareçam no Alto da Glória, para apoiar o time, na arracanda à Libertadores 2009? Com a palavra, a diretoria...

(Foto: Marcello Schiavon)

Reforços: Halila fala

A possibilidade do Coritiba contar com mais reforços para as 13 últimas rodadas do Campeonato Brasileiro é muito remota.

Em matéria do jornalista Róbson De Lazzari, o homem forte do futebol Coxa-Branca, Homero Halila, praticamente colocou uma 'pá de cal' nas esperanças dos torcedores em contar com reforços nesta temporada. Segundo Halila, o Clube não tem interesse em reforçar o elenco.

“Não é nossa intenção contratar mais ninguém. Só se aparecer algum negócio irrecusável”, admitiu o diretor de futebol do Cori.

Bom, sejamos práticos então: se o time é este, SE a Libertadores chegar, méritos da diretoria; SE não chegar, responsabilidade da diretoria. Simples.

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

A seguir: a prestação de contas

Agora é oficial: dia 18 de setembro, a diretoria Coxa entrega a Mesa do Conselho Deliberativo do Clube a prestação de contas do primeiro semestre 2008. A informação foi prestada em correspondência do presidente Cirino.

Segundo o estatuto do Clube, o qual não vinha sendo cumprido em seu Art. 77, estabelece que
"O Conselho Deliberativo reunir-se-á, ordinariamente, por convocação do seu presidente:

(...)

V - de 3 (três) em 3 (três) meses para:

a) tomar conhecimento das contas e atividades administrativas do Clube, com parecer do Conselho Fiscal e exposta pelo presidente do Conselho Administrativo, ou seu substituto legal em exercício".


Pois bem, agora vai! Em setembro deve ocorrer a reunião para prestar contas não do segundo trimestre, e sim, do primeiro e do segunto trimestres, conforme informou o presidente do Clube, Sr. Jair Cirino, em correspondência datada de 1º de setembro, encaminhada ao presidente do Conselho Deliberativo, Sr. Tico Fontoura.

Na correspondência, Cirino alega que o atraso no encaminhamento da prestação de contas se deve a "demora por parte do escritório responsávl pela contabilidade do Clube na gestão passada (NE: ou seja, de Giovani Gionédis presidente), para entregar o balanço financeiro do último trimestre do exercício que findou".

Segundo Cirino, a atual gestão "não tem economizado esforços para batalha em prol de uma gestão profissional, eficaz e transparente, o que fez com que se fosse reformulado em sua totalidade o departamento financeiro e contábil do Clube, para que nunca mais ocorram problemas inadimissíveis como estes".

Independente de qualquer tipo de atraso, as reuniões teriam que ser feitas. É o que diz o estatuto.


Agora, perguntar não ofende:

1.) O Clube tomará alguma medida contra o escritório de contabilidade que atrasou a remessa documental?
2.) Com esta reformulação organizacional, as contas do terceiro trimestre (que se encerra em 13 dias) serão entregues quando?
3.) Por que, mesmo com o atraso da entrega documental do último trimestre de 2007, houve reunião em 31 de março deste ano, conforme noticiou o site oficial do Clube, cuja pauta era "apreciar e deliberar o Balanço de 2007 e o respectivo parecer da Auditoria"? Vale o destaque que esta auditoria independente foi contratada pela gestão Cirino/Tico.

Agora, transcrevo na íntegra matéria do site COXAnautas, do dia 31 de março:


Balanço Financeiro 2007 é aprovado pelo Conselho

Balanço financeiro da gestão passada foi aprovado por unanimidade

Em reunião realizada durante a noite desta segunda-feira, 31, o Conselho Deliberativo do Coritiba se reuniu para apreciar o balanço financeiro 2007 e apreciar relatório da auditoria contratada para avaliar as contas do Clube.

As contas do Coxa foram aprovadas por unanimidade dos votos dos conselheiros coritibanos.

A auditoria independente, contratada pela atual gestão, emitiu parecer pela aprovação das contas, mas ressaltou que o valor total da receita poderia alterar devido à Timemania, que ainda não tinha relatórios consolidados pela Receita Federal, o que alterará a composição das dívidas consolidadas (para mais ou para menos).


Agora, eu fiquei em dúvida: mas se receberam as contas do último trimestre/2007 em atraso (atraso de quantos dias eu não sei!), como é que votaram e aprovaram as contas - das quais, suponho, faziam parte o último trimestre do ano passado -, e aprovaram por unanimidade? Ninguém alertou à época que as contas tinham sido encaminhadas em atraso pelo escritório contratado pelo ex-presidente Giovani Gionédis? Esta, eu não entendi. Se alguém souber o motivo e puder explicar, eu agradeço.

(Foto: Martin Boulanger)

O caso "Douglas Silva"

Matéria assinada pelo jornalista Carlos Eduardo Vicelli trata Douglas Silva. O jornalista trouxe mais detalhes da contusão sofrida por Douglas Silva.

Segundo a matéria, a contusão do jogador canhoto ocorreu ainda nas disputas da Série B de 2007, tendo o jogador atuado pelo Paranaense deste ano contundido. "Douglas Silva está impedido de fazer o que mais gosta há mais de 100 dias. Desde a derrota por 2 a 1 para o Botafogo, no Rio de Janeiro, ainda no primeiro turno do Brasileiro, que o meio-campista não consegue jogar bola. Culpa de uma inflamação do púbis, contusão que começou a incomodar durante a campanha do título da Série B, no ano passado, e se agravou após a seqüência de jogos do Campeonato Paranaense, no primeiro semestre".


Agora, com as cartas na mesa sobre a situação de DJ, resta saber: a atual comissão técnica e departamento de futebol não sabiam da contusão do atleta, ainda em 2007? Ele jogou contundido deliberadamente, com a ciência destes profissionais? Quem bancou a decisão: 'DS joga!'?

Futebol é muito sério para ser administrado assim, com jogador atuando machucado. Prejudica não só o atleta, mas principalmente a equipe, inclusive na sua imagem, não só no rendimento. O torcedor acaba não entendendo a queda de produção do atleta e a crítica vem e vem e vem...

É incompreensível - em se tratando de um esporte altamente competitivo e profissional - que se mantenha um jogador no time titular sem plenas condições de jogo, treinando, viajando e atuando durante vários jogos. Agora, passados cem dias - isto mesmo, cem! -, a verdade vem à tona. E o prejudicado? Claro, o Clube: pagou por um profissional que não trabalhou - e se fosse tratado antes, a contusão teria se agravado? -, perdeu rendimento coletivo em campo, criou inúmeras dúvidas desnecessárias em seus torcedores.

(Foto: Sophie)

Mais problemas para o DM

Plantão no DM Coxa: Bilu e Jadilson estão contundidos; Alê passa por revisão médica hoje.

As notícias não são muito animadoras para os dois recém-contratados pelo Coritiba, Bilu e Jadilson. Ambos, ainda não estrearam pelo Cori e ficarão mais algumas semanas de 'molho', em tratamento médico. Em matéria assinada pelo jornalista Carlos Eduardo Carvalho, dos COXAnautas, o médico do Coritiba, Dr. Braulio Moreira Júnior, afirmou que "os dois jogadores se machucaram no treino da última sexta-feira e estão fora dos trabalhos com bola por pelo menos duas semanas.

O volante Bilu sofreu uma lesão na coxa direita e, de acordo com o resultado da ressonância magnética, deve ficar afastado por três semanas. Já o atacante Jaílson teve problemas na panturrilha direita e deve ficar fora por duas semanas".


(Foto: Steve Woods)

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Copa no Couto: Cirino fala

Em entrevista ao jornalista Carlos Eduardo Vicelli, o presidente do Coritiba falou sobre a situação do Clube em relação a uma possível indicação do Couto Pereira para as disputas da Copa do Mundo 2014.

“Estamos no páreo. Isso (a construção de um novo estádio ou a modernização do Couto) não é segredo para ninguém. É, inclusive, uma promessa minha de campanha. Só que não se tem uma resposta sobre um empreendimento desta magnitude da noite para o dia. Precisamos de paciência”, disse o presidente coritibano.

Segundo a matéria, o Cori estaria negociando com investidores interessados na obra. “Não temos definição. Estamos trabalhando em várias frentes. Também com a WTorre (empresa que é parceira do Palmeiras na modernização do estádio do time paulista)”, explicou Cirino.

Já o representante da WTorre, João Carlos Mansur, executivo destacado pela escritório de engenharia para cuidar da seção estádios, disse que a conversa com o Coritiba foi apenas “uma conversa cordial. Só que, por enquanto, de certo mesmo só o Palmeiras e que pretendemos ir para outras cidades. Curitiba é interessante. Não descartamos ninguém. Mas, repito: não temos nada oficial com Coritiba, A. Paranaense ou P. Clube”, explicou.

Também segundo a matéria, o estudo que estaria sendo feito pelo Verdão - com prazo para entrega até o fim do ano - avaliaria se o ideal seria reformar e modernizar o Couto ou então construir outro estádio, noutra região da cidade.


Bom, pra sermos práticos: quando o estudo estiver pronto, voltamos a falar no assunto, presidente. Que tal? Por enquanto, vamos falar de bola. Ou então, já que é pra não falar de bola, qua tal debatermos a quantas anda a reforma estatutária e o plano de sócios com direito a voto?

Para debateremos profundamente, temos que ter informações precisas. E como bem disse o presidente Cirino, um projeto destes não acontece do dia pra noite. Então, quanto tudo estiver "bem explicadinho, nos mínimos detalhes...", poderemos saber quais as cláusulas, como funcionaria o protocolo de intenções. Se for pra construir noutra área de Curitiba, onde ficaria esta área? Quem seria o dono do terreno? Quanto tempo o parceiro exploraria o estádio? Como funcionaria os direitos adquiridos dos sócios e proprietários de cadeiras no Couto? Enfim, um debate amplo, com a presença dos sócios - até porque, segundo a reportagem, para a WTorre, é fundamental ter um parceiro que atue com transparência. E, debate sem sócios, seria uma ferramenta de uma gestão transparente?

Tratar da Copa, neste momento, é bom para quem? Para quem apóia a iniciativa do A. Paranaense em levar a Copa para seu estádio?

Depois de uma derrota preocupante em Salvador, a discussão será Copa do Mundo? Será que é oportuna a discussão, se nem o estudo de viabilidade do empreendimento nós temos?

Lá no fim do ano, o Brasileirão já acabou. Então, até lá, vamos falar de bola? Já que o Coritiba está há um mês sem vencer, tem o 18º rendimento no turno (entre 20 times), pior inclusive que o time da Baixada, e na semana que vem teremos AtleTiba.

Ah! Para quem argumenta que o time mantém o mesmo rendimento se comparado com igual fase de jogos no primeiro turno, bom lembrar que boa parte dos adversários com quem iremos jogar não só estão melhorando o rendimento no segundo turno, como também reforçaram seus times.

(Foto: Marcello Schiavon)

Jogo de risco ou de recuperação?

Jogo de risco ou de recuperação?

O Coritiba começa a dar sinais de cansaço no Brasileirão. Na hora de vencer os concorrentes diretos, nos famosos “jogos dos seis pontos”, o Coxa não vence. Foi assim contra o Vitória, em Salvador. Agora, o Verdão está em 9º, com 37 pontos, um a mais do que Goiás e Inter, dois adversários que ainda encararão o Cori no Alto da Glória.

Agora, é enfrentar o Fluminense, neste sábado, no Maracanã. A torcida estará lá e fará a sua parte — a Império Alviverde organiza uma excursão ao Rio. Mas resta que o time faça a parte dele. Contra o Flu, o Coxa enfrentará um adversário desesperado, que precisa vencer e vencer a qualquer custo, e por isso pode ficar vulnerável na defesa. Ou seja, vamos aproveitar para pontuar no Rio.

O Coritiba enfrenta agora um jogo que é 8 ou 80: ou de risco ou de recuperação. Depois, é o AtleTiba. E no clássico, sem desculpas: é vencer ou vencer.

Coritiba, a torcida que nunca abandona.

(Foto: www.sxc.hu)

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Cuidado...

Na 'briga' de declarações entre Carlinhos Paraíba e Dorival Jr., um clima de 'pisando em ovos' começa a pairar no Alto da Glória.

Lógico que pelos temperamentos tão distintos entre os dois, a posição rigorosa de DJ parece prevalecer. Pelo menos, fora de campo prevalece.

O problema é o reflexo - velado ou não - que isto acarretará no futuro, dentro de campo.

Dorival está pegando uma briga inglória. Não entrarei no mérito se o jogador diz ou não diz, se o treinador diz ou não diz. Ficarei no mérito de quem ganha com isto? Ninguém, mas quem mais perde é o Clube.

Pra mim, uma certeza: entre perder Paraíba e Dorival, o Coxa perde mais sem Paraíba. Cuidado, DJ, o clássico está chegando. Se perder a mão agora e isto repercutir no desempenho do time no clássico, a torcida exigirá a cabeça de alguém. Como Paraíba já começa a se tornar ídolo, num elenco tão pobre de opções, sobraria para o treinador.

(Foto: Steve Woods)

Fotos: a torcida não abandonou



A fiel torcida do Coritiba esteve com o Clube no jogo em Salvador. De Curitiba, seguiram rumo a Salvador integrantes da Império Alviverde. Na capital da Bahia, a Império foi recepcionada pelos integrantes da Terror Tricolor, organizada do Bahia que acompanhou o jogo no Barradão.

De Salvador e cidades próximas, outro grupo de coritibanos foram apoiar o Verdão contra o Vitória. Entre eles, a família Kobus e amigos. Rodolfo e Cezar Kobus (pai e filho), Sara Sobral (namorada de Rodolfo) e do Valdirley Lima, um Coxa que conheceu a galera alviverde na Bahia através do site COXAnautas.

Em breve, a cidade baiana de Santo Antonio de Jesus terá um consulado Coxa, pois uma célula de torcedores coritibanos já está se organizando no local.