quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Oportunidade de ouro

Logo mais, às 19h30, no Rio de Janeiro, o Coritiba tem uma oportunidade de ouro para vencer fora de casa e manter vivo o sonho de muita gente: o G4 do Brasileirão. Quando digo muita gente me refiro à torcida.

Acredito que o Coxa não está preparado para assumir uma posição no G4. Falta time, o que é solucionável com contratações de bons jogadores, algo que está sendo verificado pelo Clube, segundo informou o diretor de futebol Homero Halila ainda no último domingo, em Santos, após a vitória sobre o time local.

Naquele mesmo domingo, durante a coletiva à imprensa, Dorival Jr. foi perguntado se o Coxa já estava com um time em condições de buscar o G4. Dorival acertadamente descartou esta posição. O Cori ainda não tem esta condição.

Acredito que Dorival esteja certo, pois a limitação do elenco é evidente nas suas oscilações dentro da competição. Outros times têm oscilado, quase todos é verdade. Mas ao Coritiba falta corpo que precisa ser ganho com reforços e com jogo (só reforçar não basta, os reforços precisam provar em campo sua qualidade e a cada jogo, ganhando consistência tática e desempenho competitivo).

O campeonato deste ano, é, disparado, o mais fraco tecnicamente desde o surgimento do Brasileirão em turno e returno, pontos corridos.

Só que até dia 31 de agosto, com a possibilidade de idas e vindas de jogadores - a tal janela para transferências internacionais só se fecha no dia 31 - mudanças ocorrerão na formação dos elencos. Depois deste prazo, com os times jogando reforçados (ou não), é que o panorama de quem realmente tem condição de brigar por uma vaga no G4 ou por brigar pra não cair na ZR ficará mais claro.

Sou por uma avaliação mais ortodoxa: vindo de uma Série B, o Verdão precisa ter equilíbrio emocional na gestão do seu futebol. Uma coisa é o que os dirigentes prometem e torcedores querem (time forte), a outra a realidade a la Nelson Rodrigues: "A vida como a vida é" e o Coritiba é um time que está em formação na Série A e precisa tomar todos os cuidados possíveis e imagináveis no primeiro ano do seu retorno, que costuma ser um ano difícil para os reestreantes em Série A.

Entre os cuidados, ser um time que joga pelo resultado. Não precisa jogar bonito, ter o domínio. Precisa vencer. Que seja assim contra o Vasco, combalido pela derrota de 4x0 para o São Paulo, uma ducha de água fria depois da ótima goleada em São Januário, sobre o Galo Mineiro.

Depois da goleada sobre o Galo, o Vasco criou a expectativa de que poderia deixar a má fase pra trás. Deu um azar danado de encarar o tricolor paulista e levar uma goleada. Em uma semana, o time carioca foi dos céus ao inferno como num piscar de olhos. Bom para o Coritiba. E, pra melhorar ainda mais, o time carioca perdeu alguns titulares para o jogo de logo mais - Allan Delon, atacante, bom nome, fica de fora - e ainda teve uma briga criada por seu mais famoso jogador, o polêmico Edmundo, que criou atrito no elenco ao criticar publicamente outro companheiro de time.

Num clima de necessidade absoluta de vencer, o Vasco terá ao seu favor apenas o fato de jogar em casa, num estádio onde a 'fumaça' - agitação e pressão nos bastidores - é grande.

Em uma semana, o Coritiba deu sorte grande e encara o Vasco como favorito. Pode ser uma oportunidade de ouro para o Verdão brilhar fora de casa e conquistar mais três preciosos pontos.

2 comentários:

Anônimo disse...

Logo mais, às 20h30, no Rio de Janeiro????

não seria

Logo mais, às 19h30, no Rio de Janeiro?????

abrsss

Luiz Carlos Betenheuser Jr disse...

corrigido, obrigado!