quarta-feira, 9 de julho de 2008

Vitória merecida, num jogo de um só tempo


O Coritiba venceu bem a Portuguesa na noite desta quarta-feira, no Alto da Glória. Com gols de Keirrison, Rubens Cardoso e Hugo (2) - artilheiro do Cori na competição com 6 gols -, o Coxa voltou a fazer a fiel torcida sorrir, depois de jogar no 4-4-2 num bom segundo tempo.

É verdade que o Coxa soube bem aproveitar o fato da Lusa perder um jogador boa parte do segundo tempo, já que o bom atacante Diogo foi expulso por dar uma cotovelada em K9 -, mas é verdade que isto não interessa para o cômputo geral na tabela: o que conta são os três pontos e o importante fato do Cori ter feito quatro gols. É verdade, a expulsão ajudou, mas não foi determinante para a vitória alviverde. O mérito é de Dorival, que corrigiu o posicionamento e a estratégia tática e à vontade dos jogadores, que buscaram a vitória.

Dorival Jr. entrou com o time errado, no frágil 3-5-2. No tempo inicial, o Verdão teve uma ótima chance com Keirrison, cabeceando bem, com a bola batendo no gramado e obrigando o goleiro da Lusa a fazer uma ótima defesa.

Como Tiago Bernardi levou um cartão amarelo e o tempo inicial o jogo terminou empatado sem gols, DJ fez o óbvio: tirou o zagueiro e colocou o meia-ofensivo Michael.

A mexida deu certo, o Coxa jogou com mais velocidade e melhor distribuído em campo, com dois meias, dois atacantes e dois volantes, um deles, Rubens Cardoso, jogando mais avançado. Na zaga, Rodrigo Mancha foi bem e ajudou ao jovem Felipe a ser um dos destaques defensivos do Cori. Felipe foi bem na antecipação e no jogo aéreo e não deu espaço ao principal atacante do time paulista: Diogo.

Guaru pela primeira vez iniciou uma partida como titular e mostrou vontade em fazer jogadas ofensivas - mais do que o lateral-direito Tamandaré.

Tanto Hugo, como Keirrison, tiveram grande evolução no desempenho com a entrada de Michael ao lado de Marlos. O time teve mais velocidade no toque de bola e - enfim! - as triangulações ofensivas apareceram no time de Dorival Jr. Depois de muito tempo - da partida contra o Palmeiras -, o Coritiba voltou a jogar ofensivamente perante sua torcida.

Foram 48 minutos de total domínio alviverde, numa boa arbitragem de Leonardo Gaciba da Silva.

Dorival aproveitou para colocar o estreante João Henrique, que mostrou alguma qualidade, buscando o jogo e jogando ofensivamente. Pecou no excesso de preciosismo - a tentativa de dar mais uma finta ou fazer jogadas de efeito -, mas, para uma primeira impressão, mostrou utilidade neste fraco elenco coritibano.

No simples, no 4-4-2, com uma zaga mais alta, um volante na contenção (Leandro Donizete) e um mais avançado - Rubens Cardoso iniciou mais pela esquerda, na primeira etapa, mais no meio-campo, no tempo final, teve melhor desempenho - e com os avanços dos laterais e a aproximação de dois - note, dois - meias, o Coritiba jogou com jeito de Coritiba.

Vitória merecida do Coritiba. Mas mesmo assim, o elenco precisa de reforços. Isto é, se quiser chegar na Libertadores 2009. A pressão por resultados positivos continua e assim, o Coxa cresce na tabela.

Nenhum comentário: