sábado, 12 de julho de 2008

Um onze com jeito de três ou quatro

No futebol profissional, a visão romântica do torcedor de que "O Coritiba tem um bom onze" não basta. Não existe média ponderada para recuperar os pontos perdidos pelos erros de arbitragem, contusões, suspensões ou transferências ou seja lá o que for. O fato é que o que vale é o ponto somado.

O argumento que "SE o time jogasse completo seria diferente" não basta. Um time profissional tem que ter elenco para disputar um Brasileirão. Se os reservas entram no time - independente do motivo - e o time cai de rendimento, a constatação é simples: o elenco está aquém do esperado.

O Cori perdeu chances de gols, o Goiás perdeu chances de gols, o árbitro errou ao não assinalar um pênalti para cada time, ambos os goleiros fizeram boas defesas - mais o goleiro deles, é verdade, mas é esta a função dele -, o Coxa saiu na frente, levou a virada em dois lances de erro de posicionamento defensivo e o empate surgiu nos minutos finais - felizmente! - graças ao zagueiro Tiago Bernardi, num lance pouco corriqueiro, que acertou um bom chute e empatou a partida.

O empate em Goiânia - dois a dois com o Goiás, que luta para sair da Zona de Rebaixamento - é mais um jogo para se lamentar no final da competição. Novamente, o Cori perde pontos para um time que não aspira a Libertadores. Digo, não aspira a Libertadores com o atual elenco que tem, claro. Já havia sido assim ao perder pontos para Figueirense e para o A. Paranaense - tá, tudo bem, é clássico, jogamos fora, mas o time deles também está cambaleante na competição, apesar de estar vendo isto e se reforçando.

Se o argumento - que, pra mim, é de pouca valia, pois mérito não conta pra somar pontos e sim, a prática do jogo - de que o Coxa poderia ter tido melhor sorte contra São Paulo e Cruzeiro, dois times que lutam pela ponta da tabela, ao perder pontos para times que dificilmente estarão lutando pelo título, o Verdão mostra toda a fragilidade na composição do elenco. Se tivesse um time competitivo, dificilmente perderia os sete pontos que perdeu nestes três jogos contra Figueirense, A. Paranaense e Goiás.

É natural que o torcedor se posicione mais pelo lado emocional - a instituição Coritiba não tem defeitos, quem tem defeitos é o time do Coritiba -, esperando pelo fim da fase do "Quase". Mas na realidade do futebol profissional, a emoção não basta. Ela faz a alegria nas arquibancadas, mas não se transforma em vitórias de um esporte cada vez mais competitivo e científico.

O atual time do Coritiba não tem onze jogadores com características de formar um time de ponta, capaz de conquistar uma vaga na Libertadores 2009. Tem três ou quatro. E olhe lá!

2 comentários:

Tony disse...

Luiz, nao fosse o tal do SE, estariamos realmente brigando na ponta de cima da tabela.
Com certeza um elenco mais forte atenuaria o efeito SE!
No jogo de ontem ficou mais uma vez nitido que algumas pecas do elenco nao tem a menor condicao de vestir nem a camisa reserva do Coritiba!
Bernardi apesar do gol, assisti todo o jogo e vi o quanto jogou antes de fazer o gol, por favor! Pensem...

Anônimo disse...

E nessa vão se indo os pontos....
Figueira 2 x 1 Coxa
Nossa zaga viu tudo menos a bola = 3 pontos
Botafogo 2 x 1 Coritiba
Penalti infantil do 7 facas = 1 ponto
Coxa x Vitoria
Hugo bizonhamente perde o penalti = 2 pontos
S.Paulo x Coxa
Apito amigo meteu a mão = 2 pontos
Coxa x Cruzeiro
De novo apito amigo = 2 Pontos
Porcaticos x Coxa
Outro penalti infantil do 7 facas = 2 pontos
Inter 3 x 0
Sem comentarios
Goias 2 x 2 Coxa
Zaga de varzea
O gol perdido do planeta = 2 pontos

Total = 14 pontos

Isso comentando somente os FATOS mais nada !!!
Depois não adianta chorar !!!

Albano