terça-feira, 29 de julho de 2008

Reforços? A torcida paga!



O nível do campeonato está baixíssimo. Esta é uma oportunidade de ouro para o Coritiba alcançar degraus maiores, abandonando de vez pensar em Sulamericana, e concretizando novamente a ida à Libertadores, inclusive pensando seriamente em ser campeão.



Edson é uma muralha no gol, e se não é reconhecido nacionalmente, daqui não permitiremos que saia. Jamais! É nosso ídolo absoluto! E Vanderlei já mostrou que é um substituto à altura.



Nossas laterais/alas são um problema, mas as laterais e alas, em geral, são por si só um problema. Aponto somente o Flamengo como clube com laterais/alas realmente capazes de fazer a diferença. Os nossos não fazem. Contudo, caso se comprometam e foquem na bola, como temos visto o Ricardo fazendo, está de tamanho razoável.



Precisamos de um ou dois zagueiros. Urgente! A posição está carente e não pode depender somente dos três que hoje estão no elenco, pois Bernardi já sinalizou que não vai bem ali. Interessante seria a contratação de um jogador consagrado e ascender ao profissional, o júnior Leandro Silva, recém convocado para a seleção sub-19.



Na meia defensiva Leandro Donizete e Rodrigo Mancha têm dado conta do recado. Douglas Silva, recuperando-se tem crédito com a torcida, e já provou que ali é a dele. Bernardi, Veiga e Alê são capazes de suprir eventuais baixas. Ainda, flutuando pelo setor, tem o Rubens Cardoso e Guaru, que parece ter bola e disposição para ali se firmar.



A meia ofensiva tem como referência a unanimidade Carlinhos Paraíba que, tenho certeza, muito em breve vai ser o jogador mais lembrado e ovacionado pela torcida, desde Cléber em 1997/1999. Escreverá definitivamente seu nome no panteão dos grandes craques que já desfilaram com a alviverde.



Só que ele não joga sozinho, e não jogará todos os jogos. Portanto, é urgente a reposição da lacuna deixada pelo Michael e pelo Pedro Ken, já que não podemos contar com Renatinho - por motivos desconhecidos - e com Marlos - por motivos conhecidos. João Henrique precisa mostrar muito ainda para ser o jogador que a torcida espera.



No ataque, Hugo pelo visto leu o livro do René Simões, e está aprendendo a se comportar dentro de campo, sendo solidário com os companheiros e fazendo alguns gols. K9 é K9, em qualquer circunstância. HDi é nosso iluminado, e Ariel que está quase pronto para estrear, representa a raça castelhana no time.


Contudo, os quatro precisam de um companheiro, no estilo do que o Luiz Mario foi para o Tuta, no começo de 2004. Um cara experiente, que mostre raça dentro do campo, brigando o tempo todo pela bola, e ainda servindo o Hugo, o K9 ou o Ariel.



Aponto quatro reforços. Somente quatro: dois zagueiros, um meia referência e um atacante. O time tem chance de chegar. Reforçado, o clube tem chance de ser campeão.



Não podemos esquecer que mesmo tendo jogado partidas bisonhas contra Atlético/MG e Internacional, fomos prejudicados pela arbitragem contra São Paulo e Cruzeiro, e deixando de levar 3 pontos em um pênalti perdido contra o Vitória.



É hora de pensar grande, arriscar e de não deixar esta oportunidade passar. Dinheiro? Não estamos mais na época do Chinês, mas tenho certeza que a torcida paga, despejando no mínimo R$ 500 mil por jogo nos cofres do clube, como fez na segunda divisão, e aderindo em massa ao plano de sócios.





Fernando Todeschini



xxx



O espaço do blog 'A torcida que nunca abandona' está disponível para os torcedores opinarem, como fez o Coxa-Branca Fernando Todeschini.



Quer participar com sua opinião? Mande seu texto para luiz@coritiba.com

9 comentários:

Anônimo disse...

Fernando
Cocordo com tudo !!
Só uma duvida sobre as ade´~soes em massa sobre o plano de socios,até pouco tempo era 16.000 será que já passamos dos 20.000 então?

Albano

Fernando Todeschini disse...

Albano,

Até onde sei ainda não chegamos a 20000.

Douglas disse...

Fernando, parabéns pelo texto..
Essa é a idéia que eu tenho deste campeonato, está muito nivelado, e é uma oportunidade única para se reforçar e chegar a uma libertadores, os times da frente vão perder jogadores importantes e têm times irregulares.
Só não acho q a torcida paga, ela enche estádio mas não se associou como esperado e só renda não basta para contratações.

Valew
douglas.sano@gmail.com

Anônimo disse...

Mas se a Diretoria fosse um pouquinho mais humilde e menos vaidosa, poderia sim pedir para a torcida contribuir, e ela com certeza daria o seu recado!

Agora, se quisesse fazer isto, eles teriam que abrir a "Caixa preta" do Verdão, e é aí que mora o perigo!

Sei lá, a torcida já construiu o Belfort Duarte (Couto Pereira) com recursos próprios, pq não poderia ajudar a contratar ótimos jogadores?

Inclusive, a torcida vendo que a diretoria estivesse se esforçando, com certeza também se associaria em massa, creio eu!

Um abralho!

Diego SJP

Anônimo disse...

Douglas
Quando a diretoria PROMETEU a LIBERADORES contava mais uma vez com a torcida se assiciar ou não pensou nessa parte?

Albano

Fernando Todeschini disse...

Mas repare que é um círculo vicioso, Douglas.

Contratar para ganhar títulos.
Ganhar títulos para angariar dinheiro.
Angariar dinheiro para contratar, etc.

Só tem que se estabelecer um plano, para ver de qual ponto se vai partir: contratação, ganhar títulos, angariar dinheiro.

Na minha humilde opinião penso que temos que partir das contratações.

Eu sei que nada no futebol é fácil, lida-se com uma série interminável de fatores. Mas é providencial que se pense grande.

Luiz Carlos Betenheuser Jr disse...

gosto deste raciocínio do tipo "OROGORO", a cobra comendo o próprio rabo, que para algumas culturas significa a eternidade.

Este ciclo só tem a trazer benefícios: bons times, muitos títulos, grande torcida.

Pra ter bom time, tem que investir. Se investir correto, o lucro líquido é garantido, pois a torcida nunca abandona.

Fernando Todeschini disse...

Isso sem contar com aqueles fatores que discutimos no meu texto da semana passada, Luiz.

Não é só A que Nunca Abandona que vai depositar dinheiro no clube.

Patrocinadores vêm mais fácil, atletas querem vir para a base, atletas formados são vendidos por mais dinheiro, para clubes maiores do exterior e etc.

É só ver o caso do Grêmio, que tem apoio maciço da imprensa de lá, e vendeu o - então já "fenomenal" -Anderson pro Porto em 2005, quando saiu da segundona. Hoje ele tá no Manchester.

Já em 2006, com a vaga na Libertadores, o nível da venda aumentou, mandando o Lucas direto pro Liverpool.

Em resumo, uma coisa leva a outra e não tem como escapar disso.

Luiz Carlos Betenheuser Jr disse...

exatamente. Na prática, isto se chama profissionalismo. A busca constante de resultados melhores e melhores e melhores.

O Coritiba vive de uma tese de profissionalismo. E uma tese muito acadêmica.

É uma cultura amadora, de 'firma' familiar, com seus feudos e fisiologismo. Não é 'mérito' desta gestão, é coisa antiga sim. Mas a atual gestão prometeu reformular conceitos.

Se está fazendo, eu não percebi. Mas os resultados estão muito aquém. E quando falo em resultados, falo sobre os objetivos de profissionalizar o Clube. Não estou falando em resultados oriundos desta profissionalização.