sexta-feira, 25 de julho de 2008

Profissionais no comando


Outrom ponto interessante de ser analisado na gestão do Coritiba, é a profissionalização do Clube. É, ao meu ver, um problema (e dos grandes), um problema antigo, que não surgiu neste gestão. Foi herdado por ela, que optou por manter o estado das coisas.

Alega-se que os dirigentes são torcedores que abrem mão do seu tempo de afazeres pessoais, profissionais e familiares por amor ao Verdão e do Clube não cobram um centavo. Verdade. Mas isto não quer dizer que isto esteja certo.

Se necessário for, que se profissionalizem os dirigentes coritibanos. Assim, poderemos ser justos: eles recebem para trabalhar pelo Coxa e poderão ser avaliados pelos resultados, sejam bons ou maus resultados. Sendo maus, poderão ser responsabilizados.

A gestão de Jair Cirino e Tico Fontoura se baseou, em suas promessas de campanha, no profissionalismo do Clube, o qual seria adotado durante sua gestão. Se necessário for, mude-se o paradigma, se altere o estatuto e remunere os dirigentes.

O que não podemos é ficar na mesma repetição de discursos - que vinham na gestão de Giovani Gionédis e muito antes deles - de que os dirigentes são abnegados amadores que colaboram com o Clube. Isto só não basta para ter um Clube de sucesso no futebol nacional.

Abnegados amadores também estão nas arquibancadas. Mas de lá não se conduz um clube de futebol, que é uma empresa. E como toda empresa, precisa ter sucesso no mercado.


(Foto: Martin Boulanger)

Um comentário:

wilsonrenat disse...

Luiz, parabéns por mais espaço para a a torcida q ñ abandona nunca trocar idéias. Mas começamos mal com a profissionalização, Jameli tá ai p/ provar.