quinta-feira, 31 de julho de 2008

Faltou time: Coxa perde em casa

Não se pode dizer que o time do Coritiba não foi guerreiro, valente, raçudo. Ele foi; não se pode dizer que o time do Coxa não tentou vencer o Grêmio. Ele tentou. Mas nem todo o esforço compensou a falta de qualidade do time coritibano perante um adversário forte na marcação e tarimbado para segurar o jogo.

O jogo foi basicamente defesa contra ataque. Foi mais força do que jeito. E num lance de bola parada, na única falhe de Felipe no jogo - que fez cera e teve que ser atendido fora de campo, ficando de fora no lance que originou o gol do time gaúcho -, Tcheco cobrou com primor a falta e Marcel cabeceou livre para fazer o gol da vitória.

Jogando ambos os times com três zagueiros, no primeiro tempo de raríssimas oportunidades de gol, o time visitante teve mais poderia ofensivo, especialmente com o lateral-esquerdo, que avançava bastante. O Cori até que tentou, mas faltava qualidade aos cruzamentos, todos interceptados pela alta zaga gremista.

Com a derrota parcial, Dorival esperou muito para mexer no time, fazendo primeiramente uma substituição padrão - um lateral por outro -, trocando Ricardinho por Guaru, o que manteve o nível do time no setor esquerdo: regular.

Alguns minutos depois, foi a vez do treinador mexer no formato tático do time coritibano: Henrique Dias e Marlos entram no jogo, para a saída de Hugo e do zagueiro Nenê, fazendo o Verdão jogar no 4-4-2.

Numa noite onde as duas estrelas do time, Keirrison e Carlinhos Paraíba pouco brilharam, o Verdão ficou dependente de um vacilo do adversário, o qual só ocorreu aos 48, quando K9 ficou livre na área e bateu no alto, no canto esquerdo da meta gremista, tirando muito a bola do goleiro e perdendo a chance de empatar.

Num jogo contra um time bem estruturado coletivamente - apesar de limitado individualmente - e que joga um futebol simples, mas muito competitivo, ficou provado que apesar de toda a força da galera Coxa, só no grito não basta: é preciso ter time também.

Ao final, o time deixou o campo sem saudar a torcida, que cantou o jogo todo. Mal sinal, para quem pretende ter uma sintonia entre time e torcida.

Agora, o time Verde e Branco do Alto da Glória terá duas paradas bem indigestas para quem quer se manter no G8: jogando fora de casa, enfrentará o Santos e depois o Vasco da Gama. No jogo deste fim de semana, o Coxa perde seu principal zagueiro no momento, o canhoto Felipe, suspenso pelo terceiro amarelo.

Paz entre as torcidas de Coxa e Grêmio

O torcedor coritibano Eduardo Henrique Fasolin registrou em fotos alguns momentos do encontro entre torcedores coritibanos e gremistas, ocorrido durante a tarde desta quinta-feira, no Couto Pereira.

Integrantes da torcida do Grêmio, que logo mais enfrenta o Coritiba, no Alto da Glória, foram recebidos pelos integrantes da Império Alviverde, na sede da torcida, onde os torcedores de ambos os times participarão de um churrasco de confraternização. Depois, os torcedores também acompanharão o show da banda Destiny (Nazareth cover).

A imagem da confraternização e tolerância entre torcidas de times de futebol é um bom exemplo da paz no futebol brasileiro.

Contrato de Tiago Real próximo do fim

O jovem meio-campista Tiago Real, formado nas categorias de base do Coxa, e que chegou a ser chamado por Dorival Jr., em 20 de fevereiro deste ano, para compor o elenco profissional - junto com o volante William e o meia Ruy - está com seu contrato com o Clube próximo do encerramento.

Segundo as informações prestadas no site da CBF, o registro do contrato do jogador no BID-E vai até o dia 31 de agosto.

Tiago Real foi avaliado algumas vezes como sendo um atleta de potencial para o Coritiba.

(Foto: Steve Woods)

No BID, contrato de Bastos vai até dezembro

O contrato do goleiro Édson Bastos com o Coritiba está registrado até o dia 31 de dezembro deste ano. A informação está divulgada no site da CBF e consta no BID-E.

Recentemente, após a transferência do meia-atacante Michael ao futebol do Japão, os dirigentes do Coritiba confirmaram a renegociação contratual com Bastos, pela qual o Verdão teria maior segurança em manter seu goleiro no elenco, ao colocar cláusulas que dificultassem sua liberação para outros clubes.

Pela informação que consta no BID-E, a renovação contratual manteve o prazo do vínculo original até o fim do ano.

(Foto: Steve Woods)

Maurício deixando o Cori?


O Coritiba pode estar perdendo mais um jogador do seu elenco. Contratado em 21 de janeiro deste ano, o zagueiro Maurício pode estar próximo de deixar o Alto da Glória, já que haveria uma cláusula liberatória em seu contrato que permitiria ao Iraty - clube que detém o vínculo do atleta - negociá-lo com o futebol do exterior.

Em matéria assinada pelo jornalista Lycio Vellozo Ribas, o assunto ganhou destaque:
O Coritiba corre o risco de perder o zagueiro Maurício para o resto do Brasileirão. O jogador está emprestado ao clube e tem os direitos econômicos presos ao Iraty — que recebeu propostas para negociá-lo como futebol do exterior. Ontem, o coordenador de futebol Paulo Jamelli não confirmou qualquer negociação, mas admitiu que alguns jogadores poderão sair.


(Foto: Rodolfo Clix)

Contundido, Ariel é dúvida


O atacante argentino Ariel, contratado pelo Coritiba junto ao Nueva Chicago, de Buenos Aires, pode não estrear neste fim de semana, no jogo contra o Santos, em São Paulo.

Segundo o jornalista Róbson De Lazzari, o jogador sofreu uma contusão no peito do pé esquerdo e está sendo avaliado pelos médicos do Cori. Ariel é dúvida para o jogo contra o Peixe, na Vila Belmiro.

Ariel é a maior contratação do Coxa para esta temporada - em termos de valores -, já que o Clube pagou US$ 1,3 milhões pelo centroavante. A expectativa pela estréia do gringo é bastante grande junto a fiel torcida coritibana. Deve ficar para a rodada da próxima semana, contra o Vasco, em São Januário, no Rio de Janeiro.

quarta-feira, 30 de julho de 2008

Cori contrata mais um atacante

O Coritiba anunciou nesta quarta-feira, 30, a contratação de mais um jogador. Trata-se do atacante Jaílson, que estava no Braga-POR.

O jogador estava na Europa desde 2007, quando se transferiu do Corinthians para o Rubim Kasan, da Rússia. Naquele ano, o jogador teve um excelente início de temporada atuando pelo Paulista, de Jundiaí, sendo artilheiro do Paulistão, acabou indo para o Parque São Jorge.

Hoje, pela manhã, o jogador passou por exames médicos nos quais foi aprovado e, segundo o site oficial do clube, deve ser apresentado ainda hoje.

Ficha técnica:
Nome: Jailson Alexandre Alves Santos
Posição: Atacante
Nascimento: 16/06/1981
Idade: 27 anos
Peso: 66 Kg
Altura: 1,76 m
Naturalidade: Caruaru (PE)

De terceiro reserva a titular


Quem paga a conta pela má gestão do futebol do Coritiba? Além da torcida, é claro...

Rodrigo Heffner é o titular da camisa 2 do Coxa. Ficou três meses sem sequer ir pro banco. Entre Marcos Tamandaré e Alex Silva, e até improvisos do volante Leandro Donizete, uma curiosa combinação de situações levou o Rodrigo à titularidade.

Pois bem, a pergunta é: quem cobra do Dorival e do Jamelli?

Ora, se o jogador era o melhor dos três, como é que fica três meses sem jogar? Quem acompanhava os treinos? Ninguém via que ele era o melhor lateral-direito do elenco (se é que é o melhor, deduzo isto pela continuidade dele no Clube, que renovou seu contrato até dezembro)?

Isto tudo me deixa em dúvida: afinal, quem cobra dos profissionais contratados para dar resultados ao Verdão?

E a dúvida surge: e se Heffner tivesse sido lateral titular antes, será que o Coxa não teria ganho mais algum pontinho no Brasileirão?

Pelo que vi, Rodrigo Heffner tem o melhor cruzamento dos laterais-direito do elenco (Dick, Tamandaré e Alex Silva), mas é limitado na defesa. É lutador, é valente, mas não é um lateral de alta performance. Se bem que eu só vejo os jogos, sou torcedor, não sou remunerado para avaliar diariamente o elenco coritibano.

Quem é remunerado que deve saber responder: Heffner é o melhor camisa 2 do elenco? Se é, porque só agora descobriram isto?

Coxa tem 17 mil sócios



Segundo matéria assinada pelo jornalista Rodrigo Sell, o Coritiba atingiu 17 mil sócios. "Até aqui (30 de junho de 2008), o Coritiba já soma cerca de 17 mil sócios e a expectativa é chegar aos 25 mil no final do ano. Se isso acontecer, a média na Série A deve aumentar como já deve acontecer com o público que deverá passar pelas catracas amanhã, no Couto Pereira", destaca a reportagem.

terça-feira, 29 de julho de 2008

Zagueiro do Cori na Seleção Sub-20


O técnico Rogério Lourenço, da Seleção Brasileira sub-20, convocou os 18 jogares que irão defender o Brasil em um torneio amistoso, em Valencia, na Espanha. Dentre eles, o zagueiro Leandro Silva, Coritiba.

Leandro, que é natural de Rio Branco do Sul-PR, e tem 19 anos, mostra que está muito confiante para defenter a seleção e sonha em ter uma chance na equipe principal do Coritiba: Estou muito feliz por mais essa convocação. Fico feliz em poder divulgar o meu nome e o do Coritiba. Espero voltar com o título e ajudar o Coxa no Brasileirão", diz.

Rodrigo Heffner é o preferido dos internautas


Em uma enquete realizada na comunidade oficial do Coritiba, no Orkut, foi perguntado sobre quem era o melhor lateral-direito do elenco. As alternativas eram: Alex Silva, Marcos Tamandaré e Rodrigo Heffner.

Em menos de dois dias, 416 torcedores participaram da enquete. Os números mostram que o preferido da torcida Alviverde é Rodrigo Heffner, que obteve 78% dos votos, ficando com 308 votos. Tamandaré ficou em segundo com 17%, 74 votos, e Alex Silva ficou em terceiro com 8%, somando 34 votos. Alguns torcedores também lembraram do lateral Dick, mas por não estar em condições de jogo não foi relacionado.

Para a partida desta quinta-feira, contra o Grêmio, no Couto Pereira, Heffner, o preferido dos internautas está garantido na equipe titular

Reforços? A torcida paga!



O nível do campeonato está baixíssimo. Esta é uma oportunidade de ouro para o Coritiba alcançar degraus maiores, abandonando de vez pensar em Sulamericana, e concretizando novamente a ida à Libertadores, inclusive pensando seriamente em ser campeão.



Edson é uma muralha no gol, e se não é reconhecido nacionalmente, daqui não permitiremos que saia. Jamais! É nosso ídolo absoluto! E Vanderlei já mostrou que é um substituto à altura.



Nossas laterais/alas são um problema, mas as laterais e alas, em geral, são por si só um problema. Aponto somente o Flamengo como clube com laterais/alas realmente capazes de fazer a diferença. Os nossos não fazem. Contudo, caso se comprometam e foquem na bola, como temos visto o Ricardo fazendo, está de tamanho razoável.



Precisamos de um ou dois zagueiros. Urgente! A posição está carente e não pode depender somente dos três que hoje estão no elenco, pois Bernardi já sinalizou que não vai bem ali. Interessante seria a contratação de um jogador consagrado e ascender ao profissional, o júnior Leandro Silva, recém convocado para a seleção sub-19.



Na meia defensiva Leandro Donizete e Rodrigo Mancha têm dado conta do recado. Douglas Silva, recuperando-se tem crédito com a torcida, e já provou que ali é a dele. Bernardi, Veiga e Alê são capazes de suprir eventuais baixas. Ainda, flutuando pelo setor, tem o Rubens Cardoso e Guaru, que parece ter bola e disposição para ali se firmar.



A meia ofensiva tem como referência a unanimidade Carlinhos Paraíba que, tenho certeza, muito em breve vai ser o jogador mais lembrado e ovacionado pela torcida, desde Cléber em 1997/1999. Escreverá definitivamente seu nome no panteão dos grandes craques que já desfilaram com a alviverde.



Só que ele não joga sozinho, e não jogará todos os jogos. Portanto, é urgente a reposição da lacuna deixada pelo Michael e pelo Pedro Ken, já que não podemos contar com Renatinho - por motivos desconhecidos - e com Marlos - por motivos conhecidos. João Henrique precisa mostrar muito ainda para ser o jogador que a torcida espera.



No ataque, Hugo pelo visto leu o livro do René Simões, e está aprendendo a se comportar dentro de campo, sendo solidário com os companheiros e fazendo alguns gols. K9 é K9, em qualquer circunstância. HDi é nosso iluminado, e Ariel que está quase pronto para estrear, representa a raça castelhana no time.


Contudo, os quatro precisam de um companheiro, no estilo do que o Luiz Mario foi para o Tuta, no começo de 2004. Um cara experiente, que mostre raça dentro do campo, brigando o tempo todo pela bola, e ainda servindo o Hugo, o K9 ou o Ariel.



Aponto quatro reforços. Somente quatro: dois zagueiros, um meia referência e um atacante. O time tem chance de chegar. Reforçado, o clube tem chance de ser campeão.



Não podemos esquecer que mesmo tendo jogado partidas bisonhas contra Atlético/MG e Internacional, fomos prejudicados pela arbitragem contra São Paulo e Cruzeiro, e deixando de levar 3 pontos em um pênalti perdido contra o Vitória.



É hora de pensar grande, arriscar e de não deixar esta oportunidade passar. Dinheiro? Não estamos mais na época do Chinês, mas tenho certeza que a torcida paga, despejando no mínimo R$ 500 mil por jogo nos cofres do clube, como fez na segunda divisão, e aderindo em massa ao plano de sócios.





Fernando Todeschini



xxx



O espaço do blog 'A torcida que nunca abandona' está disponível para os torcedores opinarem, como fez o Coxa-Branca Fernando Todeschini.



Quer participar com sua opinião? Mande seu texto para luiz@coritiba.com

Vandalismo: a busca de soluções

A torcida Império Alviverde protocolou no dia 02 de junho, junto ao Ministério Público do Paraná, um termo com várias sugestões para combater a violência.


Um dos motivos que levou a diretoria da torcida a agir desta maneira era a limitação da atuação dela.


Com um trabalho de orientação perante seus associados, que envolveu reuniões rotineiras desde 2001, a diretoria da torcida conseguiu reduzir em cerca de dez vezes o número de ações de vandalismo contra ônibus do sistema coletivo de transporte num intervalo de seis anos (de 182 para 16).

No biênio 2006/2007, os números mostravam uma grande redução nas ocorrências, que aumentaram neste ano de 2008 especialmente na decisão do Paranaense, no jogo realizado na Baixada, onde houve enfrentamento entre policiais e torcedores do time da Baixada, insatisfeitos com a vitória do Coritiba. Neste jogo, os números de danos elevaram as estatísticas, que mostravam o controle que estava sendo feito pelas lideranças das organizadas.


"As diretorias das torcidas organizadas têm um limite de atuação. A conscientização e a punição administrativa - expulsões das torcidas - ocorrerem e com o trabalho feito em conjunto com as autoridades, mas chega um momento em que não está sendo tratado com torcedores e sim, com vândalos", explica Luiz Fernando Corrêa, o Papagaio, presidente da Torcida Império Alviverde.


Para o líder da torcida, o vandalismo precisa de outro tipo de atuação - a das autoridades - para ser coibido. E este foi o motivo de apresentar uma série de sugestões ao Ministério Púbico do Paraná. "Para melhorar o trabalho preventivo, é necessário ter uma atuação rigorosa em quem está danificando o patrimônio. E isto cabe às autoridades. Por isto, no dia 02 do mês passado, apresentei uma proposta ao Ministério Público. Nela, inclusive de penas alternativas para quem for pego danificando o patrimônio. Este tipo de pessoa não é torcedor, é vândalo, precisa ser punido", explica Fernando Papagaio.


Confira a correspondência encaminhada pela Império ao Poder Público:




Curitiba, 02 de Junho de 2008.

Ministério Público do Paraná.

A/C Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor.



Visando diminuir a incidência de violência, bem como a venda e o uso de drogas em jogos de futebol venho até Vsa. Sra. sugerir que:


1º Mudanças na Lei:

O torcedor que for detido por, brigas, vandalismo, uso de drogas, etc seja proibido de assistir

aos jogos de seu time, além de pagar penas alternativas como, doação de cesta básica ou prestação

de serviços comunitários, tais como, lavar ônibus nos dias de jogos de seu time, pintar muros de

colégios ou hospitais, etc.

















A proibição de assistir aos jogos de futebol teria uma pena mínima de 3 meses de suspensão,

dobrando está pena em caso de reincidência.


O torcedor seria obrigado a comparecer a uma Delegacia de Policia previamente determinada em todos os jogos do seu Clube, independentemente de onde seu time jogar, deve comparecer a Delegacia de Policia 2 hs antes do jogo e sair do local 2 hs após o término da partida, será fornecido ao infrator um livro sobre constituição e cidadania para que o apenado possa adquirir um pouco de cultura neste período.



2º Ações Preventivas:


Batidas freqüentes nos Estádios, bem como em seus arredores, inclusive em carros particulares, procurando desta maneira inibir a ação de marginais que freqüentam os jogos de futebol.


Acompanhamento das atividades dos torcedores em dias de jogos por Policiais do serviço reservado, levantando dados sobre venda e consumo de drogas, bem como prevenir ações de torcedores violentos.



3º Obrigatoriedade de informações sobre deslocamento de torcedores:


Que em nossa Cidade seja obrigatório a solicitação do envio de dados a Policia Militar através de oficio, quando se tratando de uma caravana que venha para Curitiba, para qualquer jogo contra times de nossa Capital, a exemplo de como é feito na Cidade de São Paulo.


Neste oficio deverá constar, horário de saída, horário aproximado de chegada em nossa Cidade, quantidade de pessoas e o telefone do responsável pela caravana, desta maneira o setor operacional da PM poderá traçar planos mais eficazes, tanto na busca de materiais ilícitos, bem como na segurança destes torcedores.
















Criação de um Comando Policial para Jogos de Futebol:


Como a um grande remanejamento no Comando da PM, temos muitas dificuldades no quesito entrosamento, pois estamos sempre começando do zero nossas ações, não há uma política especifica para os jogos de futebol e suas peculiaridades.


Se faz necessário um ponto de referência dentro do Poder Público, no que se refere a área de segurança, para que possamos desenvolver nosso trabalho preventivo de forma segura, organizada e continua.


Informamos ainda que a T. O. Império Alviverde desde o jogo contra o São Paulo está repassando dados a PM, no caso de jogos fora de Curitiba, estaremos mandando um oficio através de fax dando dados de nossa caravana.


Em todos os nossos jogos em Curitiba estaremos repassando para o CPC (NE: Comando do Policiamento da Capital) dados a respeito das Torcidas Visitantes, classificando o grau de risco de cada partida, que pode ser:


Partida de Risco Zero:

Jogos realizados com equipes cuja torcida tem bom relacionamento com a torcida do Coritiba.


Partida de Risco Moderado:

Jogos realizados com equipes cuja torcida não tem bom relacionamento com a torcida do Coritiba, só que estarão em um pequeno grupo de torcedores.


Partida de Alto risco:

Jogos realizados com equipes cuja torcida não tem um bom relacionamento com a torcida do Coritiba, só que estarão com um número grande de torcedores.



Desejo com este documento contribuir para que haja um convívio pacifico e saudável entre as torcidas, tudo o que foi possível fazer neste sentido foi feito, agora se faz necessário que o Poder Público de sua contribuição, para que possamos juntos chegar a um bom termo entre todas as partes, sei que a amizade entre torcedores de muitos times é utopia, mas acho que em prevalecendo o bom senso podemos chegar a um denominador comum.



Atenciosamente


Luiz Fernando Corrêa

Presidente T. O. Império Alviverde

segunda-feira, 28 de julho de 2008

É na base do grito e da raça!

Dia 31 tem Coritiba x Grêmio, o atual líder do Brasileirão. É jogo pra quebrar o recorde de público no ano, recorde este que pertence à torcida do Coxa, claro (33.429 pagantes no AtleTiba do dia 27 de abril - só 2.500 deles no Alto da Glória).

Na base da superação - o time gaúcho não é líder por acaso e costuma dificultar muito para o Verdão - e na base do amor de um povo pelo seu time, o Coritiba pode vencer o líder. Difícil é, mas não é impossível. Se a torcida jogar junto, se o time lutar bravamente, o jogo fica equilibrado. E a vitória pode sorrir ao Alviverde se ele fizer por merecer, fizer muito, ser guerreiro e incansável, tanto quanto sua torcida é.

Já que a imprensa não dá o mesmo destaque para a torcida Coxa quanto dá para a torcida do time da Baixada, façamos nós torcedores Coxas-Brancas de coração a nossa parte. Vamos 'convocar' amigos e parentes, torcedores coritibanos, para o compromisso deste dia 31, às 20h30, no Couto Pereira. É dia de fazer o Couto tremer ao som de "Sai do chão, sai do chão, é a torcida do Verdão!".

Torcedor Coxa, em ti eu confio! Vamos fazer a nossa parte, coritibanos de coração, jogar junto o tempo todo.

Coritiba, a torcida que nunca abandona!

Sinal de casa cheia


Muitas filas de torcedores para comprar ingresso foram formadas nesta segunda-feira, nas bilheterias do Couto Pereira.

As vendas nos primeiros dias começaram cedo e a expectativa é de casa cheia na quinta-feira à noite, contra o Grêmio, com quebra de recorde de público este ano no estado do Paraná, que pertence ao clássico AtleTiba no Couto, pelo Paranaense, que teve 33.429 pagantes.

Leandro Silva na seleção

O zagueiro Leandro Silva, zagueiro do time de Juniores do Coritiba, que está treinando no elenco profissional, foi novamente convocado para a seleção brasileira sub-19. Ano passado ele já havia sido convocado e agora repetiu a dose.

A convocação serve para um Torneio Internacional em Valência e o jogador se apresenta na Granja no Rio no dia 12 de agosto.

O jogador Coxa falou sobre a convocação: "Estou muito feliz por mais essa convocação. Fico feliz em poder divulgar o meu nome de do Coritiba.Espero voltar com o título e ajudar o Coxa no Brasileiro", disse Leandro.


(Foto:
APK Sports)

O futebol em Curitiba e o vandalismo

O blog 'A torcida que nunca abandona' teve acesso às estatísticas da Urbs (empresa que gerencia o transporte coletivo na cidade de Curitiba) relacionadas ao vandalismo ocorrido contra veículos do transporte coletivo em dias de jogos de futebol na capital paranaense.

As estatísticas da Unidade de Fiscalização do Transporte Coletivo da Urbs compreendem os anos de 1997 (só os clássicos locais) até 2003 e de 2005 a 2008 (parcial). Foram computados jogos de diversas competições oficiais (regionais e nacionais) e jogos amistosos.

O recorde (negativo, diga-se de passagem) de depredação ocorreu em 17/04/2005, num AtleTiba realizado na Baixada, que teve 57 veículos danificados.

Os números mostram que historicamente os jogos ocorridos no Pinheirão foram os que mais tiveram ações danosas. Observa-se também que os super-clássicos AtleTibas (em qualquer estádio) trouxeram maiores incidências de danos ao transporte coletivo, assim como jogos onde ocorreram confrontos entre torcedores e a polícia militar (no Couto Pereira e na Baixada).

Historicamente, observa-se também uma redução nas ações violentas. Isto se deve, basicamente, ao processo de mobilização que as torcidas organizadas tiveram a partir de 1998 - com maior força a partir de 2001, quando a presidência da torcida Império Alviverde mudou de dono. A partir deste ano, os números de ações violentas começaram a reduzir.

O trabalho de conscientização dos torcedores, combinado com a atuação das autoridades (Polícia Militar, Ministério Público, Guarda Municipal, Secretaria de Defesa Social de Curitiba) trouxeram resultados positivos com o passar dos anos, com uma redução drástica que ocorreu no biênio 2006/2007.

Em 2008, as finais do Campeonato Paranaense elevaram os números outra vez. Envoltos num ambiente de acirrada rivalidade, ao final da competição, o clássico na Baixada mostrou o pior momento dos últimos três anos em Curitiba: foram 29 ônibus depredados (depois do jogo, com a derrota do time da Baixada, torcedores locais entraram em confronto com os policiais militares).

Com o passar do anos, fica evidenciado que a situação está longe do ideal (o marco zero de ações violentas), mas melhorou significativamente. Como base de análise, levarei em conta apenas jogos envolvendo o Coritiba (por algumas vezes, jogos em 'rodadas dupla', no qual os números de danos foram computados conjuntamente para dois jogos, um dos quais envolvendo o Coxa).

Se no início da década, em 2000, foram 182 ônibus danificados. Em 2006, dezesseis veículos. No ano seguinte, vinte.

Eis os números de ônibus danificados em dias de jogos do Coritiba, de 1997 (só clássicos) a 2008 (exceto 2004):

1997 = 82 ônibus danificados;
1998 = 161 ônibus danificados;
1999 = 147 ônibus danificados;
2000 = 182 ônibus danificados;
2001 = 108 ônibus danificados;
2002 = 42 ônibus danificados;
2003 = 67 ônibus danificados;
2005 = 107 ônibus danificados;
2006 = 16 ônibus danificados;
2007 = 20 ônibus danificados;
2008 = 80 ônibus danificados.


A visão de um torcedor

Consultado sobre o assunto, o presidente da maior torcida organizada do Verdão, a Império Alviverde, fala sobre o tema. "Lógico que os números não são ideais, pois ainda existem danos ocorrendo. Mas eles melhoraram muito a partir de 2001, quando assumi a direção da organizada. Os trabalhos vêm sendo feitos, a troca de informações com a polícia e com a Prefeitura tem permitido o trabalho preventivo", explica Luiz Fernando Corrêa, o Papagaio, presidente da Império.

Durante dois anos, 2006 e 2007, as estatísticas diminuíram sensivelmente. Ainda existem focos específicos de danos ao patrimônio e isto precisa ser verificado pelas autoridades. "As organizadas têm colaborado com as autoridades e os números comprovam que a violência diminuiu, mas é necessário ampliar o trabalho de fiscalização e de prevenção. Isto depende de uma ação que seja conjunta com as autoridades, com os governantes. É um trabalho de quase uma década, que trouxe avanços, mas que precisa ser ampliado".

Para o dirigente da organizada, é fundamental haver uma sintonia na informação entre os torcedores e as autoridades. "Trabalhos preventivos dão resultado. A imprensa divulgando orientações aos torcedores, como saídas das caravanas das organizadas e as rotas que elas vão fazer, ajudaram na prevenção do vandalismo. A polícia e a guarda municipal presente nos terminais e nos locais onde os grandes grupos de torcedores se encontram para saírem rumo aos jogos também trouxe resultados. É um trabalho que precisa ser contínuo. Além disto, as orientações das lideranças das torcidas organizadas para seus associados colaboraram com a redução dos números", conta o diretor da torcida.

"Ter o fim da depredação em veículos de transporte coletivo é a meta a ser alcançada. As estatísticas mostram que algo de bom foi feito. E mostram que algo além disto precisa continuar a ser feito. Organizadas e autoridades trabalhando lado a lado podem reduzir mais estes números já nos próximos anos. É possível", diz Fernando Papagaio.

Para o presidente da torcida, a identificação de jogos de risco maior ou menor colaboram com o trabalho das autoridades. "Existem jogos de grande rivalidade, e não são só os clássicos locais. Jogos com times do eixo Rio-São Paulo e Minas-Rio Grande também tem incidência de problemas envolvendo o vandalismo. Por isto, acredito que seja necessário criar novos mecanismos de controle e de troca de informações sobre a movimentação de torcedores, suas características. Isto favorece ao trabalho estratégico da PM e da Guarda Municipal, que podem atuar de forma preventiva em pontos da cidade onde podem ocorrer distúrbios, evitando-os", ressalta Luiz Fernando, o Papagaio.

"Acredito que as torcidas organizadas procuram mostrar boa vontade junto às determinações das autoridades. Aos poucos, as melhorias deste comportamento vão aparecendo, mas ainda tem muita coisa pra ser feita", finaliza Papagaio.

(Foto: URBS)

domingo, 27 de julho de 2008

Time e torcida, lado a lado


Números à parte, o jogo contra o Grêmio será muito mais difícil do que a tabela aparente. Historicamente, um adversário que sabe jogar no Alto da Glória. O atual time tricolor é tecnicamente e coletiva melhor preparado do que o time Coxa.

Mas lá no campo, na hora do jogo, o equilíbrio pode acontecer quando o torcedor joga junto. O time se multiplica em campo e aí, é quem quer mais vencer a partida.

O time gaúcho será um adversário muito, muito difícil de ser batido. Historicamente é assim e neste dia 31 não será diferente. É difícil, mas não é impossível vencê-los.

O Coritiba irá jogar com o seu fiel torcedor, lado a lado, na cola do líder, querendo a vitória. Será mais na base da raça do que da técnica. Será um jogo pra jogar como Coritiba Foot Ball Club, com valentia, time guerreiro, torcida incansável.

É jogo para recorde de público este ano no Paraná. O recorde pertence ao próprio Coritiba, no AtleTiba do dia 27/04/2008. Naquele domingo, 33.429 torcedores pagaram ingressos (dos quais, apenas 2.500 da torcida deles). Coxa x Grêmio é jogo pra quebra de recorde no Alto da Glória. E eu acredito que este recorde será batido.

Agora, é com a torcida! É jogo para carga total de ingressos sendo vendida. Eu acredito nesta torcida, irei ao jogo e irei apoiar o meu time de coração. E você, fará a sua parte? Tenho certeza que sim.

Agora vai?

Não, não vai. O Coritiba não tem time para deslanchar no Brasileirão. Não tem fôlego para 38 rodadas. Mesmo que ganhe do Grêmio, na raça e no grito, precisa de reforços. E precisa de gente que entenda cobrando resultados e procedimentos do treinador.

O imponderável da bola entra em campo. Seja quando o Cori foi prejudicado pelos erros de arbitragem ou perdeu a penalidade máxima - São Paulo, Cruzeiro, Vitória -, seja quando foi beneficiado por gol espírita do zagueiro ou por chutes que tiveram a bola desviada ou por falhas grosseiras dos marcadores adversários - Goiás, Flamengo e A. Paranaense. São alguns exemplos do imponderável - os árbitros não são punidos e os resultados não são revistos - que ajudam ou prejudicam. É o risco do negócio chamado futebol.

O vai-e-vem na tabela, em especial com alguns dos grandes do G4, como São Paulo, Cruzeiro, ou grandes do G8, como Internacional, são reflexo do baixo nível técnico do campeonato. Estes times - assim como o Flamengo - ao perderem alguns jogadores por contusão, transação ou suspensão, se fragilizam. Mas eles procuram reforços.

E o Coritiba? Procura reforços? Não. Não tem mais dinheiro? É isto. Possivelmente.

Mas se os números do Coxa são suficientes para garantir uma feliz estada na Série A, com uma Libertadores ano que vem, então tá. Pra mim, não são.

Analiso o futebol de forma sistêmica. Avaliar um parâmetro, em geral, é insuficiente.

Se o aproveitamento diz que Dorival é o cara certo, minha intuição diz que não.

Lendo as colunas no site COXAnautas do camisa 10 Alex e do treinador René Simões fico com a nítida impressão que os bastidores do Alto da Glória estão fervendo. Naturalmente, duas personalidades de sucesso como eles não irão tratar abertamente o assunto. Dão as dicas.

É necessário saber ler na entrelinhas. E só quem está no poder ou tem conhecimento vivencial de causa pode entender.

A vitória sobre o Náutico - time que vem na decrescente - pra mim não serve para consolidar um parâmetro de que o time está no caminho certo e que "Agora vai!".

Se o Verdão quer brilhar na Libertadores de 2009, precisa contratar e contratar muito bem. Ainda faltam 24 rodadas e muito campeonato vai acontecer até lá. Se houver a acomodação agora, e o torcedor baixar a guarda, não cobrando reforços (que foram prometidos pelos dirigentes, destaque-se aqui), o Coxa irá pagar caro no final do ano.

São os números vs. a intuição. O tempo dirá quem está certo.

sábado, 26 de julho de 2008

Beleza Coxa

Pra terminar a semana em alto astral, uma homenagem às mulheres coritibanas.

As jovens Suellen Karoline Ferreira - à direita -, 17 anos, e Vanessa Vernier - à esquerda -, 20, posaram para uma sessão de fotos que serão publicadas no site COXAnautas durante a próxima semana.

Sugiro a leitura das matérias que irão ao ar: as fotos são show de bola! Nota 10 para a torcida do Coritiba. Obrigado a Vanessa e a Suellen por divulgar o amor pelo Coxa para o mundo.

O que mudou?


O Coritiba venceu fora de casa. Enfim, na 15ª rodada, o Coritiba venceu fora de casa. Pouco, pra quem quer chegar na Libertadores de 2009 - promessa diretiva.

Lógico que a vitória é importantíssima e, mais do que isto, merece ser comemorada e bastante comemorada. Não é porque critico e cobro pelas promessas não cumpridas que torço contra. Só critico por achar necessário avisar que podemos melhorar. Mais: precisamos melhorar. Sempre.

Acompanhei os comentários do jogo Náutico 1x2 Coritiba pelas rádios Banda B, Transamérica, Globo/CBN e Difusora. Por elas, posso ter uma base. O jogo foi fraco tecnicamente. E o adversário - que não vencia a quatro jogos - tem jogadores fracos, como é o caso de Piauí, que foi recentemente dispensado do time da Baixada.


Mudou a posição do Coxa na tabela - o time Verde e Branco subiu e subiu bem, ocupando agora a 7ª colocação - e agora tem uns dias de calmaria para pensar e armar um forte time para encarar o Grêmio, que será bem mais forte do que foram Ipatinga e Náutico.

O Coxa venceu - mas pelo que dizem os radialistas, sem convencer e muito menos empolgar - e isto é um bom sinal. Só que a vitória não pode causar amnésia seletiva. Na quinta-feira, parada complicada contra o Grêmio.

E os reforços precisam chegar ao Alto da Glória, para termos um time competitivo o suficiente para ficar entre os quatro primeiros do Brasileirão. Pelo que jogou até aqui, o Coxa não tem este time. Infelizmente.

Império inovará outra vez


No jogo contra o Grêmio, no próximo dia 31, a torcida Império Alviverde trará novidades para os torcedores coritibanos.

A diretoria da organizada contratou uma empresa especializada em espetáculos noturnos para trazer mais cores ao Alto da Glória no jogo contra o tricolor gaúcho. "A idéia é inovar nos estádios paranaenses. Como sempre, é a torcida do Coritiba quem sai na frente. Os torcedores podem esperar por um show de cores nos céus do Alto da Glória neste jogo contra o time gaúcho", explica o presidente da torcida.

"Leve os filhos, netos e sobrinhos para o Couto. A piazada irá se divertir e conhecer bem de perto a força da torcida do Coritiba. O show nas arquibancadas está só começando", conta Luiz Fernando Papagaio, o presidente da Império.

Keirrison marca no final e Coxa dá um bico no tabu


O Coritiba - enfim! - venceu fora de seus domínios, ao fazer 2x1 no Náutico, no Estádio dos Aflitos, com gols de Guaru (aos 41 do primeiro tempo) e Keirrison, no fim da partida, aos 41 do segundo tempo. A partida foi considerada de baixo nível técnico, com o mau estado do gramado prejudicando o toque de bola de ambos os times. Com o placar, o Cori subiu bastante na classificação, ocupando agora a 7ª posição na tabela. No próximo dia 31, o Verdão encara o Grêmio de Porto Alegre, em jogo para 30 mil coritibanos apoiarem o time do coração.

O Coritiba iniciou o jogo com uma formação diferente no sistema defensivo, com dois atletas canhotos em campo - Felipe e Nenê. No meio de campo, outra surpresa: Guaru ganhou a titularidade, ao lado de Alê, que atuou como primeiro volante. João Henrique e Carlinhos Paraíba fecharam o meio de campo.

No primeiro tempo, movimentação ofensiva do lado alviverde na base do contra-ataque - o Coxa tinha apenas Hugo no ataque -, com o time nordestino atacando especialmente nos lances de bola parada.

O Timbu mostrou perigo por volta dos trinta minutos de jogo, quando acertou um chute na trave, levando perigo ao gol defendido por Édson Bastos.

O Verdão só apareceu no ataque aos 40 minutos de jogo, com Hugo, que perdeu uma boa oportunidade para marcar o primeiro gol da partida. Um minuto depois, Hugo fez a assistência para Guaru acertar um bonito chute de média distância, fazendo 1x0.


Com a vantagem no placar, DJ manteve o esquema tático para o segundo tempo. Já o time de Recife mudou, com a entrada do meio-campista Geraldo (ex-Coritiba) no lugar de Onildo, um dos zagueiros .

A mexida deu certo e o Náutico mostrou mais força ofensiva, segurando o Verdão no campo de defesa, tanto que aos 6, o time local fez o gol de empate, chutando forte.

O Timbu continuava ditando o ritmo do jogo, estando mais presente no setor ofensivo. O Coxa marcava forte para evitar os avanços do Náutico.

Vendo a melhoria do adversário, Dorival Jr. mexeu no Cori, colocando Rubens Cardoso no lugar de Ricardinho.

O time de Recife teve uma boa oportunidade para marcar, num cruzamento que chegou na medida para o atacante finalizar a gol, mas a bola subiu muito.

Aos 32 e aos 34 do tempo final, DJ mexeu novamente no Verdão, trocando Guaru por Henrique Dias e João Henrique por Keirrison. E foi esta dupla de atacantes quem decidiu o jogo, quebrou o tabu do Coxa nunca ter vencido o Náutico em Recife. Aos 41, HD avança em velocidade e cruza na medida para K9 fuzilar para o gol, fazendo 2x1 e decretando a vitória Coxa-Branca fora de seus domínios.

Depois do apito final, os atletas coritibanos foram saudar os torcedores que seguiram viagem até a capital de Pernambuco e os coritibanos que residem em Pernambuco que comemoravam a vitória do Coxa nas arquibancadas do estádio.

'Faltou testosterona'


Pois é, a tirada do treinador do time da Baixada, o Roberto Fernandes, após mais uma derrota - 1xo para o Sport Recife - entrou para a história do folclórico futebol brasileiro.

Perguntado dos motivos de mais uma derrota, ele foi claro, curto e direto: "Faltou testosterona aos jogadores".

Deixando um pouco a bola de lado, vamos falar sobre biologia:


Da Wikipedia:

Testosterona é um hormônio esteróide produzido, tanto nos Homens quanto nas Mulheres, pelos testículos (os quais também produzem espermatozóides e uma série de outros hormônios que controlam o desenvolvimento normal e funcionamento), nos indivíduos do sexo feminino, pelos ovários, e, em pequena quantidade em ambos, também pelas glândulas supra-renais. Vale ressaltar que a síntese da testosterona é estimulada pela ação do LH (hormônio luteinizante), que por sua vez é produzido pela pituitária anterior (adenohipófise ou simplesmente hipófise).

A testosterona é responsável pelo desenvolvimento e manutenção das características masculinas normais, sendo também importante para a função sexual normal e o desempenho sexual. Apesar de ser encontrada em ambos os sexos, em média, o organismo de um adulto do sexo masculino produz cerca de vinte a trinta vezes mais a quantidade de testosterona que o organismo de um adulto do sexo feminino, tendo assim um papel determinante na diferenciação dos sexos na espécie humana.



Perguntar não ofende: já fazem exame anti-doping de hormônios masculinos e femininos em atletas de futebol?

(Foto: www.worldofmolecules.com)

Where's Wally?


A expectativa criada pela diretoria do Coritiba, junto ao seu torcedor, com a contratação de mais um zagueiro para o elenco - que sentiu a perda da dupla titular na temporada 2007, que tinha Henrique e Jeci - ainda continua.

No último dia 11, Homero Halila falava à imprensa sobre o acerto com um atleta para a posição que seria anunciado até dia 14, uma segunda-feira. Desde então, o anúncio oficial não ocorreu.

Depois disto, a imprensa falou num possível acerto com Evaldo, ex-Santos e Grêmio, atleta em disponibilidade no time paulista. A imprensa de Santos citou a possibilidade de transferência - sem custos para o Verdão - mas o acerto não foi confirmado oficialmente pelos diretores do Coxa. E até o dia 26, nada de zagueiro contratado no Alto da Glória.

A pergunta que fica é: onde está o zagueiro do Coritiba? Quem prometeu que se explique pra torcida.

(Foto: http://whereswaldo.com/)

Na bronca!


O jornalista Thiago de Araújo assina matérias destacando a rodada de negociações envolvendo o Coritiba, o meio-campista Marlos e o procurador do atleta Marcos Romero, que é o irmão do jogador.

O contrato de Marlos finda em maio do próximo ano e os dirigentes querem renovar por mais tempo - dois anos é o que diz a reportagem - e se o acordo não ocorrer, o jogador pode até ser afastado do time.

“Essa possibilidade (de afastamento) não está descartada, esperamos uma compensação porque ele foi contratado, e se uma das partes não cumpre com suas obrigações, a outra busca os seus direitos. O Coritiba não é um ‘clubezinho’ qualquer para viver dessas incertezas”, explicou o presidente Jair Cirino, que destacou também que Paulo Jamelli e Homero Halila continuam buscando a negociação da renovação contratual com Marlos.

Segundo o procurador do atleta, o interesse é acertar a renovação contratual, mas algumas pendências de contratos antigos - à gestão de Jair Cirino - precisariam ser resolvidas. “Nós já estamos conversando sobre a renovação, e eu garanto que existe o interesse do Marlos em permanecer no Coritiba. Só falta chegarmos a um acordo ideal, bom tanto para o jogador quanto para o clube”, disse o procurador do meia. “Existem pendências de contratos anteriores e nós queremos resolvê-las. Não são de ordem financeira, são apenas algumas cláusulas atípicas que constam ainda”, explica.


Definições não divulgadas

O treinador Dorival Jr. falou à imprensa que acompanha a estada do Coritiba em Recife, onde logo mais, o Verdão enfrenta o Náutico, nos Estádios dos Aflitos, às 18h10, que já definiu o time que inicia a partida - DJ já comunicou aos atletas - mas que não divulga a escalação antes do início do jogo.

Com a não divulgação do time-base, o torcedor especula: afinal, quem é que inicia jogando na zaga coritibana? Nenê volta ao time? Tiago Bernardi? Felipe continua como titular?
São dúvidas que permanecerão até o início do jogo. Mas convenhamos, se Dorival optar por um sistema tático com três zagueiros, sendo dois deles canhotos - Felipe e Nenê - estará inovando.

Resta aguardar e torcer pelo acerto do treinador na montagem do elenco alviverde. Não acredito que Nenê inicie a partida como titular, ao lado de Felipe. Seria temerário dois canhotos em tão próximo espaço de campo.

E será que Bernardi entra nesta zaga? Apesar do gol feito na partida contra o Goiás, o zagueiro foi mal - assim como boa parte do time -, e isto pode pesar contrária à escalação. Mas mesmo assim, Dorival Jr. pode optar pelo sistema tático com três zagueiros, já que o Cori atua fora de casa.

E se sobrar pro Felipe? Maurício, Bernardi (que dizem já ter atuado na função de líbero, quando jogava no futebol da Suiça) e Nenê. Será?

(Foto: Bensik Imeri)

sexta-feira, 25 de julho de 2008

Um velho conhecido contra o Cori

O Náutico contará com a volta do zagueiro Vagner ao time titular no jogo deste fim de semana, contra o Coritiba. Vagner já teve passagem pelo Alto da Glória em 2005, quando o time caiu de divisão. "Conheço bem o Coritiba. Passei um bom tempo lá. Vai ser um bom jogo", disse o zagueiro Vagner ao site oficial do clube de Recife.

Além de Vagner, quem retorna ao time após cumprir a suspensão automática é o zagueiro Everaldo. Para o jogo contra o Verdão, o Timbu não contará com a presença do zagueiro Negette, suspenso.

Segundo o site NauticoNET, foram liberados pelo departamento médico para treinar para o jogo contra o Verdão o meio-campista Geraldo (ex-Coritiba) e o lateral-direito Ruy. Segundo site TimbuNET, ambos serão reavaliados pelos médicos do time alvirrubro para saberem se poderão ir ou não para o jogo deste sábado, 18h10, no Estádio dos Aflitos. Quem está vetado para enfrentar o Coxa é o atacante Felipe.

Profissionais no comando


Outrom ponto interessante de ser analisado na gestão do Coritiba, é a profissionalização do Clube. É, ao meu ver, um problema (e dos grandes), um problema antigo, que não surgiu neste gestão. Foi herdado por ela, que optou por manter o estado das coisas.

Alega-se que os dirigentes são torcedores que abrem mão do seu tempo de afazeres pessoais, profissionais e familiares por amor ao Verdão e do Clube não cobram um centavo. Verdade. Mas isto não quer dizer que isto esteja certo.

Se necessário for, que se profissionalizem os dirigentes coritibanos. Assim, poderemos ser justos: eles recebem para trabalhar pelo Coxa e poderão ser avaliados pelos resultados, sejam bons ou maus resultados. Sendo maus, poderão ser responsabilizados.

A gestão de Jair Cirino e Tico Fontoura se baseou, em suas promessas de campanha, no profissionalismo do Clube, o qual seria adotado durante sua gestão. Se necessário for, mude-se o paradigma, se altere o estatuto e remunere os dirigentes.

O que não podemos é ficar na mesma repetição de discursos - que vinham na gestão de Giovani Gionédis e muito antes deles - de que os dirigentes são abnegados amadores que colaboram com o Clube. Isto só não basta para ter um Clube de sucesso no futebol nacional.

Abnegados amadores também estão nas arquibancadas. Mas de lá não se conduz um clube de futebol, que é uma empresa. E como toda empresa, precisa ter sucesso no mercado.


(Foto: Martin Boulanger)

Mais sobre os sócios


Voltando ao tema dos sócios do Coritiba - foram exatos 6.933 sócios que acompanharam a partida contra o Ipatinga -, um assunto interessante para se debater é o aspecto financeiro das campanhas "Sou sócio, sou Coxa" e "Eternamente Coxa".

Gosto da natureza indagadora. Isto não é criticar o que está certo, como se fosse um jogo de interesses pessoais ou de um grupo. Se trata de saber se o que está acontecendo é ou não o melhor para o Coritiba Foot Ball Club. É diferente.
Não critico por criticar - sei que não é o que dizem os bajuladores de dirigentes, independente da diretoria que seja bajulada -, como se ao fazer isto estivesse desmerecendo o que foi feito de bom. Critico o que acho estar errado esperando que assim o Verdão evolua.

Então, vamos lá.

Recentemente o amigo David Meira, em sua coluna no site COXAnautas abordou o tema: "o novo plano de fidelização, que em pouco mais de 3 meses, igualou a arrecadação do antigo plano de sócios do ano passado".

Algumas considerações merecem uma análise mais profunda, mesmo sem saber, afinal, qual é o número de sócios em dia com o Clube.

Primeiro, o aspecto temporal. A campanha de sócios de 2007 teve duração de seis meses. A atual, de três. O Coxa encerrou o ano com menos de 5.300 sócios (e proprietários de cadeira) com as mensalidades/anuidades em dia.

A meta de equiparação entre arrecadações dos dois planos merece uma análise mais profunda. Afinal, deste total arrecadado, quanto ficou para o Coritiba como receita, já que o plano "Eternamente Coxa" tem até 38% de suas receitas com as mensalidades ficando a cargo do parceiro do Clube. Ano passado, isto não acontecia, era tudo operado pelo próprio Coxa, que arcava com o risco e os custos operacionais.

É necessário saber também se o Cori investiu em publicidade (criação, produção e divulgação) com o novo plano e quanto o antigo plano investiu. Afinal, se os custos aumentaram (uma hipótese, claro, pois os dirigentes não prestam este tipo de informação aos associados), só saber a arrecadação não basta. É necessário comparar os lucros obtidos pelos dois planos.

Falando em custos, é necessário avaliar se o custo operacional e administrativo do novo plano é mais algo ou mais baixo que o antigo plano. Se mais pessoas foram contratadas para gerencia-lo e qual o impacto disto na folha do Clube. Isto também conta na análise de custos vs. benefícios.

Outro fator relevante é o do apelo. Na Série A, o apelo aumenta, naturalmente. O Coxa é um Clube de futebol. Na Série A, as marcas dos adversários são mais fortes, de maior apelo. Os jogos chamam mais a atenção. Então, é justo lembrar que se tem mais apelo de jogar contra o Flamengo do que contra um time da Série B do ano passado.

Estar na Série A naturalmente elevou os custos do Clube. Assim como elevou a possibilidade de lucro, já que as receitas são mais altas. É uma roda-vida.

Outro ponto interessante é o apelo do novo sócio junto ao público feminino. A quantas anda a adesão das mulheres?

Para saber se o atual plano de sócios é melhor do que o antigo, ou que o antigo é melhor que o atual, muito mais do que a arrecadação é necessário ser analisada. A avaliação de uma gestão profissional - parto da premissa, já que foi promessa dos eleitos e com base nisto faço as análises -, mais argumentos precisam ser expostos para que a profundidade da avaliação seja suficiente para soltarmos fogos - ou vaias - ao plano de sócios.


De concreto, temos o rival - o time da Baixada - na nossa frente em se tratando de sócios em dia indo aos jogos. Isto me incomoda. E por isto, chegou a hora de avaliarmos o plano de sócios do Alviverde do Alto da Glória.